Murilo, de 17 anos, em protesto anti-Temer M.Rossi

DO EL PAÍS
Carla Jimenez
Marina Rossi

São Paulo

O senso comum aponta que os protestos de rua que começaram em São Paulo desde que Michel Temer foi confirmado na presidência estariam reunindo apenas pessoas contrárias ao impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff. Mas, algumas conversas com os integrantes das marchas que se repetem há pouco mais de dez dias na capital paulista revelam um mosaico de ideias e posições, distante da polarização binária que se concebe inicialmente. Luana*, por exemplo, uma ativista negra de São Paulo que prefere não revelar seu nome verdadeiro à reportagem do EL PAÍS, avalia que classificar o impeachment de Dilma como golpe é forte demais. A jovem, que participou no último dia 7 de setembro do protesto contra Temer, tem uma leitura particular sobre a destituição da agora ex-presidente. “O PT quis dizer que é golpe, mas para mim não é. [Falar de golpe] é um tipo de marketing. Eles [os políticos] são todos farinha do mesmo saco”, diz a jovem que aparenta ter menos de 30 anos.

Luana foge do estereótipo daqueles que acreditam que os protestos anti-Temer são formados por petralhas ressentidos com o impeachment. “Não votei na Dilma. Não acredito em sistema de eleição. E apoio a saída do Temer porque ele está tirando coisas que as pessoas demoraram muito tempo para conseguir, em questão de minutos”, diz Luana, que empunhava uma bandeira nas cores roxa e preta – “sou feminista anarquista”, explicou –, enquanto caminhava na marcha que terminou no centro da cidade. As ‘coisas’ tiradas por Temer, a que se refere, são os direitos sociais que estão comprometidos pelos acenos de ajuste fiscal do Governo.

Daniel, por outro lado, votou em Dilma em 2014. Mas apoiou o seu impeachment por reconhecer que ela cometeu erros demais, incluindo o descontrole com as contas públicas que embasaram o pedido de destituição do cargo. “Não tem como negar que ela foi uma má administradora do país. Por isso fui a favor da sua saída”, diz. Os erros do seu Governo, porém, se estendem ao vice. “Também sou a favor do impeachment de Temer pois ele estava junto. De certa forma, Temer estava envolvido com tudo”, disse o estudante de Administração, enquanto caminhava pela avenida da Consolação, no dia 7, no meio do grupo que gritava “Fora Temer”. “Acredito que é necessário ter novas eleições”, completa Daniel. O jovem tem 20 anos, cursa Administração de Empresas e tem marcado presença em todos os protestos desde o impeachment, no último dia 31.

O perfil dos manifestantes que participam dos protestos contra o atual Governo definitivamente não segue um padrão único. Enquanto os atos que aconteceram em São Paulo durante os dias da semana reuniram mais estudantes, o protesto do último domingo dia 4, tinha famílias inteiras e pessoas acima dos 40. Caso de Luís Toledo, psicólogo. Ele não votou em Dilma e nem gosta do PT. “Mas também não apoio Temer”, explicou.

Já Bruno, sociólogo de 30 anos, tem ido aos protestos porque acredita sim que o impeachment foi um golpe e é preciso ocupar as ruas para expor a contrariedade. “Com um golpe de Estado acontecendo na sua frente, ainda por cima dado por forças políticas ultra conservadoras, manifestar desacordo é obrigatório”, afirma. Ele conta ter votado em Dilma no segundo turno e queria ela de volta, “pelo simples fato de não haver crime de responsabilidade, cometido pela presidenta, que fundamente o impeachment”

Irene, 51 anos, segue a mesma linha de Bruno. “Não ficou provado que ela roubou ou cometeu crime”, analisa ela, que é autônoma. Irene observa que há variadas classes sociais representadas nos protestos. “Sabe que eu tenho percebido que tem um pessoal mais chique agora na manifestação, mais bem arrumado. É um pessoal de classe mais alta”, comenta ela que arrisca um diagnóstico. “Acho que eles foram na Paulista pedir pelo impeachment e aí acordaram no dia seguinte e viram que a vida não tinha se transformado naquela maravilha que eles achavam que ia ser. Estão arrependidos”, diz Irene, para quem Dilma deveria voltar.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2016
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930