set
06


Fonte Nova: Wagner e Dilma antes da inauguração da “arena”


DA TRIBUNA DA BAHIA

Ao pedir a prisão do empreiteiro Leo Pinheiro, ex-presidente da OAS, o Ministério Público Federal (MPF) citou irregularidades no contrato da Arena Fonte Nova (no governo de Jaques Wagner), em Salvador. Pinheiro foi preso nesta segunda-feira (5) na Operação Greenfield e já havia sido preso por envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.

Conforme o Ministério Público Federal (MPF) há irregularidades contratuais e foi constatado “com boa prova de materialidade”, que Leo Pinheiro reiteradamente praticou “graves crimes de corrupção e lavagem de ativos em largo espectro”.

“Pontue-se, que a lavagem de ativos de aproximadamente R$ 28 milhões de reais com a celebração de contratos ideologicamente falsos como revelado pelos colaboradores Roberto Trombeta e Rodrigo Morales envolveu obras da Petrobras, bem como projetos de linhas do Metrô de São Paulo e a construção do Estádio Fonte Nova (obra da Copa)”, diz o MPF.

”Há fortes indicativos de que a OAS não apenas praticou crimes e lavou recursos oriundos da Petrobras, mas também recursos decorrentes de outras obras públicas para as quais foi contratada”, reforça a promotoria, ao citar a Fonte Nova, obras da Petrobras e linhas do metrô paulista. Segundo reportagem do jornal O Estado de S. Paulo, a Arena Fonte Nova foi procurada, mas não se manifestou.

A OAS também não comentou o caso. Em abril desse ano, o Tribunal de Contas do Estado (TCE), por maioria, decidiu que o contrato para a construção e o gerenciamento da Arena Fonte Nova é ilegal. O contrato foi firmado entre o governo do estado e a Fonte Nova Participações (consórcio formado pela Odebrecht e OAS) em 2010, na gestão do então governador Jaques Wagner (PT).

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2016
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930