DO UOL/FOLHA DE s. pAULO

DÉBORA ÁLVARES
RANIER BRAGON
GUSTAVO URIBE
VALDO CRUZ
DE BRASÍLIA

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aceitou nesta quarta-feira (16) o convite da presidente Dilma Rousseff e assumirá a Casa Civil.

O acerto foi fechado em reunião no Palácio da Alvorada, que teve as presenças também dos ministros Nelson Barbosa (Fazenda) e Jaques Wagner, que deixará o comando da Casa Civil e será chefe de gabinete de Dilma. Com isso, Wagner comandará o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, chamado de Conselhão.

A Folha antecipou a informação de que o ex-presidente deveria aceitar um cargo no governo. Segundo o presidente nacional do PT, Rui Falcão, a posse será na terça-feira (22). Ele chamou Lula de “o ministro da Esperança”.

O líder do PT na Câmara, Afonso Florence (BA), afirmou que a ida de Lula pra Casa Civil tem o objetivo de ajudar o Brasil a sair da crise e de evitar o processo de impeachment contra Dilma Rousseff.

“Temos um ministro chefe da Casa Civil com larga experiência para ajudar o Brasil. A decisão de Lula na Casa Civil decorre do compromisso com o país, única e exclusivamente imbuído do propósito de ajudar o país a sair da crise”, afirmou o deputado, em entrevista no Salão Verde da Câmara.

Segundo o petista, a ida de Lula para o ministério não atrapalhará as investigações da Lava Jato. “Foi no mandato de Lula que a Procuradoria-Geral da República ganhou autonomia.”

GUINADA

Na tentativa de convencer seu antecessor a assumir um ministério, a presidente Dilma Rousseff se reuniu na manhã desta quarta-feira (16) com o seu antecessor, em um esforço que é considerado a última cartada da petista para evitar a abertura do processo de impeachment.

Na noite da terça-feira (15), após mais de quatro horas de jantar, o petista havia pedido à presidente mais tempo para analisar o convite.

Para assumir um ministério, o petista impôs como condição autonomia na articulação política com a base aliada e mudanças na política econômica para garantir a retomada do crescimento.

Esta última condição preocupa não só o mercado como interlocutores do ex-presidente no empresariado, pelo receio de demandar medidas como venda de reservas internacionais, queda forçada dos juros e liberação de mais crédito na economia.

Segundo petistas e integrantes do governo, sua nomeação poderá ser acompanhada da entrada de um time no governo Dilma.

Entre os nomes que Lula gostaria de levar para o governo está o de Celso Amorim para Relações Exteriores. Não está descartada a substituição de Aloizio Mercadante, na Educação. Outros nomes, como o de Ciro Gomes, são ventilados por petistas.

As mudanças na condução da política econômica podem provocar a saída do presidente do Banco Central, Alexandre Tombini.

Segundo a Folha apurou, Tombini tem dito a interlocutores que não ficará no comando do banco se o governo optar por uma guinada na política econômica, que passaria por uma redução forçada na taxa de juros e venda de parte das reservas internacionais.

Por outro lado, dentro do Palácio do Planalto há insatisfação em relação a Alexandre Tombini, que não estaria, na avaliação palaciana, adotando os remédios mais corretos neste momento para evitar uma recessão profunda no país.

LAVA JATO

Uma guinada na condução política do país justificaria sua presença na Esplanada dos Ministérios e afastaria a tese de que só pretenda escapar da prisão. Investigado na Operação Lava Jato, Lula, sendo ministro, terá foro privilegiado e sua prisão teria que ser autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

A decretação de prisões cautelares é mais fácil na primeira instância.

É provável que os filhos do ex-presidente, que também são alvos do Ministério Público Federal, continuem com suas investigações a cargo da Justiça de primeira instância, a exemplo do que ficou decidido nesta terça sobre os casos da mulher e filha do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Réu na Lava Jato, Cunha tem foro privilegiado e é julgado no STF. As apurações sobre contas no exterior ligadas a jornalista Claudia Cruz e a Danielle Dytz da Cunha, mulher e filha do deputado, serão enviadas ao juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná.

ALIADOS

Integrantes de partidos aliados ao governo ainda não têm uma avaliação uniforme sobre a ida de Lula para a Esplanada dos Ministérios.

Um deles afirmou que “agora começa o terceiro mandato de Lula”, em referência à possível divisão de poder entre Dilma e o ex-presidente.

Outro afirmou ver poucas chances de que a nomeação consiga barrar o impeachment de Dilma: “Ele vem para organizar o último baile da Ilha Fiscal”, ironizou, lembrando a solenidade símbolo da queda da monarquia no Brasil.

A oposição já afirmou que irá ingressar na Justiça para tentar derrubar a nomeação do ex-presidente. Segundo o líder do DEM na Câmara, Pauderney Avelino (AM), a nomeação é um tapa na cara da sociedade. Eles irão argumentar na Justiça que a nomeação não passa de uma tentativa de burlar investigações da Lava Jato.


Velho Chico:Xangai, o violeiro nordestino de bombachas


CRÔNICA

Um violeiro estrangeiro no Velho Chico

Janio Ferreira Soares

Com as recentes reformas neste centenário edifício de tantos contratempos e opiniões, já nem sei dizer se sou feliz ou não, já nem sei pra quem eu dou meu coração, ops, perdão, cantarolei a música errada. O que eu queria dizer é que já nem sei se no exato momento em que estas linhas estiverem impressas, a novela Velho Chico terá estreado ou não. Só sei que, a exemplo de outras produções globais (Lampião e Maria Bonita, Padim Ciço, Amores Roubados…), mais uma vez Paulo Afonso e Região servem de locação para as belíssimas imagens da trama, proporcionando aos milhares de brasileiros uma ótima oportunidade de conhecer nossos charmes e relevos que, aposto, despertarão nos telespectadores um misto de “que lugar lindo!” com “onde fica isso?”, acrescentado por pitadas de “como faço pra ir até lá?”. Antes, porém, alguns parênteses se fazem necessários.

Noite alta, céu risonho e um desses amigos que não carecem hora me manda a seguinte mensagem: “Ô seu escribazinho que não amarra nem o cadarço do Kichute do porteiro do edifício de João Ubaldo, você já viu a propaganda da novela Velho Chico com um violeiro estrangeiro singrando o rio numa canoa? Só digo uma coisa: se a intenção era desmoralizar a classe, os sacanas conseguiram. Espero urgente algumas linhas a respeito. Bjs”.

Como um soldado raso diante da ordem de um sargento manco, imediatamente pus-me a pesquisar tal imagem e finalmente pude ver na telinha a causa de tamanha revolta. Tranquilamente recostado na proa de um barco à vela, um barbudo com um chapéu pantaneiro, botas de cano alto, bombacha, camisa de mangas bufantes e empunhando um violão na caixa dos peitos, entoa versos num som bastante familiar. Apuro os ouvidos, limpo a vista e quando junto a voz à pessoa tomo um susto e exclamo: “valei-me meu São Francisco!, mas que diabo Xangai tá fazendo fantasiado de Teixeirinha?”.

Prontamente transmiti minha solidariedade ao incomodado amigo, inclusive lembrando-o que a Globo deveria, sim, fazer uma dessas correções que neguinho faz quando divulga uma falsa informação, simplesmente admitindo que alguém errou no figurino do nosso itapebiense, que, sem mais nem menos, deixou de ser o velho violeiro nativo das margens do Córrego do Jundiá, para virar um, sei lá, gaiteiro dos pampas, provavelmente amancebado com alguma guria parente de Kleyton e Kledir. Aliás, a permanecer nessa toada, periga nos próximos capítulos um pescador puxar uma rede lotada de salmão, robalo e um imenso King Crab, que serão servidos num churrasco num acampamento farroupilha sob goles de chimarrão.

Para findar, tergiversarei. É que enquanto me preparava para as tecladas finais, recebi a triste notícia das mortes do percussionista pernambucano Naná Vasconcelos e do quinto Beatle, George Martin. Embora incrédulo, estou tentado a acreditar que a ida simultânea desses dois gênios só pode ter sido ideia do comandante dessa zorra toda que, cansado de ouvir Yesterday e Hey Jude em morgados arranjos de harpas e oboés, resolveu dar um toque de maracatu pra sacudir o marasmo celestial na hora do chá das cinco. Soube até que o nosso Tim Maia anda vibrando e já mandou avisar que se receber um indulto do anjo decaído, deixa as funções de síndico do purgatório e talvez compareça na hora do dueto com Chico Science. O firmamento vai tremer.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, no lado baiano do Rio São Francisco. O artigo é publicado originalmente no jornal A Tarde, “centenário edifício de tantos contratempos e opiniões” a que se refere o autor no início do texto.

De Pedro Caetano e Claudionor Cruz, ” Caprichos do Destino”, na voz do saudoso Orlando Silva, para cantar no banheiro em dia de melancolia!!!

BOA TARDE!!!

(Gilson Nogueira)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

OAB repudia o ministro da Justiça

A OAB de São Paulo emitiu uma nota duríssima contra o novo ministro da Justiça, encarregado de melar a Lava Jato:

“A Seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil vem manifestar repudio em relação à nomeação de Eugênio Aragão para a vaga de Ministro da Justiça.

Eugênio Aragão é integrante dos quadros do MPF desde antes de 1988, razão pela qual sobre ele não se aplica a vedação do art. 128, par. 5., II, d, da Constituição brasileira.

Porém, se não se lhe aplica referida disposição, outra, que norteia todos os atos da administração e dos agentes públicos, precisa ser observada: a moralidade, consagrada no caput do art. 37 da Constituição do Brasil.

O novo ministro era o responsável por falar em nome do Ministério Público junto ao TSE, sendo de sua competência a análise das contas de campanha da presidente da República.

Não bastasse isso, oficiou também em nome do MPF, perante o STF, em pelo menos uma situação ligada à operação que está abalando os alicerces da república brasileira, chamada Lava Jato, no caso de Marcelo Odebrecht, conhecendo, assim, detalhes que talvez nem mesmo o público em geral conheça.

Para dizer o mínimo, não seria aconselhável que passasse ele, de protagonista de acusação em processos em que se atribui fatos ilícitos, crimes, a agentes da alta administração do atual governo federal, para a de servidor desse mesmo governo”.

mar
16
Posted on 16-03-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-03-2016

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

OPINIÃO
Ministro Lula cairá com Dilma

Temos assistido nos últimos anos no Brasil a versões fantasiosas para explicar as mais escandalosas situações. Sendo assim, não surpreende a tese de que o ex-presidente Lula será ministro para articular a base da presidente Dilma no Congresso de sorte – e aí a locução adverbial cai como uma luva – a sustar o processo de impeachment.

Há uma verdade absoluta que se pode proferir sobre o assunto: Lula simplesmente foge da chamada justiça comum e homizia-se no foro privilegiado, que os bacharéis preferem definir, eufemisticamente, como prerrogativa de função.

Não há nada, num governo indicado por ele mesmo e destroçado pela ação dos seus variados cúmplices, que Lula possa fazer no ministério que não o pudesse como “pessoa comum”, tipo, hoje, Sarney.

Evitamos as interrogações jornalísticas, mas será mesmo que o ministro Lula rejeitado com veemência nas ruas tem condições de adentrar o Palácio do Planalto e de lá ditar alguma coisa que possa ser aceita placidamente pela nação?

A presidente Dilma engoli-lo-á por obrigação e chantagem, mas sua presença mais ainda emporcalha e descredencia o governo. A luta chega aos extremos da morte. O ministério poderá poupá-lo por enquanto, mas o impeachment cada vez mais próximo o lançará de novo ao vale dos mortais.

O dedo no buraco da barragem de lama

A “estratégia” do governo, do PT e de Lula em toda essa desgraceira da Operação Lava-Jato tem sido, desde o início, a postergação e o tapar com os dedos os buracos do dique, ou da barragem, para usar palavra de mais fácil compreensão desde a lama de Mariana.

Lula insurgiu-se contra as investigações do Ministério Público paulista sob o tríplex e o sítio, deixando de atender a uma intimação, e a entrar, via laranja, com recurso para não comparecer a outra, sob o argumento de que o assunto estava sendo apreciado na Justiça Federal no Paraná.

Quando o MP o denunciou e propôs sua prisão preventiva, para impedir que atuasse para interferir no processo e perturbar a ordem pública, o ex-presidente teve a esperança de que a juíza Priscila Ernandes Veiga Oliveira retardasse a análise ou concluísse pela improcedência.

Mas, sem ler uma linha, a magistrada, transferiu os 36 volumes à apreciação do temido juiz Sérgio Moro, o que, evidentemente, causou um terremoto nas pernas de Lula, fazendo-o recorrer, como anunciam seus advogados, ao Tribunal de Justiça paulista para alegar, paradoxalmente, que é esta corte o âmbito correto para tramitação da questão.

Pelo magistral segundo capítulo de Velho Chico, nesta terça-feira (15) a nova novela das 9h, da TV Globo, todos os indicativos, desde a abertura, são de que estamos diante de um nono marco da teledramaturgia na televisão brasileira. Vale conferir.Bahia em Pauta recomenda. Efusivamente!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

mar
16
Posted on 16-03-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 16-03-2016

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Oposições pedirão a destituição de Aragão

Raul Jungmann, do PPS, está espantado com as sucessivas afrontas do governo à Constituição. Depois de levar a cabeça de Wellington César no STF, o deputado descobriu que o Planalto voltou a desrespeitar a lei — e agora também o Supremo –, ao nomear Eugênio Aragão ministro da Justiça.

Assim como WC, Eugênio Aragão é do Ministério Público. E, assim como o seu brevíssimo sucessor, não pode, não, ocupar um cargo no Poder Executivo.

É lorota a justificativa de que Aragão não está impedido de ser ministro porque entrou para o MP antes da Constituição de 1988. Procuradores e promotores poderiam optar pelo regime anterior à promulgação da Carta apenas quanto a benefícios e vantagens da sua carreira. A lei determina que, no tocante às vedações aos integrantes do MP, eles devem obedecer ao que diz a Constituição em vigor. Uma dessas vedações é justamente ser nomeado para um posto no Executivo.

Diante de mais essa ilegalidade, as oposições, capitaneadas por Raul Jungmann e o seu PPS, entrarão amanhã com uma reclamação contra o governo junto ao STF. Se o tribunal destituiu WC, precisa fazer o mesmo em relação a Eugênio Aragão.

  • Arquivos