set
27

DO PORTAL TERRA BRASIL

Na novela “Velho Chico”, começaram a ser exibidas nesta segunda-feira (26), as cenas gravadas com o recurso da câmera subjetiva após a morte de Domingos Montagner. Com isso, os colegas de elenco do ator, encontrado morto em Canindé de São Francisco, Sergipe, se dirigiam ao equipamento quando conversavam com Santo.

E a novidade comoveu os internautas e tornou o nome do personagem de Domingos o assunto mais comentado no Twitter. Muitos destacaram a emoção de Camila Pitanga, que estava com o artista em seus últimos momentos de vida. “O rosto da Camila Pitanga ao falar com o Santo dói o coração”, escreveu uma. “Tem como não se emocionar? Que mulher forte essa Camila Pitanga. Tem meu eterno respeito!!! Santo tá contigo, Terê. Acredite!”, exclamou outra. “Santo vive no olhar de Camila Pitanga”, opinou ainda outro.

Outros internautas estranharam o novo recurso. ” Ao mesmo tempo, também é estranho ver o “olhar” do Santo presente na cena sem fala. E aí fica forte a presença e ausência dele”, indicou uma. “Câmara sendo o olhar de Santo foi estranho e melancólico”, afirmou outra telespectadora. “Tô vendo essas cenas do pessoal olhando pra câmera como se ele fosse o Santo e, nossa, que aflição, gente”, afirmou mais um mencionando o personagem, cujo nome será dado ao filho de Miguel (Gabriel Leone) em mais uma homenagem a Domingos Montagner.

Escolhido para ser o substituto de Domingos Montagner na série “Carcereiros”, prevista para estrear em 2017, Rodrigo Lombardi falou sobre o convite em suas redes sociais neste domingo (25).”Essa semana recebi um convite. Melhor… Essa semana fui promovido. Melhor… Essa semana fui honrado com esse convite. A incumbência de substituir (se é que a palavra se aplica nesse caso) meu amigo ‘Mingo’ na série ‘Carcereiros’… Vou me jogar de cabeça! Como tento fazer sempre! Mas dessa vez, prefiro imaginar um salto, um voo, como num trapézio ou maca russa, ou mesmo qualquer um desses paralelos que traçamos em muitas das nossas conversas, mano véi…Sem rede! Sempre! Dói ainda”, escreveu em parte da legenda.

(Por Marilise Gomes )

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 27 setembro, 2016 at 9:41 #

A arte tem seus mistérios, o recurso usado homenageia, pelo estranhamento e delicadeza uma presença constante na novela, a inspiração generosa em Gabriel Garcia Marques, Dona Encarnação, em genial interpretação de Selma Egrei, poderia figurar, sem pejo algum, em 100 anos de solidão! A câmera travestida de ator, não faria papel menor!


luiz alfredo motta fontana on 27 setembro, 2016 at 9:42 #

Acrescente-se, que o recurso, por singeleza e acerto, tem também um cadinho de Antonioni!


vitor on 27 setembro, 2016 at 11:21 #

Luiz Fontana:

Perfeito, poeta! Tem tudo isse que você assinala e mais os cantos, encantos e mistérios do Rio São Francisco pairando sobre coisas e pessoas: personagens e ambiente. O onírico e o real juntos e inseparáveis, afinal é do rio da minha aldeia que se trata. Um marco da dramaturgia das novelas no Brasil.Forte abraço ribeirinho.


Lucia Jacobina on 29 setembro, 2016 at 10:19 #

Caro Vitor, desculpe-me chegar atrasada ao assunto, mas justamente porque me deixou intrigada o empréstimo tomado do realismo fantástico, recurso narrativo criado pela literatura sulamericana no século passado erevelador de grandes vultos como Gabriel Garcia Marquez e já utilizado em telenovelas da mesma rede Globo por se não me engano Dias Gomes, gostaria de saber se a região do São Francisco possui mesmo essas lendas e crendices mostradas pelo diretor da novela.


Rosane Santana on 29 setembro, 2016 at 15:56 #

Prezada Lúcia Jacobina,
Segundo o jornalista Tasso Franco, citando livro de Wilson Wilson Lins, em seu blog http://www.bahiaja.com.br/politica/noticia/2016/09/26/lobisomem-de-serrinha-homenageia-montagner-e-revela-causos-da-bomba,95092,0.html, o Rio São Francisco tem, sim, muitas lendas.


Rosane Santana on 29 setembro, 2016 at 16:03 #

O Médio São Francisco(Uma sociedade de pastores e guerreiros). Ensaio. 1ª edição , Ed. Oxumaré, Salvador, 1952; 2ª edição. Livraria Progresso Editora, Salvador, 1960.Wilson Lins.


Rosane Santana on 29 setembro, 2016 at 16:04 #

Os Cabras do Coronel – Romance, Edições GRD, Rio de Janeiro, 1964.
O Reduto- Romance, Livraria Martins Editora,S.A., São Paulo, 1965.
Remanso da Valentia- Romance, Livraria Martins Editora, S.A., São Paulo, 1967. (junto aos dois anteriores, formam uma trilogia sobre a vida nos sertões baianos do São Francisco, na época do Coronelismo). Wilson Lins.
Fonte:Wikipedia


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2016
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930