mar
28
Postado em 28-03-2016
Arquivado em (Artigos) por vitor em 28-03-2016 00:50

DEU EM O GLOBO (COLUNA DE XEXEO). COMPARTILHADO NO FACEBOOK PELA JORNALISTA BERNA FARIAS E ENVIADO AO BP PELA JORNALISTA MARGARIDA DOURADO CARDOSO SOARES.
===============

Reflexões de um suposto coxinha

Artur Xexéo

“Gente que dividia comigo a mesma ideologia hoje se comporta como inimiga. Um muro foi erguido para me separar desses amigos”

Ando sensível. Acho que já contei isso aqui. Choro à toa. Antes era com comercial de margarina, cenas de novela, trechos do filme. Agora, é lendo jornal. Cada notícia da Lava-Jato, de início, me enche de indignação. Em seguida, fico triste. É aí que choro. Ando tendo vontade de chorar também em discussões com amigos. Gente que tempos atrás dividia comigo a mesma ideologia hoje se comporta como inimiga. Ou sou eu o inimigo? De qualquer maneira, num mundo que derrubava muros, de repente, um muro foi erguido para me separar desses amigos. Tento explicar como vejo o trabalho de Sergio Moro e nunca consigo terminar o raciocínio. No meio da discussão, me emociono, fico com vontade de chorar e prefiro interromper o pensamento. “Coxinha”, me xingam nas redes sociais. Bem, se o mundo está obrigatoriamente dividido entre coxinhas e petralhas, não tenho como fugir: sou coxinha!

Leio na internet que “coxinha” é uma gíria paulista cujo significado se aproxima muito do ultrapassado “mauricinho”. Mas, desde a reeleição de Dilma, esse conceito se ampliou. Serviu para definir de forma pejorativa os eleitores de Aécio Neves. Seriam todos arrumadinhos, malhadinhos, riquinhos e votavam em seu modelo. Isso não tem nada a ver comigo. Mas, nesta briga de agora, estou do lado que é contra Lula, logo sou contra os petralhas, logo sou coxinha.

Gostaria de falar em nome da democracia. Mas não posso. A democracia agora é direito exclusivo dos meus amigos que estão do outro lado do muro. Só eles podem falar em nome dela. Então, como coxinha assumido, deixo uma pergunta. Vocês acharam muito normal o ex-presidente Lula incentivar os sindicalistas para os quais discursou esta semana a irem mostrar ao juiz Sergio Moro o mal que a Operação Lava-Jato faz à economia brasileira? Vocês acreditam sinceramente nisso? O que a Operação Lava-Jato faz? Caça corruptos pelo país. Não importa se são pobres ou ricos. Não importa se são poderosos. Não era isso o que todos queríamos, quando estávamos todos do mesmo lado, quando ainda não havia um muro nos separando, e fomos às ruas pedir Diretas Já? Não era no que pensávamos quando voltamos às ruas para gritar Fora Collor? E, principalmente, não era nisso que acreditávamos quando votamos em Lula para presidente uma, duas, três, quatro, cinco vezes!!! Não era o Lula quem ia acabar com a corrupção? Ele deixou essa tarefa pro Sergio Moro porque quis.

Como, do lado de cá do muro, me decepcionei com o ex-líder operário, o lado de lá deu pra dizer que sou de direita. Se for verdade, está aí mais um motivo para eu estar com raiva de Lula. Foi ele quem me levou pra direita. Confesso que tenho dificuldades de discutir com qualquer petralha que não se irrita quando Lula diz se identificar com quem faz compras na Rua 25 de Março. Vem cá, já faz tempo que os ternos de Lula são feitos pelo estilista Ricardo Almeida. Será que Ricardo Almeida abriu uma lojinha na rua de comércio popular de São Paulo? Por mim, Lula pode se vestir com o estilista que quiser. Mas ele tem que admitir que o discurso da 25 de Março ficou fora do contexto. A gente não era contra discursos demagógicos? O que mudou?

Meus amigos petralhas dizem que é muito perigoso tornar Sergio Moro um herói. Que o Brasil não precisa de um salvador da pátria. Mas, vem cá, não foi como salvador da pátria que Lula foi convocado para voltar ao governo? Não é ele mesmo quem diz que é “a única pessoa” que pode incendiar este país? Não é ele mesmo quem diz que é a “única pessoa” que pode dar um jeito “nesses meninos” do Ministério Público? Será que o verdadeiro perigo não está do outro lado do muro? Não é lá que estão forjando um salvador da pátria?

Há muitas décadas ouço falar que as empreiteiras brasileiras participam de corrupção. Nunca foi provado. Agora, chegou um juiz do Paraná, que investigava as práticas de malfeito de um doleiro local, e, no desenrolar das investigações, botou na cadeia alguns dos homens mais poderosos do país. Enfim, apareceu alguém que levou a sério a tarefa de desvendar a corrupção que há muitos governos atrapalha o desenvolvimento do país. E, justo agora, quando a gente está chegando ao Brasil que sempre desejamos, Lula e seus soldados querem limites para a investigação. Pensando bem, rejeito a acusação de ser coxinha, rejeito ser enquadrado na direita, rejeito o xingamento de antidemocrata, só porque apoio o juiz Sergio Moro e a Operação Lava-Jato. Coxinha é o Lula que se veste com Ricardo Almeida e mantém uma adega de razoáveis proporções no sítio de Atibaia. E, para encerrar, roubo dos petralhas sua palavra de ordem: sinto muito, mas não vai ter golpe. Sergio Moro vai ficar.

Be Sociable, Share!

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 28 Março, 2016 at 1:22 #

Como diria o filho do botequeiro ali da esquina: Nesse artigo o Artur Xexeu Arraaazou!


Taciano Lemos de Carvalho on 28 Março, 2016 at 6:59 #

Mate o homem, mas não erre o nome. O nome correto é: Artur Xexéo


Jader martins on 28 Março, 2016 at 8:14 #

…a querela atual não é entre a Rede Globo e Lula. É entre o Brasil e Lula.( Luis Augusto)

Em sua homenagem Luis, vou começar meus comentários, citando sempre a sua
frase antológica .

http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2016/03/160323_cunha_processo_impeachment_ms_if


luis augusto on 28 Março, 2016 at 8:18 #

Um depoimento claro como água, irrefutável, que só podia mesmo ter nascido da emoção da rejeição.

É horrível essa coisa. Já fui chamado de direitista e de carlista. Sou vítima até de bullying de uns que não resistem à crítica.

Noto que essas verdades citadas por Xexéo, que todos nós conhecemos, que reuniu Justiça, Ministério Público, entidades respeitadas e parcela expressiva da população contra um Executivo e um Legislativo corruptos, não são contestadas com tanta veemência por insensatez, o que seria até elogiável, mas por vaidade, por quem não quer renunciar a dogmas fanaticamente cultivados, sem falar em quem está, ainda, tirando alguma vantagem.


luis augusto on 28 Março, 2016 at 8:22 #

Completando: não me interessa o que os outros estão fazendo nem o que pretendem. Interessa o que eles fizeram com a minha longínqua delegação.


Jader martins on 28 Março, 2016 at 8:44 #

…a querela atual não é entre a Rede Globo e Lula. É entre o Brasil e Lula.( Luis Augusto)
Em sua homenagem Luis, vou começar meus comentários, citando sempre a sua
frase antológica .

Luis , e a Rede Globo , continua a favor do país?

https://www.youtube.com/watch?v=049U7TjOjSA

http://jornalggn.com.br/noticia/naovaiterentrevista


Jader martins on 28 Março, 2016 at 9:33 #

Aguardando a moderação de comentário!!!


Rosane Santana on 28 Março, 2016 at 16:02 #

Alto lá, meu querido Luís Augusto! Não tenho qualquer dogma fanaticamente cultivado, tampouco estou tirando vantagem no que quer que seja. Minha vida, por qualquer lado, e’ pura meritocracia, com muita honra, testada aqui e alhures! Por que acreditar que o Ministério Público não comete erros, que o juiz Sérgio Moro não comete erros? Por que acreditar que quem questiona os exageros, as exacerbacoes de um Judiciário e um Ministério Público que se movem ao sabor da ira das multidões que vão pra rua, como eu, está levando vantagem? Por que acreditar que somente o PT (não sou petista, nunca fui!) recebeu propina, quando recente depoimento de uma secretária da Odebrecht denunciou a existência de propina, via superfaturamento de obras públicas desde Sarney? O depoimento de Xexeu, até pela abertura, reflete muito problema de quem vem misturando frustrações pessoais com política. É o que mais se vê am ativistas irados, que atacam as pessoas com palavras de baixo nível, para defender um sistema político partidário inteiramente podre, fenômeno que é mundial e a revolução digital está pondo aa mostra e que não foi inventado pelo PT. Este deve ser um ponto de partida mínimo, se quisermos de fato, sair do FlaxFlu político para uma solução real. O Brasil da propina e idêntico ao Brasil da escravidão. A escravidão estava tão institucionalizada, que escravos alforriados e com algum ganho, escravizavam seus semelhantes. A corrupção no Brasil passa por aí. Sem choro e sem blá-blá-blá, sem misturar questões de ordem pessoal com questões políticas sérias. Beijo.


Rosane Santana on 28 Março, 2016 at 16:13 #

Correção:para falar de um sistema político partidário inteiramente podre…


Taciano Lemos de Carvalho on 28 Março, 2016 at 16:18 #

Lula disse hoje (28/3) à imprensa estrangeira que Moro ‘foi picado pela mosca azul’.

Estou preocupado, agora. Será que o ex-presidente acredita mesmo nessa lorota que fala? Ou foi picado pelo mosquito que transmite o zika vírus?


Rosane Santana on 28 Março, 2016 at 16:22 #

Quando vejo a multidão irada pedindo impeachment, as massas com vida de gado gritando pela saída de Dilma, não tenho dúvida. Sou Dilma. Desconfio de todas as certezas, ainda mais quando embasada em informações que um jornalismo de quinta categoria, nacionalmente falando, transmite, simplesmente reproduzindo coletivas e vazamentos seletivos do Ministério Público e do juiz Sérgio Moro. Este, o novo Sassa Mutema brasileiro. Trocou-se apenas as instâncias, do Executivo para o Judiciário. Na ausência de credibilidade no sistema político, pende-se irrefletidamente para o Judiciário, o velho Judiciário, de vícios seculares, irremovível, vitalício, como Salvador da Pátria. Triste Brasil!


Jader martins on 28 Março, 2016 at 17:24 #

…a querela atual não é entre a Rede Globo e Lula. É entre o Brasil e Lula.( Luis Augusto)
Em sua homenagem Luis, vou começar meus comentários, citando sempre a sua
frase antológica .

O lado de lá

Gregorio Duvivier na FSP

Em geral tento escrever pra quem não concorda comigo.

Gosto de pensar no leitor de camisa polo e mocassim, batendo panela numa varanda do Leblon.

Essa semana, no entanto, queria falar com os semelhantes.

Sim, com você mesmo. Você que frequenta o carnaval de rua, você que é de humanas, que nunca sabe que dia do mês é hoje, às vezes não sabe sequer o mês, você que confunde a fórmula de Golgi com o complexo de Bhaskara, você que foi às ruas em 2013 pelos 20 centavos, você que mesmo com pressa e sem dinheiro sempre acaba comprando fanzines de poesia na porta do museu (“curte poesia?”), você que não come carne ou tá tentando parar de comer, você que ama o Mujica tanto quanto ama beijos triplos e férias em Moreré: sei bem o que você tá sentindo.

Também estou tentando entender por que é que as mesmas pessoas que não protestaram contra o aumento de tarifa, contra Belo Monte, contra Eduardo Cunha estão hoje nas ruas pedindo a queda de Dilma.

Afinal, das centenas de nomes da lista da Odebrecht, nenhum deles é o da presidenta.

Por que raios querem derrubar a única pessoa que, até o momento presente, não está sendo investigada? Porque, você talvez dirá, são fascistas que não toleram a distribuição de renda e as conquistas sociais promovidas pelo PT e por isso aplicam um golpe branco. Será?

Milhões de pessoas foram às ruas (dentre elas, aposto, muita gente que você ama) pedindo o impeachment. O Brasil não tem milhões de golpistas. Tem uma centena de dementes que pede intervenção militar? Tem. Mas a imensa maioria só tá mesmo muito mal informada —basta ver a qualidade das revistas semanais.

Vale lembrar que do lado de lá tem gente que acha que você ganhou R$ 30 para defender um governo corrupto. Tem gente que acha que você quer implantar uma ditadura comunista.

Tem gente que acha que você defende direitos humanos porque gosta de bandido. Não cometa com eles a mesma generalização imbecil que estão cometendo com você.

Nessas horas, é preciso fugir do fascismo midiático e resgatar um pouco de empatia e paciência. Empatia para ver no outro um igual, digno de ser convencido. Paciência para explicar que um impeachment, agora, equivale a botar a raposa pra cuidar do galinheiro.

Por trás de toda camisa polo, bem ali, na altura do cavalinho da Ralph Lauren, também bate um coração —um coração que tem todo o direito de estar insatisfeito.


Rosane Santana on 28 Março, 2016 at 17:33 #

Já li esse artigo, Jader. Boa pergunta: não vão bater panela com a lista da Odebrecht?


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos