BOA TARDE!!!


Léo Pinheiro da OAS chega a sede da PF em São Paulo por condução coercitiva, em nova operação da Polícia Federal chamada de ‘Operação Greenfield’ – 05/09/2016 (Danilo Verpa/Folhapress)

DEU NA VEJA (PORTAL ONLINE)

Nem mesmo o avanço da Operação Lava Jato e o afastamento da presidência da construtora OAS foram capazes de impedir que o empreiteiro Léo Pinheiro continuasse a cometer crimes e pagar propina para manter seus interesses longe do crivo da lei. As conclusões são do Ministério Público Federal, que pediu ao juiz Sergio Moro nova prisão preventiva do empresário. Pinheiro foi levado para prestar depoimento nesta segunda-feira e depois será levado a Curitiba. Ele é um dos alvos da Operação Greenfield, deflagrada hoje. Conforme revelou VEJA, Pinheiro negociava um acordo de delação premiada que atingiria em cheio políticos do calibre dos petistas Lula, Dilma Rousseff e dos tucanos Aécio Neves e José Serra. Uma menção ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli, no entanto, levou o procurador-geral da República Rodrigo Janot a anular o acordo com o empreiteiro.

Na Operação Greenfield, os procuradores da força-tarefa da Lava Jato dizem que, mesmo após a condenação imposta a Pinheiro, ele continuou a praticar crimes para além do pagamento de propina em obras ligadas à Petrobras e a outras empresas. A atuação dele na distribuição de dinheiro sujo e no cartel de empreiteiras conhecido como Clube do Bilhão já havia lhe garantido pena de mais de 16 anos de prisão. Desde abril de 2015, no entanto, ele cumpria prisão domiciliar por ordem do ministro Teori Zavascki, relator de um habeas corpus dele e de outros oito empreiteiros detidos.

CRÔNICA

Diferentes modos de ver a rua

Janio Ferreira Soares

No ótimo Birdman, vencedor do Oscar de melhor filme em 2015, há um delicioso diálogo entre Emma Stone (sentada no parapeito de um prédio na Broadway) e Edward Norton (tragando um cigarro num estilo James Dean), onde, no final, ela pergunta se ele quer fazer amor. Sincero, ele responde que é melhor não, pois tem medo de falhar.

Decepcionada, mesmo assim a jovem Sam quer saber o que o velho Mike faria com ela na hipótese de irem para a cama. Sua resposta é um desses petardos que lembra o chute enviesado de Nelinho contra a Itália na Copa de 78. Ele diz que arrancaria seus olhos e os colocaria no seu cérebro, só para poder voltar a ver a rua com o olhar de quando tinha sua idade. Bingo!

Por mais que se tente, é quase impossível lembrar o momento exato em que deixamos de ver a vida pela ótica desencanada da adolescência, para vê-la pelo ponto de vista da velha labuta. Na modesta opinião desse barranqueiro do rio das curvas perdidas, esse distanciamento se consolida a partir do momento em que trocamos o banco da praça pela fila do banco, agravado por essa desenfreada obsessão das pessoas em compartilhar suas intimidades, como se isso fosse normal.

Não é. A propósito, se eu me arrepio ouvindo John Lennon cantando Stand By Me numa manhã de setembro, por que diabos vou querer tirar uma foto da minha pele eriçada para que todos saibam que ela está assim porque estou ouvindo Stand By Me numa manhã de setembro? Daí a opinar sobre Bolsonaro e Dilma, ou postar palminhas falsas para uma gordinha na frente do espelho, basta um click.

Outro dia um amigo falava de sua agonia numa madrugada dessas, só porque seu filho estava numa festa sem dar notícias. Aí, quando ele o viu chegar cheirando a vodca e com o braço de lado como se tangendo uma galinha, pensou até em brigar, mas desistiu ao se lembrar do tempo em que ele também chegava em casa pisando em ovos com o maior medo de acordar o galo-mor, que, trepado num poleiro de araque, fazia de conta que nunca tinha sido frango um dia.

Janio Ferreira Soares , cronista, é secretário de Cultura em Paulo Afonso, na margem baiana do Rio São Francisco.

Postado pelo leitor, ouvinte que assina Vangelis, amigo do peito do BP, em sua página no Facebook, sábado:

Nesse 3 de Setembro com ares de chegada da Primavera, a Marabá Publicidade (serviço de alto falante que marcou época em Juazeiro pela refinada qualidade da programação musical à cargo de Gil Braz) saúda o ribeirinho VHS pelo belo Fado Tropical. 2 mais 1 não é 3…

=============

BP agradece o mimo, principalmente por permitir ofertar a todos os seus ouvintes e leitores esta belíssima e rara canção no começo deste setembro de 2016.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

set
05

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Vai ter gente enriquecendo

A instância judicial que suspendeu as multas a motoristas que trafeguem de dia em rodovias sem usar farol baixo não agiu assim porque a exigência é um inteiro descalabro.

A questão é que não há placas de advertência para que possa ser evitada a infração, como determina o Código de Trânsito Brasileiro.

Vamos, portanto, sinalizar o Brasil inteiro. É um farto mercado que se abre para o segmento, nestes tempos de crise, como foram um dia o kit de primeiros socorros e o extintor de incêndio AAA.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Aviso aos estrangeiros

A propósito, uma placa de sinalização, esta virtual, foi “colocada” numa estrada em imaginária fronteira:

“Bem-vindo ao Brasil – Aqui quem comete muitas infrações de trânsito perde o direito de dirigir. Mas presidente que comete muitos crimes e quebra o país pode voltar à política no dia seguinte”.

set
05
Posted on 05-09-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-09-2016

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

TEMER FALA; MEIRELLES DORME

Os grandes líderes mundiais ouviam atentamente o discurso de Michel Temer no G20, enquanto Henrique Meirelles dormia profundamente.

É a imagem de uma economia anestesiada.



Só me acordem, por favor, quando Temer parar de…
…zzzzzzzzzzzzz

set
05
Posted on 05-09-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 05-09-2016


Jarbas, no Diário de Pernambuco

set
05


DO EL PAÍS

Carla Jiménez

São Paulo

Havia milhares de pessoas na avenida Paulista neste domingo protestando contra o presidente Michel Temer em uma manifestação convocada, inicialmente, pelos coletivos Frente Brasil Popular e Povo Sem Medo. Em nada lembrou os outros cinco atos que aconteceram ao longo da semana que passou em São Paulo, e que foram classificados de “grupos pequenos de não mais que 40 a 100 pessoas”, como disse o presidente Temer em entrevista na China. A PM não divulgou o balanço de público. Na conta dos organizadores, eram 100.000 pessoas: famílias com crianças de colo, jovens e manifestantes ligados a movimentos sociais que lotaram a avenida, e marcharam, a partir das 18 horas, até o Largo da Batata. Tudo correu de maneira tranquila e organizada, como atestou a reportagem do EL PAÍS, entre as 16h30, horário marcado para começar o ato no MASP, e as 20h45, quando os manifestantes já estavam no Largo, depois de marchar por mais ou menos cinco quilômetros.

Mas, quando as pessoas começaram a ir embora, dirigindo-se ao metrô Faria Lima, em frente à Batata, uma confusão se instalou com a Polícia Militar jogando bombas de gás lacrimogênio para dispersar o fluxo dentro e fora da estação. Muitas pessoas começaram a passar mal e a tossir em reação ao gás, incluindo idosos. Os policiais jogaram bombas no mesmo Largo, numa ação que pegou de surpresa a todos ali presentes. Mesmo sem reação, a Polícia passou jogando mais bombas. “Paramos para comer em um bar e a polícia covarde e canalha, sem motivo algum, jogou uma bomba de gás dentro do estabelecimento”, relata a publicitária Mariana.

A ação da PM no metrô começou quando um grupo começou a gritar “Libera a catraca”. Segundo a polícia, foram vândalos que provocaram essa reação. “Em manifestação inicialmente pacífica, vândalos atuam e obrigam PM a intervir com uso moderado da força/munição química”, divulgou a polícia do Estado de São Paulo em seu twitter por volta das 21h00. Era o mesmo desfecho que marcou todos os atos anti-Temer realizados desde a segunda, dia 29. Balas de borracha também foram disparadas.

O fotógrafo Maurício Camargo foi atingido, segundo relata a repórter Marina Rossi, que estava no momento do tiro. Um jornalista da BBC Brasil recebeu golpes de cassetete mesmo estando identificado como jornalista. Segundo o Grupo de Apoio ao Protesto Popular, 12 pessoas foram vítimas da ação policial, sendo cinco delas intoxicadas com gás., quatro por estilhaços, e três por balas de borrachas.

Imagens de uma vidraça quebrada em um estabelecimento na avenida Paulista, divulgada pela Globo News, explicaria mais tarde o que a PM procurou justificar. Mas, os seis jornalistas do EL PAÍS que seguiram a marcha dos manifestantes em distintos pontos do percurso não presenciaram nenhum ato de vandalismo, o que não deixa claro se a tal vidraça quebrada foi uma reação posterior à violência policial. Outras dezessete pessoas que estavam no protesto relataram, por rede social, também não ter visto nada que pudesse ser considerado ‘vandalismo’.

Às 22h45, a Secretaria de Segurança do Estado divulgou uma nota alegando que houve um princípio de tumulto na estação, que “se transformou em depredação. Vândalos quebrando catracas, colocando em risco a vida de funcionários”. A repórter Marina Novaes se encontrava no local na hora das bombas e não viu nenhuma catraca depredada. Mais tarde, a ViaQuatro, concessionária responsável pela estação Faria Lima, disse que a confusão resultou em uma lixeira, uma luminária e uma catraca quebrada. O que também não deixa claro se esses prejuízos foram provocados após as bombas terem sido atiradas.

Chamou a atenção o fato de que neste ato de domingo havia a presença de famílias inteiras com crianças e gente acima dos 40. Nos protestos anteriores, que aconteceram ao longo desta semana, a presença majoritária era de jovens estudantes, que tinham uma atitude mais provocativa com a polícia. Por isso, a ação da PM causou estranheza e aumentou a desconfiança dos militantes de esquerda sobre as reais intenções da PM. “A PM de [governador Geraldo] Alckmin dá seu show antidemocrático. Após o encerramento do ato pelo Fora Temer com cerca de 100 mil pessoas, a PM resolveu provocar, atirar bombas e jatos de água. Não nos intimidarão! Nenhum passo atrás!”, disse nas redes sociais Guilherme Boulous, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

Para além deste desfecho infeliz, é fato que o Governo Temer terá de rever seus conceitos sobre a dimensão dos protestos que o rejeitam na presidência. Milhares de manifestantes gritaram “Fora Temer” e “Diretas Já” para marcar posição na rua e deixar claro que não estão confortáveis com a sua chegada ao poder após o impeachment da ex-presidenta Dilma. “Ele não deveria ter minimizado os protestos, foi falta de respeito”, disse Rodrigo, funcionário público do governo de São Paulo. Estava entusiasmado por ver tantos militantes de esquerda juntos. “Só em junho de 2013 vi isto”, afirmou, lembrando as manifestações daquele ano.

Marchava ao lado de Daniela, que trabalha com educação. Enquanto caminhavam, conversavam sobre erros passados da ex-presidenta Dilma. E reconheciam naquela multidão que muitos dos que estavam saindo para protestar não haviam defendido a ex-presidenta durante o processo de impeachment. “A ver o outro lado crescer, é preciso voltar às ruas”, diz Daniela.

Sidney Fernandes, professor de História, e Wendel Alves, monitor de cultura, vieram de Santo André, na grande São Paulo. “Viemos para denunciar o golpe em curso que vai tirar direitos dos trabalhadores, e dinheiro de serviços públicos como o SUS”, contou Fernandes. Não tinham expectativa de que Dilma voltasse. “Não acreditamos que ela precise voltar, mas também não é certo que Temer, que não teve nenhum voto fique. Queremos Diretas Já”, repetindo um mote ouvido ao longo de toda a marcha. O senador petista Lindbergh Farias garantiu que o PT não vai facilitar a vida de Temer. “Não sairemos mais das ruas até conseguirmos as Diretas Já”, garantiu.

Ao longo do protesto era possível ver bandeiras dos movimentos sociais, da CUT e de alguns coletivos. Mas, a grande maioria dos manifestantes não estava vinculada a nenhum movimento em específico. Haviam votado em Dilma na eleição de 2014. Roseli, psicóloga que acompanhava o movimento da marcha na avenida Rebouças, disse que apoiava o protesto porque estava contra a forma como o impeachment foi aplicado. “Poderia ter sido com qualquer presidente, não só com a Dilma. Não estaria de acordo do mesmo jeito”, disse. Alguns políticos estiveram presentes no local. Caso de Luiza Erundina (PSOL), o senador Lindbergh Farias (PT), e o secretário municipal, Eduardo Suplicy.

Há mais dois atos marcados para esta semana, nos dias 6 e 7 de setembro. A violência gratuita do ato deste domingo pode ter um efeito bumerangue para o Governo Temer. Foi assim em junho de 2013 quando a repressão policial insuflou os manifestantes que foram engordando os protestos a cada novo ato. E os eleitores de Dilma que foram às ruas neste domingo, deram o recado ao presidente em um dos coros cantados ao longo da marcha: “Temer, não tem arrego, você tira o meu voto e eu tiro seu sossego”.

(Colaboraram Carol Alves, Felipe Betim e Flávia Marreiro)

  • Arquivos

  • setembro 2016
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     1234
    567891011
    12131415161718
    19202122232425
    2627282930