maio
03

DO G1/ O GLOBO

O PSDB apresenta nesta terça-feira (3) ao vice-presidente Michel Temer uma carta em que relaciona uma série de medidas e princípios.

O Jornal Nacional teve acesso a esse documento, uma espécie de programa mínimo, de 15 itens, que reúne aquilo que o partido considera fundamental para participar de um eventual governo Temer – se o Senado aprovar o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Essa participação do partido teve que ser costurada. O vice-presidente queria o PSDB inteiro, mas havia resistência, principalmente do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, e do senador Aécio Neves (MG), presidente nacional do partido.

O PSDB decidiu então elaborar um documento que define as condições para apoiar um possível governo Temer – um programa mínimo de governo que deve ser encampado por Temer se quiser a participação dos tucanos.

Os 15 pontos
São os seguintes os 15 pontos relacionados no documento do PSDB:

1. Combate irrestrito à corrupção. Que se assegure expressamente que todas as investigações, em especial a Operação Lava Jato, com foco no combate à corrupção, tenham continuidade. E que seja garantida a independência funcional da Controladoria Geral da União e do Tribunal de Contas da União, da Polícia Federal e do Ministério Público.

2. Reforma política imediata. Imposição de cláusula de desempenho eleitoral mínimo para o funcionamento dos partidos políticos e adoção do voto distrital misto e do fim das coligações proporcionais. Além disso, que se volte a discutir a implementação do parlamentarismo a partir de 2018.

3. Renovação das práticas políticas e profissionalização do estado. Combate incessante ao fisiologismo e à ocupação do estado por pessoas sem critérios de competência.

4. Manutenção e qualificação dos programas sociais. Em especial o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida, o Pronatec, o Fies e o Prouni.

5. Revisão dos subsídios fiscais para fomentar o crescimento.

6. Responsabilidade fiscal. Governo não pode gastar mais do que arrecada. O executivo deverá apresentar em no máximo 30 dias um conjunto de medidas para a recuperação do equilíbrio das contas públicas.

7. Combate à inflação, preservando o poder de compra dos salários.

8. Simplificar o sistema tributário, torná-lo mais justo e progressivo. Apresentar nos primeiros 60 dias de governo uma proposta de simplificação radical da carga tributária.

9. Reformas para a produtividade

10. Maior integração com o mundo, reorientando a política externa e comercial.

11. Colocar em prática a sustentabilidade.

12. Reformulação das políticas de segurança pública.

13. Educação para cidadania. Apoio a estados e municípios que cumprirem metas rigorosas de cobertura e melhoria da qualidade e equidade nos sistemas de ensino.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 3 Maio, 2016 at 8:24 #

Ave estranha, veste black tie mas ostenta um enorme e carnavalesco bico.

Aqui, Josias de Souza, troca em miúdos a “inocente” peça tucana:

—————————————

PSDB exige de Temer duas décadas em 2 anos

Josias de Souza 03/05/2016 04:57

(Após entender-se com Temer na presença de Renan, o notório, Aécio cobra combate à corrupção)

O PSDB aprova nesta terça-feira a plataforma de governo que entregará a Michel Temer. Contém 15 “princípios e valores” que soam como trilha sonora de “um novo Brasil”. Tomado pelo conteúdo, o documento pode ser confundido com um inofensivo instrumento de cordas. Mas não passa de uma forca disfarçada. Tocando-o ao pé da letra, Temer apertará o nó em torno do próprio pescoço.

Descontados todos os defeitos de seus respectivos governos, FHC e Lula deixaram um par de marcas positivas nos seus 16 anos de poder. Um restabeleceu o valor da moeda. Outro reduziu as desigualdades sociais. O mandato de Dilma será eletrocutado porque a marca dos seus cinco anos e meio de Presidência foi a ruína. Madame conseguiu aviltar a estabilidade econômica e dissolver os avanços sociais.

Pois bem. O PSDB sugere que Temer retire do papel durante o mandato tampão de dois anos e meio que lhe cai no colo aquilo que tucanos e petistas não foram capazes de realizar em duas décadas de poder: reforma política, reforma tributária, reformas estruturais, reforma educacional, reforma do SUS, combate ao crime organizado, redefinição do pacto federativo… Tudo isso e mais a guerra contra quatro inimigos insidiosos: a inflação, a gastança desmedida, a corrupção e o fisiologismo.

Herdeiro de um caos que o seu PMDB ajudou a construir, Temer está condenado a equilibrar-se em meio ao entrechoque das forças corruptas e arcaicas que se reúnem à sua volta. Talvez se dê por satisfeito se, além de não cair, conseguir entregar em 2018 um país sem retrocessos institucionais e com uma economia de fornalhas religadas. Nesse roteiro minimalista que a conjuntura impõe, o caminho mais curto para o fracasso é a adoção do programa multi-temático do PSDB, uma espécie de abraço de gigante no mundo.

Embora José Serra arraste a asa para o novo governo antes mesmo da formalização do afastamento de Dilma, o tucanato diz condicionar o ingresso de seus filiados no ministério de “salvação nacional” à aceitação do seu programa de “princípios e valores”. Temer não hesitará em dizer que as prioridades tucanas coincidem com as suas. Acreditará quem quiser.

O PSDB cobra de Temer a continuidade da Lava Jato. Faz a exigência num instante em que a Procuradoria pede ao STF autorização para abrir inquéritos contra Aécio Neves. Como se fosse pouco, o tucanato se abstém de romper os conluios que levam o PSDB a silenciar diante das presidências espúrias de Eduardo Cunha, na Câmara, e de Renan Calheiros, no Senado.

“O novo governo deve estar comprometido com o combate incessante ao fisiologismo e à ocupação do Estado por pessoas sem critérios de competência”, anota o documento do PSDB no item de número três. Considerando-se que o ministério de Temer inclui a malta partidário que traiu Dilma depois de fartar-se no mensalão e de participar do assalto à Petrobras, pode-se concluir o seguinte: a diferença entre a sinceridade tucana e a hipocrisia é que a sinceridade tem limites.


Taciano Lemos de Carvalho on 3 Maio, 2016 at 11:48 #

Pedida a prisão preventiva de Lula. Juíza de São Paulo remete autos de processo para Sérgio Moro

http://agenciabrasil.ebc.com.br/politica/noticia/2016-05/justica-de-sao-paulo-remete-autos-de-processo-contra-lula-para-curitiba


Taciano Lemos de Carvalho on 3 Maio, 2016 at 12:04 #

A barra parece que está cada vez mais pesada.

“Janot vai pedir investigação de Dilma e Lula na Lava Jato” (Folha de S. Paulo)

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2016/05/1767107-janot-vai-pedir-investigacao-de-dilma-e-lula-na-lava-jato.shtml


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos