maio
19

DO PORTAL G1N

A assessoria de imprensa da Presidência da República anunciou nesta quinta-feira (19) que o ex-ministro Pedro Parente será o novo presidente da Petrobras. O anúncio ocorreu após ida de Parente ao Palácio do Planalto para conversa com o presidente em exercício Michel Temer.

Segundo a Casa Civil, o nome de Parente ainda será encaminhado ao Conselho de Administração da Petrobras para aprovação. Até lá, continua no cargo de presidente da estatal Aldemir Bendine, que está no posto desde o ano passado, quando foi nomeado no governo da presidente afastada Dilma Rousseff.

De acordo com o colunista Gerson Camarotti, o convite para que Parente passe a comandar a Petrobras faz parte da estratégia de Temer de colocar no segundo escalão os chamados “notáveis”, com perfil mais técnico. A escolha de Parente tem como objetivo blindar a Petrobras, alvo do maior escândalo de corrupção no governo Dilma. O loteamento político da estatal por PT, PMDB e PP é o foco da investigação da Operação Lava Jato.

Chefe da Casa Civil no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Pedro Parente ocupa atualmente a presidência do Conselho de Administração da BM&F Bovespa, mandato para o qual foi eleito em março do ano passado.

Segundo o site da BM&F Bovespa, o novo presidente da Petrobras iniciou a carreira no serviço público no Banco do Brasil, em 1971, e, em 1973, se transferiu para o Banco Central.

Formado em engenharia pela Universidade de Brasília (UnB), ele exerceu, além de outras funções, o cargo de consultor do Fundo Monetário Internacional e coordenou, em 2002, a equipe de transição do governo FHC quando o ex-presidente Lula foi eleito.

A confirmação do novo presidente da Petrobras ocorre em meio aos anúncios do governo sobre postos estratégicos no segundo escalão, como os recentes nomes que foram divulgados para a presidência do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e para a presidência do Banco Central.

Há, ainda, a expectativa de que sejam anunciados nos próximos dias os nomes dos novos presidentes de bancos públicos como o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Nordeste.

Perfil

Parente se formou em engenharia elétrica pela Universidade de Brasília (UnB) em 1976. Ele foi ministro entre 1999 e 2003, passando pela Casa Civil, pelo Planejamento e pela pasta de Minas e Energia. Coordenou a equipe de transição do governo de Fernando Henrique Cardoso para o de Luiz Inácio Lula da Silva.

Depois que saiu do governo, Parente foi vice-presidente executivo do grupo RBS. Ele atuou, ainda, nos conselhos da Petrobras e do Banco do Brasil. Entre 2010 e 2014, foi presidente da Bunge Brasil, uma das maiores exportadoras do país.

Após deixar a companhia, Parente passou a se dedicar à Prada Assessoria, sua consultoria financeira para gestão de fortunas, que tem como sócia a mulher dele, Lucia Hauptman.

DEU EM O FINANCISTA (REPLICADO NO BLOG O ANTAGONISTA)

SÃO PAULO – A maior taxa de desemprego do país no primeiro trimestre foi observada no Nordeste, segundo a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A taxa de desocupação da região ficou em 12,8%, enquanto a média nacional foi de 10,9%.
Quer começar o dia bem informado?
Espresso Financista. Leitura obrigatória para quem quer ficar pronto para o dia.

No entanto, foi a região Sudeste que apresentou o maior salto no desemprego, com taxa subindo de 8% no primeiro trimestre de 2015 para 11,4% no mesmo intervalo deste ano. A região Sul registrou a menor taxa de desemprego no período de janeiro a março, com 7,3%.

No Nordeste, menos da metade das pessoas em idade de trabalhar (49%) estão ocupadas. As regiões Sul (59,8%) e Centro-Oeste (58,6%) apresentaram as maiores parcelas de pessoas em idade para trabalhar que têm alguma ocupação.

Mariana,

Querida mana e um dos pilares mais firmes e generosos deste site blog baiano, antenado no mundo: no dia 19 de seu aniversário neste sagrado mês de Maria dos católicos, vai dedicada especialmente a você a canção que exalta o céu de Brasília e o traço do Arquiteto , coisas que sei são da sua especial e particular predileção e amor, há décadas. Mesmo estando, hoje, comemorando a data sob o cálido sol de Miami , rodeada das belas e cinematográficas paisagens da Flórida.
Na volta, celebraremos outra vez.Receba o forte abraço de parabéns, cheio de afeto do sempre reconhecido mano, que a admira cada vez mais.Viva!!!

(Hugo e Margarida)

reconhecido


DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

“Pega o retrato do velho…”

A viagem do prefeito ACM Neto a Brasília praticamente logo após a posse do presidente Michel Temer mostra três aspectos do significado de trânsito livre.

Na busca de recursos para Salvador em gabinetes que decidem, esteve com Geddel Vieira Lima, braço direito de Temer no Congresso, valendo-se de ser seu maior aliado regional.

Visitou também os ministros Ricardo Barros, da Saúde, e Bruno Araújo, das Cidades, já aí invocando a convivência que teve com ambos em vários mandatos de deputado federal, aliás, como foi com Temer.

Entretanto, a audiência mais marcante que o prefeito faturou nestes primeiros dias de puro frisson na capital federal foi com o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Nesse caso, sem favor, valeu sua condição de um ACM.

De todo inocente

De fonte limpa: o ministro Geddel Vieira Lima nada tem a ver com o veto à presença do deputado José Carlos Aleluia no ministério de Michel Temer. O buraco é mais embaixo.

Velhos carnavais

Para ser cantado com a música do Bloco do Barão: “Geddel, Geddel, Geddel/ mais uma vez coronel…”

Benito, deixando uma senhora na saudade!

BOM DIA!!!

(Gilson Nogueira)

maio
19

Do G1, com informações do JN

O Jornal Nacional teve acesso à íntegra da denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acusado de obstrução à Justiça no caso da Operação Lava Jato que envolve o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Em nota, o Instituto Lula informou que o ex-presidente “jamais” tentou interferir na conduta de Cerveró ou em qualquer outro assunto relacionado à Operação Lava Jato (leia mais ao final desta reportagem).

A PGR partiu das delações do senador cassado Delcidio do Amaral (sem partido-MS) e de seu chefe de gabinete, Diogo Ferreira, para buscar provas materiais, como extratos bancários, telefônicos, passagens aéreas e diárias de hotéis.

A conclusão da procuradoria é de que eles se juntaram ao ex-presidente Lula; a José Carlos Bumlai, pecuarista e amigo do ex-presidente; ao filho de Bumlai, Mauricio Bumlai, e atuaram para comprar por R$ 250 mil o silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró.

Segundo a denúncia, o primeiro pagamento, de R$ 50 mil, foi feito por Delcidio em maio do ano passado. Ele teria recebido o dinheiro de Mauricio Bumlai num almoço. A quebra de sigilo mostra que Mauricio Bumlai fez dois saques de R$ 25 mil dias antes.

A operação, de acordo com a PGR, foi feita numa agencia bancaria da Rua Tutóia, em São Paulo, onde teria ocorrido o repasse dos valores a Delcídio do Amaral.

A denúncia diz que Diogo Ferreira, ex-chefe de gabinete de Delcidio, fez os pagamentos que restavam em outras quatro datas entre junho e setembro do ano passado, sempre recebendo o dinheiro sacado por Bumlai na agência da Rua Tutóia, conforme os extratos bancários.

A denúncia detalha a participação de Lula no planejamento desses repasses.

A Lava Jato quebrou o sigilo de e-mails do Instituto Lula e apontou que Lula se reuniu com Delcídio cinco vezes entre abril e agosto do ano passado, ou seja, antes e durante as tratativas e os pagamentos pelo silêncio de Nestor Cerveró.

Uma das reuniões foi no Instituto Lula, em 8 de maio, dias antes de Delcidio fazer o primeiro pagamento, segundo a denúncia.

Delcidio afirmou em delação premiada que, no encontro, o ex-presidente expressou grande preocupação de que José Carlos Bumlai pudesse ser preso por causa de delações na Lava Jato e que Bumlai precisava ser ajudado.

Segundo Delcidio, o motivo para a intervenção na delação de Cerveró era evitar que viessem à tona fatos supostamente ilícitos envolvendo ele mesmo, José Carlos Bumlai e Lula.

A PGR também aponta como provas telefonemas entre Lula e José Carlos Bumlai, como em 7 de abril, um mês antes dos pagamentos, quando Lula e Bumlai se falaram quatro vezes. Em 23 de maio – um dia depois do primeiro pagamento – Lula ligou para José Carlos Bumlai. Conversaram duas vezes nesse dia.

No final da denúncia, a procuradoria conclui que Lula “impediu e/ou embaraçou investigação criminal que envolve organização criminosa , ocupando papel central , determinando e dirigindo a atividade criminosa praticada por Delcídio do Amaral, André Santos Esteves, Edson de Siqueira Ribeiro, Diogo Ferreira Rodrigues, José Carlos Bumlai” e pede a condenação dos denunciados por obstrução da Justiça.

Versões dos acusados
Em nota, o Instituto Lula declarou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva já esclareceu em depoimento prestado à Procuradoria Geral da República que jamais conversou com o ex-senador Delcídio do Amaral com o objetivo de interferir na conduta do condenado Nestor Cerveró ou em qualquer outro assunto relativo à Operação Lava Jato.

A defesa de José Carlos Bumlai negou as acusações e afirmou que ele nunca pagou qualquer valor a Cerveró. A defesa declarou que o ex-senador Delcídio do Amaral está vendendo informações falsas em troca de sua liberdade.

Os advogados de Maurício Bumlai informaram que só comentarão o caso depois de terem acesso à denúncia inteira.

A defesa de Diogo Ferreira confirmou os pagamentos, mas disse que foram feitos a mando do ex-senador Delcídio do Amaral.

O advogado de Edson Ribeiro declarou que seu cliente sequer conhece Lula e Bumlai e voltou a afirmar que Ribeiro jamais participou de qualquer ato de obstrução à Justiça.

A defesa de André Esteves declarou que seu cliente não cometeu nenhuma irregularidade.

O Jornal Nacional não obteve resposta dos advogados de Delcídio do Amaral.

tópicos:

maio
19
Posted on 19-05-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 19-05-2016


Fim do Ministério da Cultura: Zé Celso no ato do Teatro Oficina
contra o Governo Temer. Fábio Braga Folhapress

DO EL PAIS

Camila Moraes

São Paulo

Uma semana depois da admissão do impeachment de Dilma Rousseff no Senado e de sua substituição por Michel Temer como chefe do Executivo brasileiro, a resistência ao Governo interino já ganhou corpo – e na área da Cultura. O setor, o primeiro a sentir o golpe do machado que Temer empunha para controlar gastos públicos, é tradicionalmente visto no país como enfraquecido diante de outros melhor articulados, mas demonstrou engajamento suficiente para criar uma resistência que pretende nublar o panorama dos que acabam de chegar ao poder. Com isso, o país viveu nesta terça-feira, 17 de maio, uma jornada de protestos e ocupações promovidos pelo meio cultural em várias cidades do país – e inclusive no exterior.

O levante se deu, em primeiro lugar, pela extinção do Ministério da Cultura – seguida de outros anúncios impopulares –, mas pretende ir além. Menos de 24 horas após o afastamento de Dilma, o presidente interino anunciou um Ministério mais enxuto, composto apenas de homens e que defende fusões como a que implica o meio cultural – agora uma secretaria sob o chapéu do Ministério da Educação. Surgiram críticas diversas, e, diante delas, Temer cogitou dar à Cultura o status de secretaria ligada à Presidência, mais independente, e saiu à caça de uma nomeação feminina para chefiá-la. Com isso, esperava apaziguar os ânimos opositores, esquentados pelo fim da pasta e pela ausência generalizada de mulheres, mas não conseguiu: desistiu de criar uma secretaria à parte da Educação, mais onerosa para o Estado, e patinou na busca de uma mulher para o cargo.

Acabou fechando, nesta quarta-feira, com um representante do mundo masculino: Marcelo Calero, atual secretário municipal de Cultura do Rio de Janeiro. Isso depois de cinco mulheres declinarem do convite para assumir a secretaria nacional que substituirá o MinC. A última delas foi a cantora Daniela Mercury, que disse não à senadora Marta Suplicy, do PMDB, assim como o fez nesta terça a atriz e diretora de cinema Bruna Lombardi. Por meio de sua assessoria de imprensa, a atriz divulgou uma nota agradecendo o convite e justificando a negativa com sua falta de “pretensões políticas” e de tempo, já que está “envolvida com projetos profissionais”.

No entanto, de maneira geral, o que houve foi uma clara rejeição do setor – e das mulheres – aos movimentos da atual administração. A falta de tato com uma área que luta para se fazer respeitada, e a ausência feminina na equipe do Governo interino, teve uma péssima repercussão. Com essa justificativa, também recusaram a oferta duas outras mulheres reconhecidas no meio cultural, a antropóloga Cláudia Leitão e a consultora Eliane Costa, abordadas no começo da semana. “Respondi com um sonoro não! Espero que nenhuma mulher aceite esse convite e dessa forma não contribua para a transfiguração do MinC num apêndice do MEC”, escreveu Cláudia em seu Twitter. Eliane adotou o mesmo tom no Facebook: “Não trabalho pra governo golpista, nem serei coveira do MinC”.

maio
19
Posted on 19-05-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 19-05-2016


Jarbas, no Diário de Pernambuco

DEU NO PORTAL TERRA BRASIL

por Alexandre Murari

Internado desde a última terça-feira, 10, Gilberto Gil continua no Hospital Sírio-Libanês sem previsão de alta. Segundo a assessoria do hospital paulistano, o músico sairia no último sábado, 14, porém teve sua alta revogada e agora não tem data para deixar a unidade.

Entretanto, de acordo com o site “Ego”, a assessoria de Gilberto garante que ele voltará para casa em breve. O baiano, que segue internado para continuar um tratamento renal que havia sido interrompido para ele realizar uma turnê pelo mundo, pelas redes sociais, deixou um recado de agradecimento para seus fãs:

“Gostaria de agradecer a todos pela preocupação, pelas inúmeras ligações, e-mails e recados aqui nas redes. […] Obrigado por tanto carinho. Espero em breve estar em casa”

É importante destacar que Gil também está na lista do Prêmio da Música Brasileira de 2016.

  • Arquivos