DEU NO PORTAL G1/O GLOBO

Na abertura da Assembleia Geral da ONU, a presidente Dilma Rousseff admitiu nesta segunda-feira em Nova York, pela primeira vez no exterior, que o país tem problemas fiscais, mas voltou a culpar a “crise externa” pelos problemas econômicos do Brasil. “Estamos em um momento de transição”, disse Dilma sobre a atual crise nacional. A presidente reconheceu a alta do dólar, o aumento da inflação e do desemprego; e disse que o modelo econômico “chegou ao limite”, reconhecendo em seguida que o país tem sim problemas para resolver. Ela, no entanto, afirmou que o Brasil tem problemas conjunturais e não estruturais.

Sobre os casos de corrupção, Dilma afirmou que as investigações em curso no país representam um avanço e mostram que no Brasil há instituições que funcionam. Em uma possível menção aos alegados excessos da Operação Lava-Jato, a presidente afirmou que no Brasil, “o limite é a lei”, indicando que a investigação não deve se sobrepor às leis. Dilma também ressaltou em seu discurso que o Brasil está de portas abertas para receber refugiados. “Somos um país multiétnico e sabemos conviver bem com as diferenças”, disse.

A chefe de Estado brasileira discursou na abertura da 70ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e também aproveitou a oportunidade para enfatizar algumas pautas antigas da diplomacia brasileira: como o pedido de reforma do Conselho de Segurança da ONU e a defesa da sustentabilidade por meio do uso de energias limpas e cortes de emissão de gases de efeito estufa. No plano geopolítico, Dilma voltou a defender a criação de um Estado palestino e saudou tanto a reaproximação dos Estados Unidos com Cuba quanto o acordo com o Teerã para limitar o programa nuclear iraniano.

redação)

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2015
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930