DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Urgente: Moody’s rebaixa o Brasil

A Moody’s acaba de rebaixar o Brasil.

E rebaixou em dois níveis, mantendo a perspectiva negativa.

A Moody’s era a última agência de rating que ainda mantinha nosso grau de investimento.

Agora estamos unanimemente no lixão.

DO PORTAL TERRA BRASIL

O governo da presidente Dilma Rousseff teve melhora na avaliação positiva, de acordo com a 130ª Pesquisa Confederação Nacional do Transporte (CNT/MDA), divulgada hoje (24). Dos entrevistados, 11,4% analisaram positivamente o governo e 62,4% de forma negativa.

Na pesquisa anterior, divulgada em outubro de 2015, o governo foi avaliado de forma positiva por 8,8% dos entrevistados, 70% haviam avaliado negativamente e 20,4% consideraram o governo regular.

Na pesquisa divulgada hoje, a avaliação do governo é considerada péssima por 44,7% dos entrevistados e ruim por 17,7%. Para 1,7%, o governo é considerado ótimo, enquanto 9,7% o consideram bom. O governo é regular para 25,2% dos entrevistados.

O desempenho pessoal da presidente é aprovado por 21,8% dos entrevistados. O índice de desaprovação chega a 73,9%. Na edição anterior, esses percentuais foram de 15,9% e 80,7%, respectivamente.

A pesquisa também perguntou aos entrevistados se eles consideram que a presidente Dilma está sabendo lidar com a crise econômica. Setenta e nove por cento responderam que ela não está sabendo lidar com a crise e 16,8% disseram que ela está conduzindo bem a situação.

A pesquisa da CNT, encomendada ao instituto MDA, entrevistou 2.002 pessoas de 137 municípios de 25 unidades da Federação entre 18 e 21 de fevereiro.

Vá devagar, ouvindo Wayne Kelso, ao piano, em Gentle Rain, de Luiz Bonfá, e corra para o abraço e o beijo! De preferência, na Ribeira!

BOM DIA !!!

(Gilson Nogueira)


Ramon : o fazendeiro da família Castro

DO EL PAIS

David Marcial Pérez

Cidade do México

Ramón Castro Ruz, o irmão mais velho de Fidel e Raúl, também participou da insurreição cubana nos anos 1950. Mas, depois da vitória da revolução e uma passagem por alguns postos no Governo comunista, o terceiro irmão — dois anos mais velho que Fidel, com quem se parece muito fisicamente —, preferiu retornar para o pequeno vilarejo de Biran, na região leste da ilha, para cuidar da fazenda do pai e se dedicar aos negócios como pecuarista. Ramón Castro Ruz faleceu nesta terça-feira em Havana aos 91 anos de idade.

A causa da morte não foi divulgada pelos meios de comunicação oficiais cubanos. O corpo foi incinerado, e as cinzas serão levadas para o município da família Castro, onde ele nasceu e viveu durante praticamente toda a vida.

Nascido em 14 de outubro de 1924, Ramón participou, segundo o Granma, das primeiras ações pré-revolucionárias ao lado de seus irmãos. Outras versões, no entanto, afirmam, por exemplo, que ele não esteve presente no importante, embora fracassado, assalto ao quartel de Moncada, de 1953, que levaria Raúl e Fidel à prisão, mas que inspiraria o Movimento 26 de julho, que acabou vencedor anos mais tarde. Segundo a agência norte-americana AP, durante os quase dois anos em que os irmãos passaram presos, Ramón se encarregava de escrever as cartas familiares que chegavam à prisão, nas quais, às vezes, incluía uma caixa de charutos.

Enquanto Fidel deixou de fumar, oficialmente, o tabaco cubano desde 1986, seu irmão mais velho manteve o hábito do cigarro desde os 12 anos até o final da vida. Seu pai, o migrante galego Ángel Castro, também foi fumante. Ramón era o primogênito dos quatro filhos que teve com sua segunda esposa, a cubana Lina Ruz.

Como seus irmãos, Ramón teve uma formação religiosa. Os três frequentaram colégios de jesuítas, onde Fidel já se destacava como aluno dedicado, carismático e com gosto pelas grandes e messiânicas façanhas, enquanto em Raúl e em Ramón predominava uma personalidade mais pragmática e executiva.

Ramón Castro chegou a ser assessor dos ministros da Agricultura e do Açúcar

Ligado ao mundo agrícola e à pecuária, o primogênito dos Castro teve sob sua responsabilidade, segundo o seu perfil oficial, a rede de abastecimento da frente de batalha do leste da Sierra Maestra no ano decisivo de 1958. Depois da derrubada de Fulgêncio Batista, assumiu o comando de várias empresas públicas do setor agropecuário, principalmente no setor do açúcar e da pecuária. Chegou a ser assessor dos ministros da Agricultura e do Açúcar.

Embora não tenha ocupado cargos relevantes no aparelho governamental, foi um dos membros fundadores do Partido Comunista de Cuba, em cuja cúpula Fidel se manteve durante quase cinco décadas, até ser sucedido pelo irmão Raúl em 2011.

Se Raúl é conhecido popularmente como El chino (O chinês), pelos traços asiáticos de seu rosto, o apelido de Ramón era Mongo, e ele se parecia muito com Fidel. Apesar de sua predileção por chapéus de fazendeiro e por trajes civis, era comum que lhe pedissem para fazer fotos pensando que fosse Fidel. Mongo costumava desfazer o mal-entendido dizendo que ele havia nascido antes e que, portanto, Fidel é que se parecia com ele.


Curitiba, foto O Globo

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Agora é pra valer

A menos que fatos novos venham a galope e desarmem todo o aparato explosivo montado em torno das relações João Santana-Odebrecht, este blog fala como os mais antigos: os mandatos de Dilma e Temer não estão valendo um tostão de mel coado.

Imenso bolero!!! Magníficos intérpretes!!!
Confiram!!!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

fev
24

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Roberto Jefferson quer perdão judicial

O Estadão informa que o ex-deputado Roberto Jefferson pediu ao STF o perdão da pena do mensalão, com base no decreto de indulto de Natal assinado por Dilma Rousseff em dezembro.

O perdão vale para quem foi condenado a pena inferior a 8 anos de reclusão, tenha cumprido um quarto da pena e esteja no regime aberto. Além dele, já recorreram Delúbio Soares, João Paulo Cunha, Romeu Queiroz e Rogério Tolentino.

Caberá ao ministro Luís Roberto Barroso avaliar os pedidos.

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Não deu pra melar

Os grupos econômicos que assumiram o que restou de A Tarde chegaram com fama de grandes recuperadores de empresas e nem ao menos conseguiram nomear um diretor-presidente que durasse mais de oito dias.

fev
24
Posted on 24-02-2016
Filed Under (Artigos) by vitor on 24-02-2016


Lailson, no portal de humor gráfico A Charge Online

DO PORTAL TERRA BRASIL

Mesmo sem contar com a participação da presidente Dilma Rousseff ou com representantes do atual governo, o programa partidário do PT na TV, exibido na noite desta terça-feira, não foi bem recebido pela população. Algumas capitais do Brasil, como São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Salvador,e Recife e Maceió, registraram protestos com “panelaços” nas casas e apartamentos e “buzinaço” dos carros nas ruas. Algumas residências também reagiram piscando as luzes como sinal de reprovação à situação.

O programa anual do partido, exibido em cadeia nacional de rádio e TV teve duração de dez minutos e se dedicou a passar mensagens de otimismo e afirmações de que o Brasil já enfrentou e venceu crises piores do que a atual. Sem as participações de Dilma e de qualquer parlamentar ou ministro do atual governo, o partido preferiu dar mais espaço a personagens, que deram depoimentos sobre programas sociais como o Minha Casa, Minha Vida e transmitiram a mensagem de que é preciso trabalho e otimismo para vencer a crise.

O casal de âncoras que comandou o programa apresentou um histórico do PT, disse que o partido mudou o Brasil e conseguiu vencer uma luta histórica contra a fome e a miséria. Em uma das cenas, os apresentadores questionaram “por que tanto ódio e intolerância a um partido neste momento que o Brasil precisa de união?”. Segundo o PT, a crise que o Brasil atravessa é mundial, e o país hoje está em melhores condições de enfrentá-la que em momentos anteriores da história.

Conquistas sociais

No programa, o partido mostrou realizações e conquistas dos governos do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva e da presidenta Dilma, em que milhões de brasileiros saíram da pobreza e conquistaram a casa própria. O PT também destacou a criação de 20 milhões de empregos com carteira assinada nos governos Lula e Dilma, a valorização do salário mínimo e o aumento da renda dos brasileiros mais pobres. No programa, o partido disse que valoriza as mulheres e que elas vêm conquistando mais espaço nos governos petistas.

Desagravo a Lula

Nenhum parlamentar ou ministro do partido apareceu no programa partidário. As únicas lideranças políticas a falar na gravação foram Lula e o presidente nacional do PT, Rui Falcão, que destacou as conquistas dos governos do partido e a “elevação da autoestima” do brasileiro. Falcão também disse que não permitirá que nenhuma dificuldade traga insegurança às famílias. Segundo o presidente da legenda, o Brasil vai voltar a crescer sem recuar nos direitos, na renda e nos salários dos trabalhadores.

Antes da fala de Lula, o partido fez uma homenagem a ele e condenou as pessoas que, segundo o PT, tentam “manchar a imagem” do ex-presidente. Lula aproveitou seu espaço no programa para listar avanços do Brasil nos últimos anos em relação a outros países. Segundo o ex-presidente, as conquistas dos governos petistas “incomodam os adversários”. Lula admitiu erros, mas disse que os equívocos foram menores que os acertos e que o Brasil tem tudo para voltar a crescer.

O ex-presidente insistiu no discurso de que as críticas aos petistas e ao governo vem de uma elite que “não gosta de dividir a poltrona do avião com o povo”. Ele também destacou no programa que “virou moda falar mal do Brasil”, mas quem faz isso “fica minando a confiança” no futuro do país. Passando ao largo da grave crise econômica, ele afirmou que tem “muito mais confiança no país, hoje, do que tinha em 2003”.

Durante a fala de Lula, o panelaço em Salvador foi ainda mais insistente e barulhento.

  • Arquivos

  • Fevereiro 2016
    S T Q Q S S D
    « jan   mar »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    29