DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

A muito provável vitória de ACM Neto no pleito que se encerra não significa que tenhamos, já, um candidato definido ao governo do Estado.

O prefeito blefava quando dizia, há poucos meses, não ter certeza de que tentaria a reeleição, mas é ponderadamente sincero sobre 2018, dizendo-o fora do seu foco.

É verdade que designou vice o fiel amigo Bruno Reis, para a eventualidade de deixar a Prefeitura, o que não fará se considerar desaconselhável a empreitada estadual.

A questão central, aliás, é exatamente esta: indo para a disputa, Neto teria, sem contar este resto de mandato, mais um ano e quatro meses no cargo.

Ficando, serão quatro anos fechados, tempo razoável para, à frente de uma máquina que domina, avançar na recuperação da capital baiana e colocar-se como capaz de realizar obra maior ainda.

Portanto, seria preciso muita convicção do prefeito para encarar o risco, ainda que mantivesse indiretamente o controle do município por mais dois anos, para consolo em caso de derrota.

O quadro real é que 2018 envolve colégio eleitoral amplo e diversificado no interior do Estado, e em Salvador o governador Rui Costa, desta vez, terá para si, pessoalmente, muitos votos pelo trabalho na cidade.

Minha urna inesquecível

Hoje, em idade avançada, constatei, enfim, a inutilidade do voto. Não que não a tivesse imaginado ante o Brasil atual, após 19 eleições e dois plebiscitos de que civicamente participei nos últimos 54 anos.

Mas é porque, desde o raiar da madrugada, para evento esportivo na TV, programei religiosamente os passos do dia, marcando para as 15 horas o exercício obrigatório do voto – daqui a pouco.

A questão é que, a cada uma das variadas tarefas dominicais cumpridas, geralmente de cunho doméstico e incluindo operações externas, esquecia-me do sagrado dever da urna, pensando já desfrutar plenamente do sossego do lar.

É uma diferença muito grande daquele tempo em que a gente pensava que construía o futuro. Somos instados a suspeitar que, talvez, muitas gerações não merecessem essa decepção final. Mas eu vou, me lembrei e já estou indo. E digo: não vou votar nulo nem em branco. (LAG)

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 3 outubro, 2016 at 10:49 #

Voto obrigatório, meu caro Luís, é autoritarismo, não combina com democracia.
Por sorte a multa é irrisória!
Certas escolhas não traduzem opção, ao contrário, representam rendição.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • outubro 2016
    S T Q Q S S D
    « set   nov »
     12
    3456789
    10111213141516
    17181920212223
    24252627282930
    31