DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Um homem honrado

O discurso de Miguel Reale Jr, ao apresentar o pedido de impeachment contra Dilma Rousseff, tem de ser visto e revisto.

Está aqui:

DO PORTAL G1/O GLOBO

Por volta das 00h30 desta quinta, o subsecretário do Interior do Chile, Mahmud Aleuy, disse que há 5 mortos confirmados por causa do terremoto, que deixou ainda 1 milhão de pessoas evacuadas. “É o sexto terremoto mais forte da história do país”, afirmou.

“Estamos em um processo de continuar o monitoramento das regiões afetadas. É uma análise que está se completando”, disse mais cedo a presidente Michelle Bachelet. Segundo ela, o governo do Chile ainda está analisando se é preciso declarar estado de exceção.

A magnitude do tremor foi 8,3, segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) — o serviço sismológico chileno informou 8,4. Um alerta de tsunami foi emitido pelas autoridades para toda a região costeira. As autoridades locais determinaram a evacuação das áreas litorâneas, enquanto imagens de televisão mostravam sirenes de alerta ativadas. O terremoto de 2010, que deixou centenas de mortos no Chile, teve magnitude 8,8.
Chilenos ficam na rua após terremoto atingir Santiago nesta quarta (Foto: Pablo Sanhueza / Reuters)

A Marinha chilena disse que ondas de até 4,5 metros atingiram a cidade de Coquimbo após o tremor. O Peru, país vizinho, também emitiu alerta de tsunami nesta quarta. O Centro de Alerta de Tsunami do Pacífico (PTWC) afirma que ondas de até 3 metros podem chegar até a costa da Polinésia Francesa.

O tremor inicial foi às 19h54 (hora local, mesma de Brasília) e houve pelo menos 11 réplicas de tremores com magnitude maior que 4,4, de acordo com o serviço sismológico chileno. De acordo com o Centro Nacional de Sismologia da Universidad de Chile, o sismo teve seu epicentro localizado 36 quilômetros ao oeste da cidade de Canela e a 11 quilômetros de profundidade. O epicentro do tremor fica no mar, a 243 km de Santiago e a pouco mais de 10 km da costa.

No Brasil
O tremor foi sentido até em cidades brasileiras. Em Santa Maria (RS), por exemplo, pelo menos dois prédios foram desocupados por moradores. Os bombeiros de São Paulo também receberam cerca de 50 telefonemas com informações sobre tremores na região da Avenida Paulista, Vila Mariana e Tatuapé. Ainda houve relatos de tremores no litoral de São Paulo e no Vale do Paraíba .

DO EL PAIS

Afonso Benites

De Brasília

A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, se perfila para ocupar um dos cargos que já foram da atual mandatária brasileira, Dilma Rousseff (PT). Com a crise política e a reforma administrativa/ministerial que se aproxima, a senadora licenciada pelo PMDB do Estado de Tocantins (TO) tem se credenciado para virar a nova chefe da Casa Civil, em substituição a Aloizio Mercadante (PT), que assumiu a pasta ainda no primeiro mandato. A saída de Mercadante é dada como certa no meio político, uma vez que o ministro estaria sempre ligado a erros políticos cometidos pela presidenta. O mais recente diz respeito à divulgação do déficit das contas públicas de 2016. O atual ministro teria ajudado a convencer Rousseff a se posicionar contra Joaquim Levy, que defendia o superávit .

Assim, a bolsa de apostas em Brasília coloca Abreu como uma das favoritas para o cargo, o que tiraria a pasta do PT e daria espaço ao rebelde PMDB num dos ministérios mais importantes da Esplanada. O assunto ainda não está definido. Um outro candidato forte para suceder Mercadante seria o ministro da Defesa e petista histórico, Jaques Wagner. Correm por fora algum outro quadro do PMDB que seria indicado pelo vice-presidente Michel Temer e uma quarta alternativa, possível, mas menos provável, um estudioso que não está no meio político e serviria para tentar arrefecer o clima de bota-fora que toma conta da capital federal.

As especulações sobre a entrada de Abreu na Casa Civil ganharam força depois que ela cancelou sua participação numa comitiva de ministros do seu partido que acompanham desde segunda-feira o vice-presidente em viagem oficial para Rússia e Polônia. Há quem interprete que a sua ausência seria uma traição a Temer, que a apadrinhou no PMDB, ao optar por uma aproximação de Rousseff. Os rumores fizeram a ministra emitir um comunicado à imprensa para justificar que sua falta foi por motivos de saúde (um tratamento ortopédico) e que tem compromissos tanto com a presidenta quanto com o vice.

“Sou fiel, antes de tudo, ao meu país, e integro com lealdade e disciplina, o governo da presidente Dilma Rousseff – assim como o vice-presidente, que tenho na conta de aliado dedicado. Lamento versões que exploram circunstâncias para contaminar o ambiente político, absorvendo intrigas dos que estão empenhados em produzir a cizânia”, diz trecho da nota.

Na concorrência pelo cargo, a senadora ganhou força por ser uma das confidentes de Rousseff e uma das auxiliares que mais têm mostrado lealdade a ela nos últimos meses. Ao ser filiada ao PMDB, partido do qual o PT depende cada vez mais para manter o seu Governo evitando um impeachment presidencial, a escolha do seu nome cairia como uma luva para gerenciar o momento delicado de Rousseff. A nomeação de Abreu, contudo, ainda causa certa estranheza entre colegas de Senado, entre a bancada de deputados peemedebistas e, principalmente, entre movimentos sociais, que chegaram a conceder o prêmio “motosserra de ouro” para a senadora, por ser uma das principais representantes da tradicional e conservadora bancada ruralista brasileira.

Rousseff e Temer, nas pontas, durante o casamento de Kátia Abreu e Moisés Gomes, em fevereiro. / Divulgação

“Ela é muito reacionária. Somos a favor de tirar o Mercadante, mas colocá-la no cargo seria um retrocesso. Os petistas certamente se sentiriam traídos. Aqui no Senado ela não é bem vista. Muitos acham que ela só cresce no Governo porque é uma verdadeira puxa-saco”, apontou um senador do PT. “O atual ministério da Dilma não representa a bancada do PMDB da Câmara. Só a do Senado. Se ela quer apoio de deputados, tem de perguntar para nós quem seriam os bons quadros para nos representar. Trocar nomes, simplesmente, não garante nenhum apoio”, afirmou um deputado peemedebista.

O caminho de Abreu para ganhar a confiança de Rousseff começou a ser traçado de maneira, aparentemente, não calculada, quando ela ainda era uma senadora do DEM e uma das principais vozes de oposição ao Governo Lula (PT). O primeiro passo foi dado em 2009, quando Rousseff era ministra da Casa Civil e pré-candidata de Lula à sucessão presidencial. Na ocasião, a então ministra anunciou que estava com câncer e recebeu uma carta de solidariedade assinada por Abreu.

Dois anos depois, já eleita, Rousseff recebeu a ainda oposicionista em uma audiência em seu gabinete. O encontro era para tratar de demandas dos produtores rurais. Abreu, na ocasião, era a principal voz dos ruralistas como presidente da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), órgão do qual também está licenciada atualmente.

Em entrevista à Folha de S. Paulo, em 2013, a senadora conta que a presidenta, ao contrário de seu antecessor, a ouviu e deu prosseguimento a algumas das demandas. Foi o sinal que resultou na aproximação entre elas. A união foi selada neste ano com a escolha de Rousseff como sua madrinha de casamento e de Abreu como a ministra da Agricultura. Antes, porém, a senadora deixou o oposicionista DEM. Foi uma das fundadoras do PSD no Tocantins, e,, a pedido de Temer foi para o PMDB para concorrer à reeleição ao Senado. Quando foi indicada para a Agricultura, movimentos sociais chegaram a fazer um abaixo-assinado contra sua posse. Em vão.

Psicóloga de formação, nunca exerceu a profissão. Tornou-se produtora rural aos 25 anos, quando ficou viúva e herdou a fazenda do marido, morto em um acidente de avião em 1987. Abreu começou na política como presidente do sindicato rural da pequena cidade de Gurupi, de 75.000 habitantes, no sul do Tocantins. Alcançou novos postos sempre se vangloriando por ser a primeira mulher em cada cargo que ocupou: presidenta da Federação da Agricultura do Tocantins, presidenta da CNA, senadora de seu Estado e ministra da Agricultura. Caso seja a escolhida para ocupar a Casa Civil, porém, não será a precursora. Antes dela, outras três mulheres estiveram na função, a própria Rousseff, Erenice Guerra e Gleisi Hoffmann. Talvez seja a primeira mulher não ligada ao PT que ocupe o cargo.

Independentemente do tamanho das especulações, é praticamente consenso que Mercadante deve deixar a Casa Civil até o final do mês, quando o Governo encerra sua reforma administrativa. A cabeça dele tem sido pedida por vários setores e agentes políticos. Desde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), passando por militares, congressistas e chegando a empresários. As justificativas são as mais variadas para uma eventual troca, segundo seus detratores: não escuta a base aliada nem o empresariado, faz picuinhas internas, alimenta intrigas entre colegas e tem dificuldades em levar os problemas para a presidenta como realmente são. “Ele sempre dá uma versão mais leve das coisas para a presidenta”, relatou um deputado governista. A gota d’água, foi o pedido de abertura de inquérito contra Mercadante para investigar se ele estava envolvido no esquema desbaratado pela operação Lava Jato.

Nesta terça-feira, Rousseff confirmou que anunciará sua reforma ministerial no dia 30 de setembro, assim que retornar da viagem que fará para Nova York onde discursará na abertura dos debates da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas.

BOM DIA!!!

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

O problema é como taxar os ricos

O líder do PT na Assembleia Legislativa, Rosemberg Pinto, entende que “à sociedade não comporta mais pagar impostos individualmente” e deseja que “uma parcela da sociedade brasileira que possa arcar com as necessidades do Estado para garantir sua continuidade”.

A questão é que o governo federal acena com perspectivas que atingem em cheio toda a população, como a CPMF, um tributo inflacionário e cumulativo, que agora poderá se chamar “imposto do cartão”, e uma facada mais profunda no imposto de renda, que pega, em última instância, assalariados.

O partido do deputado, que está no 13º ano de poder no país, não consegue taxar grandes fortunas nem heranças, muito menos dar números decentes aos lucros do sistema bancário, cada vez mais altos em meio à crise da qual, obviamente, se beneficia.


FHC na livraria da Paulista:duros ataques a Lula e ao PT

DO EL PAIS

Na atual crise política, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) já escolheu um alvo com o qual se medir: seu arquirrival Luiz Inácio Lula da Silva. Em suas análises, ataca o mito petista, que no poder exasperava o tucano dizendo ter feito no país o que “nunca antes na história” fora tentado. Não foi diferente nesta quarta-feira diante de uma plateia lotada em uma livraria da avenida Paulista. FHC afirmou que os erros que levaram o Governo à atual situação não foram da presidenta Dilma Rousseff mas, sim, do ex-presidente Lula. “A Dilma é um acidente do Lulopetismo. O Lulopetismo é muito mais grave do que a Dilma”, ressaltou ele.

“Não foi ela quem errou, foi ele [Lula]. Primeiro que foi ele quem a escolheu. Segundo que foi no Governo dele que se começou a montar esse esquema todo”, complementou, em referência ao caso de corrupção na Petrobras investigado pela Operação Lava Jato. A fala foi feita durante o evento de lançamento de seu novo livro, uma coletânea de artigos políticos publicados por ele nos jornais O Estado de S. Paulo e O Globo, intitulado “A Miséria da Política – Crônicas do Lulopetismo e outros Escritos”, em que ele analisa o Governo petista, que o sucedeu na presidência em 2003. Fernando Henrique Cardoso também publica colunas no EL PAÍS.

O sociólogo, uma das vozes mais importantes da oposição, negou que os pedidos de impeachment sejam uma tentativa de dar um “golpe”, como já afirmaram o Partido dos Trabalhadores, Lula e a própria presidenta. “Não há golpe. Quem está sofrendo a crise não quer dar golpe, quer se livrar da crise.” Ele disse ainda ter se “decepcionado” com o ex-metalúrgico, que “deixou escapar a possibilidade de consolidar no país um novo tipo de política”. “Você está na presidência da República, tem que fazer nomeações que você não quer. Mas você mostra que não quer. O Lula dá a impressão de que está feliz ali, com os poderosos, com a riqueza. Ele foi capturado pela política tradicional brasileira. Ele tinha condições de quebrar essa política. Ao invés de quebrar, ele aderiu”, ressaltou.
Recados para o PSDB

Houve também espaços para enviar recados a seu próprio partido, cujas lideranças oscilam e divergem sobre a forma como devem lidar com a crise. Para ele, o país hoje sofre uma crise de liderança. Por isso, diz, a oposição precisa construir um discurso que transforme a “derrota” do PT na vitória da oposição. “A oposição, para ser vitoriosa, não basta a derrota de um, tem que ter a vitória de outro. Eu não sei quem vai ser capaz de ter um discurso que seja compatível com o momento. E esse discurso tem que juntar o social, com o econômico e o político”, disse ele, que ressaltou ainda que a oposição tem que assimilar a bandeira da inclusão social, numa convocatória às origens social-democratas do PSDB que na última década ficou associada ao petismo. “A oposição, se quiser ter uma nova narrativa, não pode se esquecer da inclusão. Por que aí ela vai cair no conto de: nós somos de um lado e vocês são do outro. Não, nós não somos de outro lado.”

set
17
Posted on 17-09-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-09-2015

primir Enviar por e-mail Enviar por e-mail
Iotti, no jornal Zero Hora (RS)

set
17
Posted on 17-09-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 17-09-2015

DO EL PAIS

As autoridades do Chile emitiram nesta quinta-feira um alerta de tsunami após registrar um terremoto de magnitude 8,4 na escala Richter, segundo informa o Centro Sismológico Nacional — os primeiros números divulgados davam conta de intensidade 7,2 e 7,7, mas o valor foi revisado para 8,4. O tremor sacudiu nesta quarta-feira a zona central do Chile sem que até agora se informasse a respeito de vítimas. Foram registrados, até agora, danos materiais menores. Já o Serviço Sismológico dos Estados Unidos (USGS) elevou a 7,9 graus a magnitude do terremoto.
mais informações

O sismo que teve uma duração aproximada de uns cinco minutos causou pânico. Pessoas que moram em edifícios correram para locais abertos. O terremoto coincidiu com a horário de pico de saída do trabalho, motivo pelo que a maioria dos escritórios estavam desocupados.

Nos edifícios mais altos, especialmente desenhados para enfrentar terremotos que no país são frequentes, o tremor foi fortemente sentido, quase ao nível do forte sismo de fevereiro de 2010, quando um tsunami arrasou uma parte do país e matou ao menos 700 pessoas. As linhas telefônicas estão colapsadas, ainda que pouco a pouco já começam a se normalizar, informa Rocío Montes de Santiago de Chile.

  • Arquivos

  • setembro 2015
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
     123456
    78910111213
    14151617181920
    21222324252627
    282930