ago
31
Postado em 31-08-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 31-08-2016 00:10

Na corte de Dilma

Espantoso, surpreendente, inacreditável mesmo foi ver Chico Buarque entre Lula e Jaques Wagner nas galerias do Senado Federal.

Não, não se trata de questionar o direito que cada um tem de escolher suas amizades e posições políticas.

Mas de o coração dos fãs achar que a presença do inexcedível compositor é desproporcional ao mérito das companhias.

Senador cavador, ministro sinistro

Eis que o senador Romero Jucá, serelepe nos corredores do impeachment, é apontado como um ministro sem pasta, grande representante e articulador do presidente Michel Temer e presença sempre influente em reuniões no Palácio do Planalto.

Onde é que nós estamos? – perguntaria o indignado cidadão do passado, ante o fato de que há três meses Jucá foi demitido do Ministério do Planejamento por ter sido flagrado em gravação articulando contra a Operação Lava-Jato, que o próprio Temer diz ser irreversível.

Ou seja, aos olhos de toda a nação, não há muita diferença entre o oficial e o paralelo. O cara não é, mas é. Não vale o escrito, como no jogo do bicho, e o presumido não tem nenhum significado, nem para a Justiça, que não dá a mínima pra Jucá.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos