Imortal, Nora Ney. Bravo!!!

BOA TARDE!!!

(Vitor Hugo Soares)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Alô, Lula. Alô, Andrés Sanchez. Alô, Coringão.

A Odebrecht, neste momento, está sendo vasculhada pela PF. Não se trata da Lava Jato, e sim de uma nova operação, chamada Fair Play, que apura suspeitas de superfaturamento na construção de estádios da Copa do Mundo…

Sanchez, Lula, Odebrecht

Tabelinha Dilma – Eduardo Campos

A Arena Pernambuco, que está sendo investigada pela PF, custou 743 milhões de reais, um valor 55% acima do contrato original.

No acordo da licitação, a obra foi orçada em 479 milhões de reais. A antecipação da obra em oito meses, a pedido do governador do Estado Eduardo Campos, gerou uma revisão no contrato com a Odebrecht, com os chamados “aditivos”.

ago
14


Complexo da Ford em Camaçari

DO G1/ O GLOBO

A Ford suspendeu temporariamente a produção nas fábricas de carros e de motores no Polo Industrial de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, de acordo com as informações obtidas nesta quinta-feira (13) pelo G1.

Com isso, cerca de 3.500 trabalhadores do setor operacional estão de folga e só voltam ao trabalho na segunda-feira (17). Segundo a empresa, a medida foi tomada para ajustar o ritmo de produção à demanda do mercado.

A linha de carros está parada desde a última quarta-feira (12) e fica assim até esta sexta-feira (14). A interrupção da produção de motores começou na segunda-feira (10) e também dura até sexta.

A fábrica produz os veículos Ford Ka e Ka+ (sedã), e também o EcoSport. Além disso, a unidade fabrica ainda o motor 1.0 que abastece o Ford Ka.

A Ford já tinha dado uma férias coletivas no meio do ano, que durou 10 dias, entre 25 de maio e 3 de junho.

Queda nas vendas

A venda de veículos no Brasil teve queda de 22,78% em julho, ao comparar com o mesmo mês do ano passado, informou a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) no início de agosto. De acordo com a entidade, foram 227.621 automóveis, comerciais leves, ônibus e caminhões emplacados no mês, enquanto julho de 2014 chegou a 294.757 unidades.

Na comparação julho com junho, houve aumento de 7,10% nos emplacamentos, já que no mês passado foram registradas 212.522 unidades. No entanto, o acumulado mostra queda de 21% nos sete primeiros meses de 2015. Foram 1.546.587 unidades vendidas, contra 1.957.594 veículos no mesmo período de 2014.

O cenário de queda segue após o fechamento do 1º semestre de 2015 como o pior desde 2007. Com o resultado, a Fenabrave piorou as projeções para o ano.

Em janeiro, a expectativa era de 10% de queda nas vendas sobre 2014. Em maio, foi revisada para 18,9% e agora passa para 23,9%, estimando um total de 2.662.857 veículos emplacados, 834 mil a menos do que no ano passado. Para automóveis e comerciais leves (furgões e picapes), a baixa prevista é de 23%, totalizando 2.563.126.
saiba mais

Venda de veículos cai 22,8% em julho ante 2014, diz Fenabrave
Vendas de veículos caem 20,7% no 1º semestre, diz Fenabrave

DEU NO PORTAL TERRA BRASIL

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu início nesta quinta-feira, 13, ao julgamento de um recurso apresentado pelo PSDB contra decisão da ministra Maria Thereza de Assis Moura, que havia rejeitado uma ação que pedia a impugnação do mandato da presidente Dilma Rousseff à Corte eleitoral. O caso foi retomado nesta manhã após pedido de vista feito pelo ministro Gilmar Mendes em março. A sessão, no entanto, foi encerrada em seguida após pedido de vistas de Luiz Fux.

Os ministros Gilmar Mendes e Luiz Fux haviam indicado um voto pela aceitação do recurso. O presidente do Tribunal, ministro Dias Toffoli, não participou do julgamento, alegando que tinha compromisso agendado com parlamentares.

Mendes deu início à análise do caso fazendo um duro voto pela aceitação do recurso. O ministro aproveitou o julgamento para dirigir críticas à relatora do caso, ministra Maria Thereza de Assis Moura, que havia decidido pelo arquivamento do processo. Em seu voto, Gilmar disse que a ministra rejeitou o recurso apresentado pelo PSDB “sem instruir o processo, sem, portanto, sequer citar os investigados”, argumentou.

Em tom de crítica, ele disse que a ministra “daria uma brilhante contribuição ao Brasil esclarecendo esse fenômeno. Corrupção na Petrobrás resulta em lavagem de dinheiro nas doações eleitorais, veja, isso precisa ser esclarecido. Se não com efeito prático, para a história desse país”, disse.
Para justificar a demora em devolver o processo ao Plenário do TSE, Mendes disse que levou cinco meses porque “a toda hora tinha que fazer atualizações” no caso devido à evolução da Lava Jato. “A cada nova operação, há fatos conexos aqui”, argumentou. “Puxa-se uma pena e vem uma galinha na Lava Jato.”

Quanto às investigações sobre o esquema que desviou recursos da Petrobrás, disse que “não se cuida em transportar para o Tribunal Superior Eleitoral análise de todos os fatos apurados na Operação Lava Jato”, mas “busca-se tão somente verificar se, de fato, recursos provenientes de corrupção na Petrobrás foram ou não repassados para a campanha presidencial”, argumentou. Gilmar citou então os depoimentos prestados por três delatores da Lava Jato: o ex-diretor de Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, o doleiro Alberto Youssef e o empreiteiro e dono da UTC, Ricardo Pessoa.

Ao citar os desvios de 3% dos contratos da Petrobrás para o esquema que envolvia empreiteiras e políticos, Gilmar disse que “não é difícil adivinhar que parte desses recursos pode ter vindo para a campanha. As triangulações têm sido reveladas e isso precisa ser no mínimo investigado”, argumentou.

O ministro disse ainda que a Justiça eleitoral “não pode ficar indiferente a esse tipo de exame ou liminarmente indeferir um pedido de busca esclarecer. Não se trata de cassar mandato aqui, mas de ver o que ocorreu”, argumentou. O magistrado pediu ainda que Ricardo Pessoa seja ouvido para esclarecer o caso. “Imagine que se possa demonstrar a partir desse depoimento que esse senhor Ricardo Pessoa, que os R$ 7 milhões que sua empresa doou foram claramente fruto de propina?”, disse.

Além disso, o ministro citou a prisão de José Dirceu, na semana passada, dizendo que, ao fundamentar a detenção dele, o juiz Sérgio Moro falou em “lavagem de dinheiro”. Com isso, Gilmar afirma que o argumento apresentado pelo PSDB, acompanhado de “mínimo suporte probatório pode, sim, qualificar-se como abuso de poder econômico, o que, a meu ver, justifica a necessária instrução do feito, em busca da verdade dos fatos, respeitando as garantias do contraditório e da ampla defesa”, disse.

Já o ministro Luiz Fux elogiou o voto de Gilmar Mendes e disse que talvez tivesse votado diferente no ano passado, quando o Tribunal aprovou as contas de campanha de Dilma, devido ao aparecimento de novos fatos envolvendo a Lava Jato. “Se muitos de nós soubessem o que sabemos agora, nem teríamos acompanhado o relator que aprovou as contas com ressalvas”, disse.

O caso foi proposto pela Coligação Muda Brasil, pela qual o senador Aécio Neves (PSDB-MG) concorreu às eleições presidenciais no ano passado. O partido argumenta na ação que houve abuso de poder político na campanha de Dilma, com convocação de rede nacional de rádio e televisão, manipulação na divulgação de indicadores sociais, uso indevido de prédios e equipamentos públicos para atos próprios de campanha e veiculação de propaganda institucional em período proibido. Além disso, o PSDB aponta a existência de suposto abuso de poder econômico com realização de gastos de campanha acima do valor limite, financiamento de campanha com doações oficiais “contratadas pela Petrobrás como parte da distribuição de propinas”, entre outros.



BOM DIA!!!

DEU NO POR ESCRITO(BLOG DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Eserval não quer papo

Não é surpresa a reação do desembargador Eserval Rocha, presidente do Tribunal de Justiça, de cancelar a inauguração do Juizado Especial de Alagoinhas ao deparar-se no local com uma manifestação de servidores em reivindicação.

Nesta mesma semana, duas revelações elucidativas. Primeiro, o presidente da OAB-Bahia, Luiz Viana Queiroz, disse que o desembargador “tem um diálogo muito difícil” com a entidade, recusando-se a tratar de medidas que acelerariam a prestação jurisidicional no Estado.

No dia seguinte, a juíza Marielza Brandão, presidente da Amab, declarou que Eserval “não reconhece a associação” e que, igualmente, tem propostas para melhorar o desempenho do Judiciário. “Os magistrados não são os culpados pela crise. Como os advogados, nós também estamos sufocados”.

Além de lamentável, é apavorante ver o titular de uma instância institucional da mais alta responsabilidade colocar-se acima do mundo e dos indivíduos, obedecendo mais a um repuxo da personalidade do que à serenidade como elemento básico de quem quer fazer justiça.

ago
14

DEU NO EL PAIS

Gil Alessi

De São Paulo

Em mais uma fase da Operação Lava Jato, a Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira o ex-vereador petista de Americana Alexandre Correa de Oliveira. Ele seria o operador de um esquema de arrecadação ilícita envolvendo 50 milhões de reais em contratos de crédito consignado junto ao Ministério do Planejamento. De acordo com o Ministério Público Federal, o crime foi praticado até julho, o que foi considerado pelos procuradores uma “audácia” por parte dos suspeitos, que continuaram agindo mais de um ano após o início da operação.
mais informações

O suposto envolvimento de Oliveira foi descoberto durante a 17a fase da operação, a Pixuleco —termo usado pelo empreiteiro Ricardo Pessoa para designar propina— , desencadeada no início de agosto e que terminou com a prisão de José Dirceu, seu irmão, Luiz Eduardo de Oliveira e Silva, e outras cinco pessoas. O ex-vereador foi citado por sócios da Consist, também detidos. O presidente da empresa, Pablo Kipermist, afirmou à PF que emitiu várias notas fiscais em nome de companhias de fachada de Oliveira referentes a serviços que jamais foram prestados. O empresário chegou a ser detido, mas foi liberado ontem.

A Polícia Federal não informou o nome do funcionário da pasta do Planejamento que participava do esquema junto com o ex-vereador, e disse apenas que ele já faleceu e que foram identificados pagamentos feitos à sua viúva, cujo nome também não foi divulgado. Segundo os investigadores, os repasses de dinheiro do esquema eram feitos a companhias indicadas por intermediários ligados ao PT, com o uso de empresas de fachada. Uma delas era a Jamp, do delator Milton Pascowitch, que disse ter feito remessas de dinheiro também para o ex-tesoureiro petista João Vaccari. Foram cumpridos também 10 mandados de busca e apreensão em Brasília, Porto Alegre, São Paulo e Curitiba. Uma das empresas que foi alvo dos agentes foi a JD2 Consultoria, de Dirceu.

“Com certeza esse esquema acontece em outros setores que ainda não foram identificados”, disse em entrevista coletiva o delegado Márcio Adriano Anselmo. Segundo ele, a Lava Jato pode estar “diante de um novo modelo” de desvio de dinheiro e pagamento de propinas.

Em depoimento à Polícia Federal, o irmão de José Dirceu disse que entre 2012 e 2013 recebeu 30.000 reais mensais da empresa Jamp, de propriedade do lobista Milton Pascowitch, a título de “ajuda para despesas variadas”. Foi um pagamento espontâneo, segundo seu depoimento, e que na prática seriam descontadas das pendências financeiras entre a Jamp e a JD.

O Ministério do Planejamento divulgou nota anunciando “a rescisão em 30 dias do Acordo de Cooperação Técnica (…) assinado pela então Secretaria de Recursos Humanos com o Sindicato Nacional das Entidades Abertas de Previdência Complementar e a Associação Brasileira de Bancos”. A pasta informou também que foi aberta uma sindicância para investigar “possíveis irregularidades”.

ago
14
Posted on 14-08-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 14-08-2015


Genildo, no portal de humor gráfico A Charge Online


Sarah Ferguson perdeu 25 quilos:”sucos naturais”

DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS (LISBOA)

Sarah Ferguson, a polêmica duquesa de York, ex-mulher do príncipe britânico Andrew está promovendo máquinas para fazer sucos num canal de televisão norte-americano, com grande sucesso.

Depois de ter travado uma dura batalha contra o peso, que resultou numa perda de 25 quilos, Sarah Ferguson rendeu-se aos sucos naturais, que afirma terem sido uma ajuda preciosa quando decidiu adotar um estilo de vida mais saudável. A duquesa de York ficou tão fascinada ao ponto de se ter tornado promotora de liquidificadores no canal de televendas norte-americano QVC.

A ex-mulher do príncipe Andrew, de 55 anos, chegou a pesar 86 quilos, mas conseguiu baixar para os 61 em menos de um ano. O segredo da sua boa forma são precisamente os sucos naturais, que a própria faz todos os dias numa máquina idêntica aquela que está a promover e que está com um custo promocional de 59.97 dólares, cerca de 54 euros.

Numa conversa com dois apresentadores do canal QVC, Sarah Ferguson revelou que o excesso de peso faz parte de um passado que deixou muita mágoa. “Nunca mais serei a Duchess of Pork [trocadilho entre a palavra York e Pork, que significa carne de porco], ou a Fergie gorda e maltrapilha. [Essas alcunhas] Deixaram-me destroçada”, confessou.

  • Arquivos