DO EL PAIS

ARTIGO

VENDEM-SE MILAGRES!

Luiz Ruffato

Em agosto, a Câmara dos Deputados vota, em segundo turno, a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos, projeto imposto pelo presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), como solução para a violência urbana no país. Cunha, com sua estreita visão populista, consegue mobilizar a parte da população que acredita poder resolver profundos problemas estruturais com rasas ideias salvacionistas. O que ele oferece ao Brasil são milagres – e quem busca milagres são aqueles que já perderam toda a esperança.

A questão é que aqueles que perderam a esperança não pensam racionalmente, mas agem por impulso na crença em algo improvável. É assim que crescem as seitas fundamentalistas, é assim que surgem as lideranças messiânicas. Uma sociedade desencantada é um organismo refém de aventureiros. Já vivenciamos situação semelhante em tempos recentes, quando, em 1990, com o país destruído pelos militares e pela gestão desastrosa de José Sarney, entregamos a Presidência da República a Fernando Collor de Melo, um político obscuro que transformou a administração pública num balcão de negócios.

Aquele conturbado período de desmandos provocou um sério desvio de conduta na jovem democracia brasileira. Se num primeiro momento pensamos que a operação que forçou Collor a renunciar extirpara de vez o tumor da corrupção, logo o vimos ressurgir, agressivo e devastador, alastrando por todos os setores da sociedade e atingindo até mesmo políticos e partidos que julgávamos imunes à doença, como o PSDB de Fernando Henrique Cardoso e o PT de Luiz Inácio Lula da Silva. Hoje, as metástases desse câncer colocam em risco a própria sobrevivência da nossa democracia.

Aceitar que Eduardo Cunha paute as demandas da sociedade com seu catálogo de ideias retrógradas é admitir melancolicamente que já não alimentamos sonhos de um futuro melhor. Cunha, que surgiu para a política pelas mãos do então tesoureiro de Collor, Paulo Cesar Faria, de funesta memória, possui extensa ficha corrida na Justiça, incluindo citação no processo da Operação Lava Jato. Seu discurso oportunista viceja entre os despossuídos sociais, os desamparados ideológicos, os fracos de vontade, os ignorantes.

A primeira e necessária condição para tentar resolver um problema é aceitar que temos um problema. Nossa sociedade, individualista e narcisista, embora perceba que algo não vai bem no seu entorno, prefere responsabilizar o próximo pelas mazelas e aguardar de braços cruzados soluções mágicas. A violência urbana não é enfermidade, mas sintoma. A inacreditável taxa de homicídios – 29 assassinatos a cada 100 mil habitantes, a 11º do ranking mundial – tem que ser compreendida de maneira ampla. São várias as suas causas: o tráfico de drogas, a desigualdade social, a disseminação de armas de fogo, o álcool, a corrupção, a educação de péssima qualidade, o desemprego, a impunidade, a aceitação pela população da ruptura jurídica (chacinas, execuções sumárias, tortura), a desestruturação dos núcleos familiares, o racismo, o machismo, a homofobia, o desrespeito aos direitos básicos dos cidadãos.

Chega a ser patético pensar que a maior parte da população acredita – pois trata-se de questão de fé – que a diminuição da maioridade penal de 18 para 16 anos significará um passo adiante no enfrentamento do complexo tema da violência urbana. Enquanto nos mantemos alienados, recusando a assumir nossa cota de responsabilidade, delegamos a solução do problema a curandeiros, que oferecem milagres a baixo custo. O ponto é que, atuando assim, nos tornamos dependentes de ações complementares, e o curandeiro ganhará mais e mais espaço em nossa vida. Vivemos numa democracia, imperfeita, mas em curso. Resta saber o queremos legar aos nossos descendentes. Podemos pensar grande e nos orgulharmos de deixar para eles um país mais decente, mais justo, mais solidário. E podemos assumir nossa mediocridade, acatando as promessas que o camelô espiritual da esquina nos oferece.

Be Sociable, Share!

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 17 julho, 2015 at 0:54 #

Uma imagem vale por mil palavras, dizem.

Estranho, olhei com atenção a foto de Eduardo Cunha na postagem e veio uma lembrança de muito tempo. De um personagem de programa humorístico que usava o bordão: “Eu não sou maluco!”

Mas acho que a lembrança não teve nada a ver com os olhos do presidente da Câmara dos Deputados. Ou teve?

Mas, afinal, o Cunha é um fundamentalista ou um oportunista?

“Responda quem souber.” (Créditos para Vitor Hugo Soares, o editor do Bahia em Pauta)


luis augusto on 17 julho, 2015 at 6:45 #

Acredito que as duas coisas e mais outras.

Quanto ao humorista, era o inesquecível Francisco Milani. que dizia: “O que é que está me olhando? Eu sou normal!”


luiz alfredo motta fontana on 17 julho, 2015 at 17:21 #

Meus caros

Cunha traz à lembrança a dupla Faísca e Fumaça, aqueles corvos animados, com caráter duvidoso, que povoavam as matinées, sempre envolvidos em planos mirabolantes.


luis augusto on 17 julho, 2015 at 18:08 #

Aqueles espiões de Spy x Spy, da MAD, também não são corvos?


Taciano Lemos de Carvalho on 17 julho, 2015 at 18:54 #

Mas ele parece mais é com o Corvo, Carlos Lacerda.


luiz alfredo motta fontana on 17 julho, 2015 at 19:33 #

Seja lá qual for o corvo de referência, Cunha o representa em cada ato.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos