CRÔNICA/EVOCAÇÃO

No tempo dos vestidos de poas

Maria Aparecida Torneros

Acordo nesta sexta do meio de agosto do ano 15 do século XXI, com a sensação de que dentro de mim há um reencontro com aqueles velhos tempos em que eu usava vestidos de poas .

Isso. Bolinhas brancas em fundo vermelho era um de alto verão . Tomara que caia, debruns brancos. Óculos de armação gatinho, era a moda, geralmente de aros brancos. Mas recordo de um tubinho cor de vinho com bolinhas minúsculas branquinhas. Fui numa festa de aniversário da colega estudante de arquitetura na Tijuca. Eu era do subúrbio de Ramos. Aos 19 anos e saltos altos em camurça preta devo ter dançado a noite toda.

Havia a tomada de consciência dos porões da ditadura mas o apelo jovial era forte. Meu pai repetia : aproveite a mocidade. Ela só acontece uma vez.

Meu amor pelos poas permanece. Gosto das bolas brancas sobre tecidos pretos. E de fundos azuis.

Meu vestidinho de noiva em 74 no auge do movimento hippie, mandei fazer em organdi branco com bolinhas bordadas em amarelo.

Anos depois, como madrinha do casamento do meu irmão usei um azul clarinho com bolinhas brancas,esvoaçante com solideu branco e Rendinha no rosto.

Ah! O Sérgio Murilo cantava “era um biquíni de bolinha amarelinha, tão pequenininho mal cabia na Ana Maria”.

A paixão pelos poas continua. Tenho blusas, saias e vestidos com as suas presenças que me remetem ao século passado.

Verdade que adorava ver Lady Diana inglesa desfilando bolotas com seu sorriso triste e elegância blasé.

Pensei até em organizar festinha de aniversário com o tema.

Talvez seja mesmo a nostalgia da bendita juventude. Mas o fato é que uso lenços de bolinhas no pescoço muitas vezes. Ganhei alguns e adoro nos seus vários tons.

Para os homens aprecio o charme de gravatas com esta estampa. Tradicionais ou em borboleta. Poucos usam? Ora, questão de ousar nos detalhes.

A vida anda tão dura. Por que não tentar amolecer em trégua alegrinha?

Gatinhas e gatoes, usemos os poas quando nossos corações pedirem.

Essa moda é pra sempre. E alivia a tensão constante de um mundo tão violento. Tem bolinhas em festa de aniversario ?

Tô pensando. Saudades de momentos assim. Reunir gatinhas e gatões dançando a noite inteira sem parar. Que tal?

Cida Torneros é jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro. Editora do Blog da Mulher Necessária

BOM DIA!!!


Deputados comemoram aprovação da redução da maioridade. / Luis Macedo / Câmara

DO EL PAIS

Talita Bedinelli

De São Paulo

Às vésperas de ser denunciado pelo Ministério Público por corrupção e lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), continuou demonstrando habilidade para impor derrotas ao Governo Dilma Rousseff em plenário e conseguiu passar, em segundo turno, a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes graves. Foram 320 votos favoráveis à medida, 12 a mais que a maioria qualificada necessária para mudar o tema na Constituição e três a menos que na votação em primeiro turno, em 2 de julho. O proposta agora segue para o Senado, onde ainda deverá ser apreciada em duas sessões.

Na votação em primeiro turno, a aprovação foi assegurada após uma manobra de Cunha para reverter a votação ocorrida no dia anterior, em que a redução havia sido rejeitada. Ao excluir a redução para os crimes de tráfico de drogas, tortura, terrorismo e roubo qualificado, garantiu a aprovação para crimes hediondos, como latrocínio e estupro, e dolosos contra a vida, como homicídio e lesão corporal seguida de morte. Esse mesmo texto foi aprovado nesta quarta-feira.

No plenário, a base governista parecia confiante de que conseguiria derrubar a proposta. O PT chegou a orientar seus deputados a votarem contra o adiamento da discussão, como defendia o PSOL e o PCdoB. Para derrubar a lei, alguns líderes partidários argumentavam que a melhor solução seria a aprovação do PL 2517, originado em uma proposta do senador José Serra (PSDB), já aprovada no Senado, que modificaria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ele estabelece um Regime Especial de Atendimento, em que adolescentes que tenham cometido crimes hediondos possam ficar internados por até dez anos.

Os dois projetos, entretanto, enfrentam uma enorme resistência de defensores dos direitos humanos, que afirmam que a medida só servirá para punir jovens negros e pobres que, caso sejam colocados em presídios comuns, esses jovens poderão ser cooptados por facções criminosas e não terão chances de ressocialização. “Essa proposta de emenda viola os direitos das crianças e adolescentes e, se implementada, enfraquecerá os esforços para redução da criminalidade. Experiências internacionais mostram que julgar e condenar adolescentes no sistema de justiça comum apenas contribui para aumentar as chances de reincidência no crime, ameaçando a segurança pública”, ressaltou Maria Laura Canineu, diretora do escritório Brasil da Human Rights Watch, em uma nota, na noite desta quarta.

Em seu Twitter, Cunha justificou a votação citando um levantamento do instituto de pesquisa Vertude, que afirma que 83,9% dos brasileiros são favoráveis à redução da maioridade penal —segundo o Datafolha, 87% dos brasileiros são a favor da redução da idade penal. Para rebatê-lo, o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), afirmou no plenário que, sob esse argumento, a aprovação do financiamento privado de campanha não poderia ter acontecido, já que sete de cada dez brasileiros são contrários, segundo pesquisa Datafolha. A aprovação do financiamento também foi garantida por uma manobra de Cunha neste ano.
Estratégia

Ao colocar a redução da maioridade penal em pauta, Cunha ganha visibilidade e agrada a grande parcela da população a favor da mudança enquanto as investigações da Lava Jato fecham o cerco contra ele. Ele agrada também deputados da bancada da bala que o apoiaram na eleição e, de certa forma, impõe um desgaste ainda maior para a imagem do PT, que teve que vir à público defender sua rejeição a uma proposta de grande aceitação popular.

Citado nas investigações da Operação Lava Jato desde o começo do ano, Cunha costurou desde o final do ano passado apoio para se garantir na presidência da Câmara, que por um rodízio acordado entre os aliados PMDB e PT, deveria ser, nesta legislatura, do PT. Após sair vitorioso de uma eleição contra o deputado petista Arlindo Chinaglia, Cunha passou a articular uma série de pautas contrárias ao governo de Rousseff, que passam por questões econômicas e chegam a delicadas questões sociais.

Nos bastidores, Cunha é acusado de usar a presidência da Câmara para se vingar do Governo. Ele afirmou, em entrevista ao EL PAÍS em março deste ano, acreditar que foi envolvido nas investigações da Lava Jato por perseguição. “A Procuradoria escolheu a quem investigar (…) É uma tentativa clara de enfraquecer o Poder Legislativo. Não há dúvidas (…) [A tentativa] pode ser do Governo, propriamente dito, em atuação com a Procuradoria-geral da República. Acho que há um interesse de colocar todo mundo na mesma situação”.

ago
20
Posted on 20-08-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 20-08-2015


Nani, no portal de humor gráfico A Charge Online

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Nilo não se lembra de compromisso sobre urgência

O presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo, disse ao deputado Sandro Régis, líder da oposição, que não se lembra de ter assumido o compromisso de não levar ao plenário projetos polêmicos do Executivo, para votação em regime de urgência, sem que tenham sido discutidos nas comissões técnicas.

“Vossa excelência está dizendo que informei. Não me lembro. Vou ver o que disse. Pode ter certeza de que cumprirei, mas dentro do Regimento da Casa” afirmou Nilo, que ainda pediu a Régis que o ajudasse, sugerindo que a “brilhante assessoria” do líder da oposição descobrisse a declaração para lhe apresentar.

Como havia prometido, Régis, preocupado com cinco projetos encaminhados pelo governo, cobrou, da tribuna, as palavras do presidente, ditas numa das sessões de encerramento do semestre legislativo, em julho. E provocou: “Como vossa excelência tem como característica honrar o que diz, sei que esses projetos tramitarão nas comissões”.

  • Arquivos