A jornalista Aurora Vasconcelos, amiga do peito do Bahia em Pauta de longa data (e deste editor mais ainda), faz um mergulho profundo e bem humorado na alma humana dos usuários dos buzus na Cidade da Bahia, durante rápido trajeto “até o ponto” do Iguatemi.

Texto primoroso publicado no espaço de Aurora no Facebook.

BP reproduz para deleite de seus leitores, com uma anotação: Aí está a cronista que poderia matar a imensa saudade e o grande vazio deixados na imprensa da Bahia, desde a partida de Armando Oliveira. Vejam , por exemplo, a “dona Miúda” perfeita (personagem emblemática da mulher do povo de Salvador nos escritos de Armando) que Aurora descobriu sentada bem à sua frente no trajeto do ônibus soteropolitano.

Confira e Boa viagem!!!

(Vitor Hugo Soares)
=======================================================

CRÔNICA SOTEROPOLITANA

Figuras de buzus

Aurora Vasconcelos

Esta semana peguei um ônibus para o Iguatemi. Estava distraída. Uma senhora sentada na minha frente falava ao celular. Não prestei atenção no que dizia até que percebi olhares curioso e até desaprovadores para ela,que também percebeu.
Desligou o celular e defendeu-se dos olhares. “É meu marido. Estou com ele há quatro anos. É viúvo. Me ligou para dizer que está passando mal. Eu mandei ele chamar os filhos dele que não servem para nada. O homem está doente e não quer nada.Já arranjei todos os papéis prá ele fazer exame no Roberto Santos e ele não apareceu. Não foi uma vez só não. Agora diz que o xarope acabou. Como, se eu levei dois frascos?”

”Ah,diz imitando a voz do marido, a menina (a filha dele que mora na ilha, explica) tava tossindo e tomou”. “É? Então manda ela comprar. Agora, eu vou largar minha mãe e dois filhos doentes e me despencar para levar xarope prá ele? Eu não”.

O ônibus já tomava parte do imbróglio, alguns faziam perguntas, outros diziam que ela estava certa. Alguns riam. Ela também começou a achar graça da própria história. Negra, cabelo natural, curto, óculos, vestida com simplicidade, idade que podia ir dos 38 aos 50 anos, bem simpática.

Alguém perguntou sobre os filhos e ela respondeu que um tinha síndrome de down e o outro era hiperativo. Tinha um terceiro que felizmente não tinha problemas. ” Vivi com o pai deles 20 anos e ele sempre cuidou de mim. Agora, esse aí quer que eu fique cuidando dele”.

Outra pessoa perguntou se ela recebia auxilio do governo pelos filhos “. Só do mais velho”, ela respondeu já dando risada. “Imagine que a filha dele disse que nenhuma mulher ia substituir a mãe dela, como se eu quisesse substituir alguém. Só aparece lá, pega o dinheiro dele e some. E eu é que vou ter que levar xarope. Eu é que não vou largar minha mãe por causa dele”.

Saltei do ônibus pensando no jargão de uma colega “É, a vida não está fácil para ninguém”. Não está mesmo. Mas, pelo menos, ainda dá para rir.

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 25 agosto, 2015 at 14:03 #

Sensacional!!! Adorei!!!


Symona Gropper on 26 agosto, 2015 at 12:08 #

Delícia de texto, Aurora!


vitor on 26 agosto, 2015 at 16:26 #

Symona:

Comentário precioso. De uma mestra da melhor escola de texto do Jornal do Brasil. Chega mais. Grande abraço.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos