Dilma e o neto Guilherme, que nasceu nesta quinta.
Roberto Stuckert Filho/ PR

DO EL PAÍS

Dilma esfria expectativa do PT e prega reforma da Previdência

Gil Alessi

De São Paulo

Na primeira conversa do ano com jornalistas, a presidente Dilma Rousseff (PT) não se furtou de temas complexos nem com potencial para irritar alas de seu próprio partido e movimentos sociais, que saíram às ruas em dezembro em sua defesa contra o impeachment. Disse que o país deve “encarar a reforma da Previdência”, um tema de enorme resistência entre esses setores, e desconversou quando questionada se seu Governo discutia uma “guinada à esquerda”. Repetiu que sua prioridade será o ajuste fiscal, ainda que prometa lutar com “unhas e dentes” pela crescimento econômico em 2016.

“Não é possível que a idade média de aposentadoria das pessoas no país seja de 55 anos”, afirmou a mandatária. A mais recente reforma de peso no sistema público de aposentadorias foi feita em 2003, já no Governo Lula, e provocou reação da base petista, dos movimentos sociais a centrais sindicais, o que deve se repetir agora, em meio à recessão.

Dilma não falou em prazos para apresentar propostas de mudanças que precisam de apoio amplo para passarem no Congresso_ e disse que eventuais alterações serão discutidas com trabalhadores, parlamentares e empresários. Sugeriu um período de “transição”. De acordo com ela, a mudança na Previdência pode ser feita ou se fixando a idade mínima – algo que não existe no país. “Pode ser este o caminho”, afirmou, citando também a fórmula 85/95 móvel (soma da idade com o tempo de contribuição para homens e mulheres) já aprovada no Congresso como um modelo para a eventual reforma. Segundo Dilma, uma eventual mudança na aposentadoria será feita levando em conta o aumento da expectativa de vida da população, pois caso contrário em breve não haverá como sustentar o sistema de Previdência Social. “Nossa expectativa de vida nos últimos anos aumentou talvez de forma bastante significativa, em torno de 4,6 anos. Isso implica que é muito difícil você equacionar um problema”, afirmou.
Nelson Barbosa

A fala de Dilma jogou um balde de água fria nos setores do PT do que cobravam uma mudança nos rumos da condução do economia, que julgam excessivamente focado no ajuste fiscal, com a indicação de Nelson Barbosa para a Fazenda no final do ano passado. Um dia depois de receber em Brasília ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente do PT, Rui Falcão, ambos críticos públicos da política econômica, a presidenta afirmou que nunca discutiu uma “guinada à esquerda” na política econômica com a cúpula petista. “Acho muito bom que o PT tenha suas posições. Agora, o Governo não responde só ao PT, só ao PMDB e só a qualquer um dos partidos da base aliada”, disse. Questionada sobre uma nota de Falcão, divulgada em dezembro, na qual ele pedia ousadia na política econômica, Dilma respondeu afirmando que “nota a gente pode fazer, todo mundo pode soltar nota”.

A petista também reafirmou ainda o compromisso com o ajuste fiscal proposto pelo ex-ministro da Fazenda, Joaquim Levy – criticado pelo ex-presidente Lula, por caciques do partido e pelos movimentos sociais que apoiam o Governo. “Temos como questão principal o ajuste fiscal. Vamos garantir o superávit de 0,5% do PIB”, afirmou.

Na outra ponta, a presidente não detalhou as medidas do plano de estímulo econômico que o Planalto pretende anunciar no final do mês. De acordo com o jornal o Estado de São Paulo, entre as iniciativas discutidas estão acenos ao setor da construção civil, um dos que mais eliminou postos de trabalho em 2015 – 500.000 demissões. Uma das ideias é voltar a investir em obras de infraestrutura e projetos como o Minha Casa Minha Vida, além de quitar débitos de iniciativas já executadas.


Wagner e Leo da OAS:ligações perigosas

DEU NA TRIBUNA

A Operação Lava Jato interceptou mensagens de celular que apontam relação entre o ministro da Casa Civil Jaques Wagner e o ex-presidente da empreiteira OAS José Adelmário Pinheiro Filho, conhecido como Léo Pinheiro, condenado por participação no esquema de corrupção da Petrobras.

Algumas conversas são diretas entre os dois, mas também há mensagens entre interlocutores do governo baiano durante a segunda gestão Wagner (2011-2015) com executivos da empresa. Segundo investigadores, a suspeita é que parte das conversas trate de doações para a campanha petista na disputa pela prefeitura de Salvador, capital baiana.

De acordo com reportagem do Jornal Estado de São Paulo, o material é mantido sob sigilo em Brasília e na Justiça Federal do Paraná. As conversas obtidas pelos investigadores da Lava Jato em Curitiba foram remetidos à Procuradoria-Geral da República (PGR) por mencionar o nome do ministro, que possui foro privilegiado. Não há inquérito aberto contra Wagner no Supremo Tribunal Federal (STF) até o momento.

As mensagens foram trocadas entre agosto de 2012 e outubro de 2014 e mostram a negociação de apoio financeiro para a candidatura de Nelson Pellegrino à prefeitura da capital baiana em 2012 e pedidos de intermediação de Wagner com o governo federal a favor dos empresários.

Os investigadores questionam trechos cifrados das conversas por apresentar códigos, apelidos e supostos endereços que, na verdade, indicam valores pagos, segundo as apurações. Jaques Wagner seria identificado como JW e também como “Compositor”, como acreditam os investigadores por referência ao maestro alemão Richard Wagner.

Nelson Pellegrino é citado como “NP” ou “Andarilho”, alusão com peregrino. Pellegrino disputou a prefeitura de Salvador no primeiro turno com ACM Neto (DEM) e Mário Kertész (PMDB na época), que também foram identificados na conversa, como “Grampinho” e “MK”, respectivamente.

No segundo turno, Kertész deixou o partido e passou a apoiar Pellegrino. Esse apoio político também é assunto entre as conversas interceptadas e tem Wagner como intermediador direto nas negociações de apoio e pagamento das campanhas.

Uma das mensagens trocadas entre Pinheiro e Manuel Ribeiro Filho levanta a suspeita de pagamento. O executivo escreveu: “O endereço que filho me forneceu foi MK Street 3.600”. Ao que executivos da OAS comentaram depois que “o valor é muito alto”.

Em seguida, foi interceptada uma troca de mensagens com Jaques Wagner em que é discutido o papel de MK e um valor mais baixo para o suposto pagamento.

Em outra conversa entre Jaques Wagner e Léo Pinheiro, o ex-executivo da OAS pede ajuda para falar com o então ministro dos Transportes para “liberar o recurso no valor de R$ 41.760 milhões”, referente a um convênio assinado em 2013.

Segundo o Estadão, o ministro Jaques Wagner não respondeu aos questionamentos da reportagem, assim como o advogado Edward Carvalho, integrante da defesa da OAS, que disse não comentar as informações.

Mário Kertész disse que é amigo de Léo Pinheiro, mas não participou de arrecadação para campanha de Nelson Pellegrino no segundo turno da disputa municipal em Salvador. Pellegrino não retornou os contatos.

i

DEU NA TRIBUNA DA BAHIA

David Mendes

O Instituto Paraná Pesquisa divulgou ontem um levantamento realizado em 13 capitas brasileiras entre os meses de agosto a dezembro e, conforme o resultado, o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), é o melhor avaliado entre os gestores municipais.

Na capital baiana, o instituto ouviu 643 pessoas em outubro do ano passado e, desse total, 84,7% aprovaram a administração do democrata. Apenas 11,7% desaprovam a maneira ACM Neto de governar, que completou na semana passada três anos à frente da administração da terceira maior capital do país. No ranking, o gestor soteropolitano está a 20 pontos do segundo melhor colocado, o prefeito de Maceió (AL), Rui Palmeira (PSDB), que tem a gestão aprovada por 64,4% dos maceioenses.

Na terceira posição aparece o prefeito de Recife, Júlio Delgado (PSB), aprovado por 57,6% dos recifenses. Esta é a terceira vez consecutiva – de institutos diferentes – que o prefeito de Salvador lidera o ranking dos melhores avaliados das capitais brasileiras. “O mais importante não é ser avaliado como melhor prefeito do Brasil. O fundamental mesmo é ter a consciência de que todos os dias faço o melhor que posso por minha cidade”, postou ACM Neto em sua conta no Facebook.

O prefeito ainda aproveitou o momento de euforia por conta da repercussão dos números da Paraná Pesquisa para mandar, nas entrelinhas, um recado. “Sei que ainda posso fazer muito mais!”, escreveu. A oito meses das eleições municipais, o democrata tem se recusado a oficializar sua pré-postulação à reeleição. Todas as vezes que é questionado, ele tem uma resposta pronta na ponta da língua: de que não sabe ainda se será candidato este ano. A divulgação da consulta da Paraná Pesquisa animou aliados do gestor democrata. O presidente nacional do Democratas, o senador Agripino Maia, afirmou que, no campo administrativo, ACM Neto “interpreta com fidelidade” as ideias do Democratas.

“O prefeito ACM Neto é um político que sabe se cercar dos bons e não convive com a improbidade. É na política brasileira um exemplo a ser seguido e referência que os seus companheiros do partido Democratas aplaudem com satisfação. A pesquisa é reflexo da percepção popular sobre tudo isso que citei”, disse o senador, em entrevista à Tribuna. Outro que comemorou os números foi o presidente do DEM na Bahia, o deputado federal José Carlos Aleluia. Para o dirigente baiano, os soteropolitanos reconhecem as “profundas transformações” que estão sendo feitas na capital. “Num país desesperançado que hoje vive a desdita de estar sob a governança do PT, ACM Neto é a certeza de que o Brasil tem jeito”, comemorou.

Oposição diz que amostragem é “superficial”

A oposição na Câmara de Vereadores de Salvador considerou “superficial” o levantamento do Instituto Paraná Pesquisa, que apontou ACM Neto (DEM) como o prefeito melhor avaliado entre 13 capitais brasileiras. A vereadora Aladilce Souza (PCdoB), que assumiu a liderança da Bancada de Oposição no Legislativo soteropolitano no lugar do colega Luiz Carlos Suíca (PT), os números não significam um favoritismo do gestor soteropolitano nas eleições municipais deste ano, onde o democrata irá disputar a reeleição. A reportagem tentou falar com Aladilce, mas seu celular estava desligado.

Ontem, em entrevista ao Bocão News, a comunista defendeu que a consulta se baseia na impressão das pessoas. “Se fosse mais amplia e profunda não teria esse resultado. Mas, diante da situação que Salvador se encontrava na gestão passada [do prefeito João Henrique], qualquer administração um pouco melhor seria bem avaliada”, analisou a vereadora. A opositora disse ainda que a gestão de ACM Neto, que completou três anos na semana passada, é marcada por diversas “falhas” administrativas. “Salvador teve no ano passado a pior arrecadação, graças à reforma tributária feita por ele que elevou o IPTU e o ITIV excessivamente e as pessoas deixaram de pagar porque não tem como. Além disso, é uma gestão que não tem controle e responsabilidade com os recursos públicos”, pontuou, ao citar as denúncias envolvendo o ex-secretário da Gestão, Alexandre Paupério, e nas Secretarias de Urbanismo (Sucom) e da Promoção Social e Combate à Pobreza.

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA E NA FOLHA

Lula depõe na Zelotes sobre venda de MPs

Lula prestou depoimento à Polícia Federal hoje por quase cinco horas no âmbito da Operação Zelotes.

Ele foi questionado sobre sua relação com Mauro Marcondes, se recebeu pedidos do lobista por meio de Gilberto Carvalho e se tem conhecimento do repasse de R$ 2,5 milhões feito por Marcondes à LFT Marketing, do caçula Luís Claudio Lula da Silva.

Segundo a Folha, o interrogatório começou às 14h30 e só terminou após as 19h. O depoimento, que devia ter acontecido no final do mês passado, foi adiado a pedido da defesa de Lula. Como sempre, ocorreu em local secreto.

jan
07


BOM DIA!!!

  • Arquivos

  • Janeiro 2016
    S T Q Q S S D
    « dez   fev »
     123
    45678910
    11121314151617
    18192021222324
    25262728293031