jul
17
Postado em 17-07-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 17-07-2016 01:59


DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Erundina se esqueceu do passado recentíssimo

Num mundo em que a ciência política começou a ser formulada há três mil anos, a teoria marxista não tem duzentos e o “socialismo real”, cujo maior expoente foi a União Soviética, durou apenas setenta.

Sem prejuízo de ideias econômicas e filosóficas nem de princípios morais, de que não se deve abrir mão, mais eficaz seria para os pobres de hoje a solução mais factível possível dos seus problemas e carências.

Esse pensamento simplificado decorre da declaração de uma legítima representante da esquerda brasileira, Luiza Erundina, segunda a qual “a direita será invencível enquanto a esquerda não se unir”.

Mas a esquerda já não se uniu para eleger Lula? Ou ela quer incluir no pacote PSTU, PCB, PCO e outras legendas literalmente menos votadas, que ainda pensam na ditadura do proletariado – tomar tudo no pau?

A esquerda, como segmento político que quer lutar pela valorização do ser humano, pela desconcentração da riqueza, metas absolutamente indispensáveis à justiça social, terá de ser reconstruída no Brasil depois da desgraça que a acometeu no poder.

A prefeitha e o bom humor

O saudoso comediante Geraldo Alves imitava a então prefeita de São Paulo Luiza Erundina, na TV, iniciando cada resposta de uma entrevista à imprensa com aremedo de linguagem esquerdista e vícios da fala: “Eu, enquanto mulher, enquanto prefeitha, enquanto nordestina…”

Foi quando o “repórter” perguntou sobre o aumento de ônibus que ela, depois de criticá-lo duramente durante a campanha, estava prestes a conceder: “Eu, enquanto mulher e enquanto nordestina, não quero o aumento. Mas, enquanto prefeitha…”

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos