DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Marcelo Odebrecht seguirá preso

A defesa mais uma vez apelou para o “flagrante constrangimento ilegal” ao qual Marcelo Odebrecht estaria sendo submetido, mas mais uma vez deu em nada. O Estadão informa que o STJ negou o pedido de liberdade não só a MO, mas a outros três executivos da empreiteira: Cesar Ramos Rocha, Márcio Faria da Silva e Rogério Santos de Araújo.

Os advogados de Marcelo Odebrecht esperavam que Ribeiro Dantas, responsável pela decisão, fosse “mais sensível” aos melodramáticos pedidos da defesa. A exemplo do já ocorrido com João Vaccari Neto, o ministro do STJ foi “mais sensível” aos apelos de 90% dos brasileiros.

Melhor assim.

Be Sociable, Share!

Comentários

jader on 1 novembro, 2015 at 4:49 #

Jornalismo de alto nível!!!
Janio de freitas na FSP:
Na hora das provas
01/11/2015 02h00

Além das evidências de mentiras de Paulo Roberto Costa, que já goza o prêmio de liberdade plena por suas delações, o documento de defesa entregue ao juiz Sergio Moro por Marcelo Odebrecht expõe, também, os riscos que os métodos da Lava Jato levam às decisões da Justiça neste caso.

Os registros eletrônicos de Marcelo, cifrados ou muito sintetizados, foram “traduzidos” por interpretações dos integrantes da Lava Jato, que as utilizaram como “provas” nas acusações. Muitas dessas ilações parecem lógicas e irrefutáveis, de fato, como rastros comprometedores de Marcelo com práticas perseguidas pela Lava Jato. As explicações dos mesmos registros, porém, uma a uma feita por Marcelo, parecem também lógicas e irrefutáveis. E, algumas, até coincidentes com fatos externos conhecidos, e citados.

Com um ano e sete meses de Lava Jato, as diferenças entre delação premiada e investigações mostram-se ainda. Ou se mostram ainda mais, quando tudo passa dos depoimentos em inquéritos para os julgamentos, que devem pesar as bases para condenar ou absolver. Presume-se que, à falta de investigações, a decisão de um juiz, na discórdia entre ilações de aparência lógica e explicações de aparência lógica, só disponha da opção subjetiva para apresentar como decisão. Um nível de insegurança muito alto, portanto.

No caso de Marcelo Odebrecht, seus registros eletrônicos são apenas parte na acusação. Há também delações premiadas que mencionam sua empresa nas transações corruptas em torno da Petrobras. Mas por Paulo Roberto Costa, e não só por ele, evidenciam-se problemas em delações que deveriam ser evitados por investigações da Polícia Federal e de procuradores. No que se refere a tais evidências, está claro que não houve investigações ou foram insuficientes, fosse na profundidade, fosse na qualidade técnica.

Há esclarecimentos devidos ao país tão abalado pelo que a Lava Jato irradiou. O risco de condenações e absolvições baseado em subjetividades, e por desejo de julgadores ou por pressões, pode ser muita coisa, menos Justiça.

LOGO QUEM

Quer dizer que o PMDB tem ideias para um governo e repele as do atual. Não tem sequer originalidade na visão contrária ao governo. Mas, se é crítico, por que não sai do governo, não desgruda, quer sempre estar em mais um pedaço dele?

O PMDB não tem autoridade política nem moral para lançar “ideias” programáticas contrárias ao governo, por cujas deficiências e deformações tem grande responsabilidade. Assim como tem responsabilidade na gestação e na progressão da crise política que alimenta a crise econômica: é o PMDB de Eduardo Cunha, pois não? É o PMDB chantagista, do ministério por apoio, dos cargos a mais por cada votação na Câmara, e das traições apesar do êxito das chantagens. É o PMDB desprovido de qualquer compromisso com o país e com a população.

Michel Temer diz que o PMDB terá candidato próprio à Presidência. Não está claro se fala de sua ambição ou se é uma ameaça.

UM MOMENTO

O descontrole do general Antonio Hamilton Martins Mourão resultou muito positivo. Como disse, ele está vendo que o “inimigo interno” continua por aí, e não é tranquilizador para ninguém que, à frente de mais de 50 mil homens armados, esteja alguém dado a visões. Além disso, o segundo general Mourão é dado também a impropérios e insultos ao poder constituído (o Mourão primeiro foi aquele que iniciou o golpe de 64 e se definiu como uma “vaca sagrada”).

Destituído do Comando Militar da Região Sul, o general Antonio Mourão deu oportunidade à expectativa de que os recentes pronunciamentos de generais, se interregnos ocasionais forem inevitáveis, não significam o retorno à desprofissionalização dos militares para fazerem política.

A MENOS

A Folha deixa de abrigar esta coluna nas terças-feiras.


Taciano Lemos de Carvalho on 1 novembro, 2015 at 11:57 #

“No caso dos autos, não se verifica a ocorrência de flagrante ilegalidade na decisão impugnada, de modo a justificar o processamento da presente ordem”, escreveu o ministro Ribeiro Dantas, do STJ, no processo.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • novembro 2015
    S T Q Q S S D
    « out   dez »
     1
    2345678
    9101112131415
    16171819202122
    23242526272829
    30