DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Moro quer prazo para Lava Jato

O Estadão diz que Sérgio Moro cultiva o desejo de encerrar até dezembro a Lava Jato na primeira instância.

O desejo de O Antagonista é que a Lava Jato ao menos comece no Supremo até lá.

“Ponto Final”, de José Maria de Abreu e Jair Amorim, com o eterno Dick Farney, uma canção para sempre!

BOA TARDE!!!

(Gilson Nogueira)

DO PORTAL DE NOTÍCIAS TERRA BRASIL

A barreira que dividirá os manifestantes a favor e contra o impeachment que se reunirão na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nos próximos dias, está sendo destaque na mídia internacional. A norte-americana Bloomberg escreveu que “o raro estado de alerta da cidade reflete o medo de que o clima de polarização política no país atinja o ápice nos próximos dias”.

A rede britânica BBC mencionou que “uma barreira de metal” tentará separar os protestos previstos para os próximos dias. O La Nacion , da Argentina, escreve que as autoridades da capital decidiram “levantar uma espécie de paredão que separe os dois grupos, os coxinhas e os mortadelas”.

O português Observador lembra que “o muro é apenas uma das medidas de segurança decididas pela Secretaria de Segurança Pública para evitar conflitos entre os manifestantes”. Com 2,20 m de altura, a armação, que forma um corredor de 80 m de largura, para onde serão deslocadas forças de segurança, separa no lado direito os manifestantes pro-impeachment e do lado esquerdo os simpatizantes de Dilma Rousseff.

A estrutura deve ser retirada no dia 17, quando deve terminar a votação sobre o impeachment na Câmara dos Deputados, e entre 300 mil e 500 mil pessoas são esperadas no local.


O susto passou: Benedito Rui Barbosa conseguiu fazer a difícil transição entre as duas fases da novela “Velho Chico” sem se perder e sem soltar o leme do barco.

O capítulo de ontem, 12, do folhetim das 9h da TV Globo foi brilhante, simplesmente sensacional. De tirar o fôlego. A entrada de Domingos Montagner no papel de Santo foi um achado perfeito para a manutenção da qualidade de desempenho artístico e a vibração do núcleo de oposição ao coronel Afrânio.

A cena final do choque de temperamentos de Antonio Fagundes e Camila Pitanga (o coronel Saruê e a filha rebelde ) merece, seguramentes, um registro especial nos anais dos grandes desempenhos em novela de TV. Bravi!!!.

“Velho Chico” corre para fazer história. Para comemorar uma música de sua trilha magistral, um êxito à parte na novela.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

abr
13

Só contando outra

Buscam-se explicações plausíveis para a notícia de que o prefeito ACM Neto prefere o “sangramento” da presidente Dilma Rousseff até 2018 para evitar que, com Michel Temer na presidência, cresça a força do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Em Salvador – e na Bahia –, o PMDB é o maior aliado com que conta o prefeito, e seu crescimento só tornará a aliança mais consistente para os próximos embates. O que Neto certamente não quer é o fortalecimento do PT e do governador Rui Costa.

abr
13
Posted on 13-04-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-04-2016

DO EL PAIS

A presidenta Dilma Rousseff (PT) reagiu de forma veemente ao áudio vazado de seu vice, Michel Temer (PMDB), em que ele fala praticamente como se já ocupasse a cadeira presidencial, e afirmou, sem citar nomes, que ele e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, atuam no “gabinete do golpe”. Em um discurso de pouco mais de meia hora nesta terça-feira, ela afirmou que o país vive tempos “estranhos e preocupantes”. “Cai a máscara dos conspiradores.” A declaração ocorreu no Palácio do Planalto, que recebeu, pela quarta vez nas últimas semanas, um grupo de apoiadores contra a destituição, dessa vez formados por movimentos estudantis e trabalhadores da educação. Enquanto ela falava, era possível ouvir dois gritos vindos dos espectadores: “Fora, Temer” e “Golpistas, fascistas, não passarão”.

Temer, enquanto isso, seguiu sob os holofotes. Uma entrevista exclusiva do vice foi exibida na noite desta terça-feira no canal a cabo GloboNews. À vontade em uma gravação feita pelo celular, o peemedebista disse estar “preparado” para assumir a presidência, se “o destino” o levar a isso. Afirmou que não está em guerra, mas se defendendo.

Antes, as palavras de Rousseff haviam sido duras. “Não sei direito qual é o chefe e qual é o vice-chefe. Um deles é a mão, não tão invisível assim, que conduz com desvio de poder e abusos inimagináveis o processo de impeachment. O outro esfrega as mãos e ensaia a farsa do vazamento de um pretenso discurso de posse. Cai a máscara dos conspiradores”, afirmou. Rousseff disse que Temer está montando um “Governo dos sem voto” e que, agora, a conspiração ocorre à luz do dia, para desestabilizar sua gestão. “Como muitos brasileiros, tomei conhecimento e confesso que fiquei chocada com a desfaçatez da farsa do vazamento que foi deliberado, premeditado, vazando para eles mesmos. Estranho vazamento”, declarou.

A presidenta também usou a declaração para responder a vários pontos do discurso de Temer, entre eles o que ele promete que montará um Governo de “salvação nacional.” “Como acreditar num pacto de salvação ou de unidade nacional, sem sequer uma gota de legitimidade democrática?” Procurados por meio de suas assessorias de imprensa, Temer e Cunha não se manifestaram até a conclusão desta reportagem.

O Governo e o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, tem repetido, inclusive na defesa formal contra o impeachment, que o processo foi uma vingança de Cunha – a aceitação do pedido de destituição aconteceu no mesmo dia em que os petistas não votaram a favor de Cunha no Conselho de Ética, onde ele enfrenta ameaça de cassação. Uma das principais estratégias do Governo é martelar que Temer é “golpista” para minar seu apoio. Essa, porém, foi a primeira vez que a própria presidenta atribuiu esse termo para o seu vice. Até hoje, Temer não anunciou oficialmente que ele rompeu com o Governo. O partido do qual ele é o presidente licenciado, o PMDB, retirou o apoio à gestão Rousseff no mês passado, mas ainda mantém seis ministérios.

Na segunda-feira, o ministro do Gabinete Pessoal da Presidência, Jaques Wagner, disse que, se o impeachment for barrado no Congresso Nacional no próximo domingo, o vice-presidente deveria renunciar, por não haver mais clima com a mandatária. À GloboNews, Temer rejeitou a hipótese de deixar o cargo. Em resumo, ele disse que, se o Governo vencer, “tudo será como dantes”, ou, para usar os termos de sua carta à Dilma, seguirá “decorativo”.

abr
13
Posted on 13-04-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-04-2016


Jorge Braga, no jornal O Popular (GO)

abr
13
Posted on 13-04-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 13-04-2016

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Jucá lamenta e nós perguntamos

Romero Jucá, sobre o destempero de Dilma Rousseff:

“Lamento que a presidente Dilma esteja perdendo o equilíbrio, colocando culpa em outras pessoas pelos erros do governo. E, mais do que isso, apelando para um enredo já ultrapassado: porque falar em golpe é o que falou o presidente Fernando Collor há muitos anos. Esse é um enredo batido, copiado e que não deu certo. Portanto, era melhor que a presidente tivesse um pouco mais de equilíbrio e análise das suas próprias limitações.”

“Lamento que a presidente Dilma esteja perdendo a serenidade e esteja tentando culpar outras pessoas pelo desacerto do seu próprio governo. Se a presidente quer procurar pessoas que atrapalharam o governo, deve olhar para dentro do governo.”

Aproveitando a deixa: Renan Calheiros está dentro ou fora do governo?

  • Arquivos