dez
04
Postado em 04-12-2015
Arquivado em (Artigos) por vitor em 04-12-2015 00:11


DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Espasmo de Cunha não derrubará Dilma

O acolhimento do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, não muda a sorte deste, que deverá ser cassado por falta de decoro e ainda enfrentará, por outros motivos, processo criminal – a dúvida é se será no Supremo Tribunal Federal ou se até lá já terá perdido a prerrogativa de foro.

Quanto à presidente, pode-se dizer que terminará escapando. O quadro está mais confortável no Congresso, sendo um indicador positivo a aprovação, hoje, da flexibilização da meta fiscal para 2015, que afasta a possibilidade de crime de responsabilidade.

Revigorada – paradoxalmente, pois, afinal, sofre uma ação que em tese poderá afastá-la do cargo e depois determinar sua queda –, Dilma, na verdade, não corre esse risco. Caso não haja fatos novos que a comprometam pessoalmente, conseguirá com tranquilidade, na Câmara, os 172 votos necessários a evitar o julgamento no Senado.

Eduardo Cunha é figura, a esta altura, queimada nos altos círculos do poder. Abusando das prerrogativas de presidente da Câmara, tentou uma chantagem para preservar o mandato, que foi afinal recusada pelo PT. Sua reação de hoje é nada mais que o espasmo de um derrotado.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Julgamento exige quórum de dois terços

Data: 02/12/2015
23:19:16

A jornalista Cristiana Lôbo, da Globonews, cometeu pequeno deslize, hoje, após o anúncio da aceitação do pedido de impeachment: disse que, caso a Câmara o aprove por maioria absoluta – 257 votos –, a presidente será julgada sem deixar do cargo.

A Constituição, no entanto, em seu artigo 86, fixa exclusivamente o quórum qualificado de dois terços do plenário – 342 deputados – para a admissibilidade do processo, determinando o afastamento do presidente da República por seis meses.

Se, nesse período, o Senado – instituição encarregada do julgamento em caso de crime de responsabilidade – não chegar a uma decisão, também por dois terços dos seus membros, o titular reassume o cargo, sem prejuízo da continuidade do procedimento jurídico.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 4 dezembro, 2015 at 16:10 #

Caro Luís

Cunha cumpriu seu papel, não é o primeiro, certamente não será o último, que movido por condenáveis instintos, face à morte iminente, por absoluta falta de opção, produz algo benéfico, mesmo ciente que não poderá, sequer, comemorar o resultado.

O fel, por vezes, é doce, ao menos ao convivas.

Porém terá companhia, ao que parece, a loquacidade de Delcídio, minou a inércia digna de um asno empacado, do STF, Janot que timidamente atirou em Cunha, além de Collor, colherá outros, não haverá mais espaço para infrutíferas protelações sob o manto de “investigações sigilosas após a luta extenuante da recondução.

Cunha e Delcídio, cada qual a seu modo, sem mérito algum, cumpriram papel histórico.

Deste jeito, o legado do “namorado” de Rose, encontrará seu destino, o fundo do mar de lama adredemente concebido.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • dezembro 2015
    S T Q Q S S D
    « nov   jan »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    28293031