José Carlos Araújo (PSD-BA)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Telhado de vidro

O deputado José Carlos Araújo, presidente do Conselho de Ética que vai julgar Eduardo Cunha, assumiu o cargo pela primeira vez em 2009 sob acusações ter usado a verba indenizatória da Câmara durante as férias.

O Antagonista resgatou uma entrevista com Araújo publicada pela ISTOÉ naquela ocasião. O repórter Hugo Marques não deu sossego ao parlamentar, que tinha uma folha de antecedentes impressionante.

Confira os principais trechos:

Istoé – Para o sr., o que é ética?

José Carlos Araújo -Tudo aquilo que você faz que não é certo, que não é direito, é contra a ética, é antiético. O médico, quando faz aborto não previsto em lei, está contra a ética.

Istoé – O sr. usou R$ 14.600 da verba indenizatória em janeiro, um mês de férias. Esse comportamento foi ético?

Araújo – A verba indenizatória é ressarcimento de alguma coisa. Foram coisas que gastei durante o mês de dezembro.

Istoé – Mas em fevereiro o sr. também pediu ressarcimento de despesas, no mesmo valor.

Araújo -Bom, tenho assessoria. Tenho empresa que me dá assessoria nos meus municípios. Eu viajei, apresentei parte das coisas, o aluguel do meu escritório. Não posso interromper o aluguel do meu escritório porque é janeiro, continuo despachando no meu escritório em Salvador, continuo pagando água, pagando luz. Viajei para o interior, usei combustível.

Istoé – Na Bahia, o sr. foi investigado por distribuir dentaduras durante a eleição.

Araújo -Saíram notícias nos jornais e eu me antecipei ao Ministério Público, fiz uma notificação ao MP mostrando que eu não tinha nada com isso. Acontece que o deputado estadual Pedro Egydio, que tinha dobradinha comigo, era protético e fazia isso. Ele distribuiu meu santinho junto com o dele. Se eu tivesse sido beneficiado, teria tido muito mais votos.

Istoé – A Fazenda São José, de sua propriedade, em Mata de São João, tem quantos alqueires?

Araújo -Ela tem 500 e poucos hectares. Foram comprados em 1988. Eu não era deputado. Depois que me tornei deputado, não tive absolutamente nada.

Istoé – Em 2002, o sr. declarou a fazenda por R$ 346 mil. Em 2006, o valor caiu para R$ 80 mil. Ela diminuiu de preço?

Araújo -Espera aí, não, não, não, tem alguma coisa errada aí.

Istoé – Os dados são do Tribunal Superior Eleitoral.

Araújo – É que quando ela foi comprada não foi em reais. Ela foi comprada em outra moeda. Na outra moeda é que foi 300 e, não sei se era cruzeiro, convertido dava isso.

Istoé – No TSE está em real.

Araújo -Ela foi convertida da moeda da época para a moeda atual. Não tem esse negócio de 80 mil. Eu mandei a minha cópia da declaração do IR. Em 2007, passei a declarar 700 mil, porque foi a reavaliação que fiz.

Istoé – Em 1998, o sr. foi acusado de contratar parentes no gabinete que queriam transferências de faculdades do Rio e São Paulo para a Universidade da Bahia.

Araújo -Parente, não. Eu nomeei o filho de um amigo para o meu gabinete. Ele ficou no meu gabinete trabalhando um tempo, depois fez vestibular e se transferiu, alguma coisa desse tipo.

Istoé – O sr. o contratou para que a Justiça pudesse dar a liminar transferindo- o para a Bahia?

Araújo -Não. Eu contratei porque era filho de uma amiga, que, por sinal, hoje é deputada federal. Era minha correligionária, me pediu um emprego para o filho e eu contratei.

Be Sociable, Share!

Comentários

luis augusto on 15 outubro, 2015 at 22:17 #

Que diria O Antagonista se soubesse do fato a seguir, publicado há mais de cinco anos em Por Escrito?

BLAGUE NO BLOG – Sebo nas canelas

Data: 10/06/2010
08:57:24

À deputada federal Tonha Magalhães (PR) não se poderá negar uma forte personalidade. Prefeita de Candeias, fez comício na cidade em 2002 para impulsionar, em dobradinha, as candidaturas de ACM Neto a deputado federal e a de seu filho Júnior a estadual.

Na hora do comício, aparece o senador Antonio Carlos Magalhães (que não era parente de Tonha) acompanhado de grande comitiva, da qual fazia parte o deputado José Carlos Araújo. Desafeta do parlamentar, Tonha não titubeou: “Senador, o senhor é meu líder, mas esse cidadão aí não sobe em meu palanque”.

ACM também não demorou a reagir. Bem a seu estilo, encarou Araújo e determinou: “Se pique”.


Taciano Lemos de Carvalho on 15 outubro, 2015 at 22:24 #

Diante da revelação feita por Luís Augusto, só resta dizer:
– José Carlos Araújo, se pique


luis augusto on 15 outubro, 2015 at 22:33 #

Completando: Mangabeira dizia que a Bahia é o Brasil levado às últimas consequências.

Como na Bahia José Carlos Araújo jamais chegaria a um conselho de ética, quanto mais presidi-lo, os termos do axioma podem ser invertidos: o Brasil é a Bahia levada às últimas consequências.


luis augusto on 15 outubro, 2015 at 22:35 #

Taciano, estava escrevendo o complemento e só agora vi seu comentário. É preciso dizer “se pique” pra tanta gente…


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos