ago
13
Postado em 13-08-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 13-08-2016 01:47


Patrícia Lelis, nesta terça, em São Paulo.
Fábio Pozzebom Agência Brasil

DO EL PAIS

Uma reviravolta no caso envolvendo o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) mudou os rumos das investigações sobre a suposta tentativa de estupro e cárcere privado denunciados pela militante do PSC, Patrícia Lelis, 22. Ela acusa Feliciano de tentativa de estupro e diz que membros do partido tentaram comprar seu silêncio, a ameaçaram e a mantiveram em cárcere privado.

Mas, de acordo com o delegado Luiz Roberto Hellmeister, responsável pelo caso em São Paulo, onde a jovem registrou um boletim de ocorrência no domingo, a polícia tem provas de que Patrícia Lelis não foi mantida em cárcere privado. “Ela hospedou o namorado no mesmo hotel em que disse que havia sido sequestrada”, disse o delegado, na tarde desta sexta-feira. “Temos vídeos mostrando ela em diversos restaurantes de São Paulo e passeando com o namorado pela cidade.” A partir das evidências, o delegado afirma que Patrícia Lelis será indiciada por denúncia caluniosa e extorsão. “Eu nunca vi gente ameaçada de morte ir fazer unha, cabelo e maquiagem. Temos provas de que ela foi fazer tudo isso”, diz o delegado. Patrícia esteve em São Paulo no dia 30 de julho. Três dias depois, começaram a circular áudios da jovem incriminando Feliciano por tentativa de estupro.

O advogado de Patrícia, José Carlos Carvalho, afirmou nesta sexta-feira que ela não tem recursos financeiros para ir a São Paulo prestar depoimento, como requer o delegado. “Ela não tem dinheiro pra ir a São Paulo, e ele [o delegado] sabia disso”, afirmou. “Ele pode enviar uma precatória para ela ser ouvida aqui em Brasília”, sugere. Já o delegado afirma que está “pleiteando” que Patrícia preste depoimento em São Paulo. “Se ela não vier, eu vou pedir a prisão temporária dela”, disse. Não há um prazo para que isso ocorra.

Se Patrícia, de fato, mentiu sobre a acusação de cárcere privado, isso enfraquece parte das denúncias feitas pela jovem contra o pastor Feliciano. Mas ainda não está provado que a suposta tentativa de estupro tenha sido inventada pela garota. São acusações diferentes, que fazem parte de uma história que já teve muitas idas e vindas.

Primeiro, começaram a circular áudios em que ela denuncia Marco Feliciano por tentativa de estupro. Patrícia afirmava que o deputado teria oferecido um salário de cerca de 15.000 reais caso ela aceitasse se tornar a amante dele. Depois disso, ela grava um vídeo dizendo que as notícias foram todas inventadas porque “está em época de eleição”. Ela diz que Feliciano é uma pessoa “íntegra” com quem ela tem um “contato muito bom”.

Na sequência, Patrícia afirma que está sendo ameaçada por Talma Bauer, chefe de gabinete de Feliciano e que, por isso, foi forçada a gravar o vídeo desmentindo a acusação. Ela registra um boletim de ocorrência em São Paulo, onde presta depoimento. Bauer então é detido, mas liberado no mesmo dia – sexta-feira da semana passada – após prestar depoimento. À TV Globo, Bauer disse que tinha ido prestar esclarecimentos “sobre uma menina que veio fazer uma falsa comunicação de fatos”. No dia seguinte, Feliciano se pronuncia pela primeira vez sobre o caso, em um vídeo, e diz que Patrícia inventou o episódio do assédio, mas que perdoa a jovem.

Porém, no início desta semana, começaram a circular na Internet áudios e vídeos de supostas negociações entre Patrícia e Bauer. Em um deles, Patrícia diz que quer continuar no PSC e pergunta se querem oferecer dinheiro a ela pelo silêncio. Um outro vídeo mostra Patrícia dizendo um amigo que recebeu apenas 10.000 reais, e Bauer afirma que tinha dado 50.000 reais a ela.

É possível então concluir que houve negociações entre Patrícia e Bauer, em valores em dinheiro. Mas ainda não é possível saber por que razão. Se a acusação de tentativa de estupro é caluniosa, ao redor do que giram essas negociações?

No final da entrevista com o delegado Luiz Roberto Hellmeister, feita por telefone, ele levanta uma suspeita. “Ela pode inclusive ter problemas, pode ser imputável”. Mas não fala mais sobre isso. A reportagem tentou entrar em contato com Patrícia, mas, segundo seu advogado, ela estaria sem voz “após todas as entrevistas que ela deu nesta semana”.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos