Vídeo com a belíssima atriz Yoná Magalhães, em um dos seus personagens mais marcantes: Tonha.Inesquecível atriz e mulher, desde Deus e o Diabo na Terra do Sol.

R.I.P.

(Vitor Hugo Soares)

out
20
Posted on 20-10-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 20-10-2015

Toffoli prepara-se para dar um golpe no TSE

Na semana passada, Dias Toffoli, presidente do TSE, pediu a Dilma Rousseff que se manifestasse sobre a eventual indicação do ministro Gilmar Mendes para a relatoria da ação de impugnação do seu mandato eleitoral, movida pelo PSDB. Mais um absurdo ululante na selva petista.

Como selva é selva, e nela não há limites para os absurdos ululantes, Dilma Rousseff respondeu que preferia como relator o ministro Luiz Fux. Por quê? Porque Luiz Fux quer unir todas as ações de impugnação numa só (há quatro no total) e cortar as pernas de todas elas, como se fossem farinha do mesmo saco, embora a do PSDB tenha as premissas mais consistentes.

Diligentemente, Dias Toffoli prepara-se para ungir Luiz Fux relator e, assim, livrar Dilma Rousseff de ter o mandato cassado pelo TSE por fraude na campanha e abuso do poder econômico e político — tudo fartamente documentado.

Ministro Toffoli, o nome disso é golpe.


Yoná em Deus e o Diabo na Terra do Sol:chegada triunfal

DO G1-O GLOBO

Morreu no Rio, na manhã desta terça-feira (20), a atriz Yoná Magalhães, aos 80 anos. Yoná estava internada, desde o dia 18 de setembro, na Casa de Saúde São José, no Humaitá, Zona Sul do Rio. Em nota, o hospital informou que, no dia em que deu entrada na unidade, a atriz foi submetida a uma cirurgia para corrigir uma insuficiência cardíaca.

Após o procedimento, ela foi internada na UTI, mas apresentou complicações pós-operatórias que a levaram ao falecimento às 10h05 desta terça.

O velório está marcado para as 10h desta quarta-feira (21), no Memorial do Carmo, no Caju. A cerimônia de cremação está marcada para as 13h30.

Atriz de “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964), de Glauber Rocha, Yoná Magalhães entrou para a vida artística para ajudar a família quando o pai ficou desempregado. “Eu tinha que ajudar de alguma maneira, não sabia muito como, queria continuar os meus estudos. Gostava de brincar de teatro, essas coisas que todo mundo faz. Então eu digo: ‘Quem sabe não é por aí, né?’ Fui fazendo pequenas pontas, pequenos papéis, isso em meados da década de 1950, até que consegui um contrato com a Rádio Tupi”, afirmou a atriz em entrevista ao Memória Globo em 2000.

A atriz fez parte do primeiro elenco da TV Globo, a partir de 1965, e é considerada a primeira mocinha de sucesso das novelas da emissora. Em 1966, formou ao lado de Carlos Aberto o principal casal romântico da época, em “Eu compro esta mulher”.

“A audiência deu um pulo astronômico. Eu não sei bem esse mistério da dupla romântica, mas na época causava grande frisson”, afirmou a atriz em entrevista ao Memória Globo em 2000. “A identificação era muito grande, porque aquela dupla continuava, então aquilo era de verdade.”

Yoná atuou ainda no rádio, no teatro e no cinema, com destaque para o filme “Deus e o diabo na terra do sol” (1964), clássico do Cinema Novo dirigido por Glauber Rocha.

Ao longo de mais de 60 anos de carreira, trabalhou em novelas como “Saramandaia” (1966), “Roque Santeiro” (1985), “Tieta” (1989), “Meu bem, meu mal” (1990) e “A próxima vítima” (1995). Sua última novela foi “Sangue bom” (2013).

Além das novelas, Yoná esteve nas minisséries “Grande sertão: Veredas” (1985), adaptação para a TV do clássico romance homônimo escrito por Guimarães Rosa, “Engraçadinha… Seus amores e seus pecados” (1995) e “Um só coração” (2004).

Fez ainda os seriados “Carga pesada” (2005) e “Tapas & Beijos” (2011), atuou em episódios do “Você decide” e “A vida como ela é” e nos humorísticos “Zorra total” e “Sob nova direção”.

O governo do estado do Rio divulgou no início da tarde nota lamentando a morte da atriz. “Yoná Magalhães viveu personagens com as várias caras do Brasil, divertindo e emocionando a todos nós. Uma atriz que sempre nos brindou com talento e espontaneidade. Yoná deixará saudades”, diz o texto, assinado pelo governador, Luiz Fernando Pezão.

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Melhor que Kakay

Técio Lins e Silva, o da liminar de Lewandowski, também conseguiu convencer Teori Zavascki a livrar da cadeia o ex-diretor da Odebrecht Alexandrino Alencar, parceiro de viagens do lobista Lula e “amigo de infância” de André Sanchez.

O prestigiado criminalista está colocando o velho Kakay no chinelo e fazendo escola. A jovem advogada Bruna Lóssio, parente de Luciana, acompanhou Técio no caso do HC de Alexandrino, como se verifica no andamento do processo.
Matéria: Revogação
Relator: MIN. TEORI ZAVASCKI
PACTE.(S): ALEXANDRINO DE SALLES RAMOS DE ALENCAR
IMPTE.(S): TÉCIO LINS E SILVA
COATOR(A/S)(ES): SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA
Andamento(s):Data do Andamento: 16/10/2015
Andamento: Concedida em parte a ordem
Observações: –Data do Andamento: 16/10/2015
Andamento: Certidão
Observações: Certifico que elaborei 3 ofícios e 3 fax. Decisão de 16/10/2015.Data do Andamento: 16/10/2015
Andamento: Ciência
Observações: DA DECISÃO PROFERIDA EM 16/10/2015, PELA ADV. BRUNA LÓSSIO PEREIRA

BOM DIA!!!


Ricardo Lewandowski, nesta segunda-feira em Washington
/ LENIN NOLLY (EFE)

DO EL PAIS

Joan Faus

De Washington

Longe da novela diária sobre a crise política brasileira, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandowski, procurou contextualizar a situação na segunda-feira, nos Estados Unidos. “O que está acontecendo agora eu diria que é uma revolução, porque o Poder Judiciário está cuidando dos escândalos, então eu não tenho nenhuma dúvida de que tudo virá à tona, virá à luz”, disse Lewandowski sobre o caso Petrobras em uma cerimônia em Washington.

Suas palavras chegam uma semana depois de o Supremo Tribunal Federal aprofundar o terremoto político que sacode o Brasil. O STF deteve a estratégia que o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, havia urdido com a oposição para levar adiante o processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

Três magistrados do Supremo emitiram uma liminar que impede que, se o presidente da Câmara dos Deputados rejeitar um pedido de impeachment contra Dilma, a oposição possa recorrer dessa rejeição para que o impeachment seja diretamente submetido à votação por maioria simples dos deputados. Os juízes justificaram a sua decisão em uma lei de 1950 que estabelece que o pedido de destituição missão só deva ser conduzido pelo presidente da Câmara e a partir de razões estritamente jurídicas.
Redução drástica de partidos

No colóquio, o presidente do STF considerou que a reforma política tem que ser a “mãe de todas as reformas” no Brasil. O jurista lamentou que haja 32 partidos políticos no Congresso brasileiro e esgrimiu que os países democráticos não costumam ter mais de cinco. “Penso que isso é suficiente”, disse.

Lewandowski reconheceu a dificuldade de impulsionar uma reforma política, mas alegou que a redução do número de formações seria um passo necessário para melhorar o processo legislativo. O Supremo declarou recentemente inconstitucional o financiamento de campanhas eleitorais por parte de empresas privadas.

Lewandowski evitou avaliar a fundo o imbróglio político na segunda-feira, mas deu algumas pinceladas. Em um colóquio no Diálogo Interamericano, um laboratório de ideias na capital dos EUA, o presidente do Supremo argumentou que os juízes brasileiros são “absolutamente independentes” e que ninguém está interferindo na investigação de corrupção na Petrobras.

O caso da empresa petrolífera estatal afeta cerca de vinte empresas privadas e aproximadamente sessenta políticos, incluindo Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros. O escândalo também coloca numa situação embaraçosa a presidenta Dilma, que presidiu o conselho de administração da Petrobras.

“O que está acontecendo agora no Brasil é resultado da independência dos nossos juízes”, disse Lewandowski, que ocupa o cargo há um ano e está em Washington para participar de eventos na Organização dos Estados Americanos (OEA). O jurista pediu que se respeitem os tempos judiciais, mas se mostrou confiante de que a investigação Petrobras será concluída.

out
20
Posted on 20-10-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 20-10-2015


Bruno Aziz, no jornal A Tarde (BA)

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

BLAGUE NO BLOG – Bastou

Temos visto na seção de cartas de A Tarde o espaço, que já é pequeno para as legítimas queixas e denúncias de leitores, sendo tomado por mensagens de parabéns ao jornal por mais um aniversário, prática tão provinciana quanto cabotina.

É a oportunidade que políticos, empresários, artistas e mesmo pessoas comuns encontram para “aparecer”, com uma postura bajuladora que não tem por que existir, assim como os jornais que se pretendem sérios não publicam nem elogios nem agradecimentos.

A situação lembra o tempo em que Jorge Calmon dirigia a Redação, quando era comum a divulgação, por semanas a fio, na parte editorial, da relação de parabenizantes.

Num desses anos, cansado do espaço roubado diariamente nas páginas 2 ou 3, o velho jornalista botou a lista do dia sob o título “Últimas manifestações pelo aniversário de A Tarde”.

  • Arquivos