ago
21

CRÔNICA

Rios de janeiro e de Francisco

Janio Ferreira Soares

Estava pensando em escrever algo sobre as Olimpíadas do Rio, mas o rio que me interessa agora é esse margeando mansamente meu condado, que vai muito além de janeiro, de fevereiro, de março e do “olha o biscoito Globo e o mate gelado!” gritado por bocas cheias de ginga em praias lotadas de bundinhas e de caos.

O rio que me interessa agora não é o de Michael Phelps e suas orelhas de Dumbo voando nas águas da Guanabara, tampouco é o da judoca Rafaela e seu admirável cabelo de fuá, antítese perfeita do narcisismo dos nossos jogadores de futebol, especialmente Gabigol, cuja barba parece ter sido projetada com o firme objetivo de ele vir a ser o noivo de um casamento matuto numa festa de São João.

O rio que me interessa agora não é esse cheio de cores filtradas que passa na novela, nem é o das empulhações marqueteiras que desembocam em revitalizações de araque, que só servem para irrigar lavouras de euros em terras onde Cunha é rei.

O rio que me interessa agora não é o de Eike Batista e seus dólares furados, nem o do paparazzi combinando flagrante de alguma mulher fruta pagando peitinho nas esquinas do Leblon.

O rio que me interessa agora não é o do funk glorificando favelas e querendo me convencer de que morros e comunidades dominados por tráfico, porrada e bomba são lugares maneiros para se viver.

O rio que me interessa agora não é o de um prefeito boquirroto com sotaque de malandro da Cinelândia, que a qualquer momento parece que vai aplicar um wazari ou um ippon no coitado do desavisado eleitor que dá pipocas aos macacos.

O rio que me interessa agora não é esse que forasteiros insistem em chamar de Chico, como se fossem íntimos de suas barrancas, negos d‘águas e redemoinhos.

O rio que me interessa agora, meu caro Galvão e minha cara Glenda Buena, é este enclausurado por barragens de concreto que ora brilha em minha frente e que há anos e anos pena à espera de um milagre dos céus – ou dos homens – que o faça voltar a lamber as veredas desse velho e extraordinário sertão.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, na margem baiana do Rio São Francisco.

Be Sociable, Share!

Comentários

Gilson Nogueira on 21 agosto, 2016 at 9:55 #

MONUMENTAL,JANIO!


luiz alfredo motta fontana on 21 agosto, 2016 at 10:38 #

Grande Janio!

Genildo ilustra

https://pbs.twimg.com/media/CqYukW3XgAEsZ3O.jpg


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos