out
07
Postado em 07-10-2015
Arquivado em (Artigos) por vitor em 07-10-2015 00:48

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Fonte Nova é a casa de duas torcidas

Desde a Fonte Nova velha, nas décadas de 50 e 60, e a que ganhou o segundo lance de arquibancada, no governo Luís Viana Filho, o querido Estádio Otávio Mangabeira foi palco de aguerridos Ba-Vis.

A torcida rubro-negra ficava “à esquerda das cabines de rádio”, como gritavam os locutores, e a tricolor passava adiante, acomodando-se numa ponta da ferradura. Como era muito mais numerosa, tomava ainda quase toda a antiga “geral”.

Havia rusgas, havia brigas, mas a convivência era normalmente pacífica. Havia os chefes de torcida, que comandavam a massa na provocação recíproca, com fogos, bandeiras, charangas e buzinas a animar a multidão. A volta de ônibus era mista e tranquila.

A Fonte Nova, enfim, nunca foi “a casa do Bahia”, como se procura insinuar na configuração pós-arena da linguagem esportiva no Estado. As poucas glórias do Vitória nos períodos citados, ele as alcançou no – também do glossário radiofônico da época – “gigante do Norte e Nordeste”.

Por outro lado, não é procedente dizer que o estádio é “a casa do Vitória” com base numa sequência de partidas que apenas refletem uma fase eventual de superioridade técnica, podendo a balança, oportunamente, favorecer o adversário.

Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

Be Sociable, Share!

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 7 outubro, 2015 at 10:48 #

Se a Fonte Nova é a casa do Bahia, não sei. Pensava que fosse.

Mas que a festa era feita por Jones, e depois por Lourinho, chefes da torcida, era.

Jones enlouquecia a torcida do Vitória com suas danças, seus gestos, suas presepadas feitas de dentro da torcida tricolor. E quando gesticulava para a torcida rubro-negra com os dedos imitando chifres, aí é que a Fonte Nova vinha abaixo. 80% (ou mais) aplaudindo e dando risada. 20% (ou menos) espumando de raiva.

Mas tudo acabava numa boa. Ao final do jogo a torcida do Bahia e Jones passavam por trás da torcida do Vitória. No máximo alguma vaia.

Hoje, com a violência nos estádios, sairia morte. É verdade que dizem que Jones tinha o corpo fechado pelos Orixás e exus da cidade da Bahia.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos