DEU NO BLOG O ANTAGONISTA ( DOS JORNALISTAS MARIO SABINO E DIOGO MAINARDI)

Os bastidores de Lindbergh

Lindbergh Farias acusou o PSDB de negociar com o PMDB uma operação para melar a Lava Jato.

Ele disse, segundo Lauro Jardim:

“Nos bastidores aqui em Brasília, comenta-se que os tucanos têm dito a setores do PMDB que falta controle, falta capacidade política do governo para lidar com o Ministério Público e com a Justiça Federal. Ou seja: publicamente, o PSDB defende o Sérgio Moro, mas nos bastidores usam a Lava Jato como moeda de troca”.

Lindbergh Farias foi denunciado ao procurador-Geral da República por ter pedido 2 milhões de reais em propinas a Paulo Roberto Costa.

O Antagonista desconfia do PSDB, mas desconfia ainda mais de Lindbergh Farias. Ele sempre será o primeiro da fila a apoiar qualquer iniciativa para melar a Lava Jato.

BOA TARDE!!!


Dilma chega a UFÁ para reunião dos BRICS

DEU NO G1

A presidente Dilma Rousseff chegou nesta quarta-feira (8) a Ufá, na Rússia, para participar da VII Cúpula do Brics, grupo de países emergentes composto pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, o objetivo central da cúpula é “aprofundar o diálogo” entre os países que compõem o grupo e “avançar” na cooperação financeira.

O último encontro entre os presidentes do Brics ocorreu em novembro do ano passado em Brisbane, na Austrália, em meio à reunião do G20, formado pelas 20 principais economias do mundo.

A mais recente cúpula do Brics, entretanto, ocorreu em julho do ano passado, logo após o encerramento da Copa do Mundo, e foi dividida em duas etapas. Na ocasião, os presidentes dos cinco países se reuniram em Fortaleza (CE), onde formalizaram a criação do Banco do Brics, voltado para investimentos em infraestrutura, e, em Brasília.

Conforme a agenda da presidente, divulgada pela Secretaria de Comunicação Social, Dilma participará ainda nesta quarta de jantar oferecido pelo presidente russo Vladimir Putin aos demais chefes de Estado e de governo dos países Brics: Narendra Modi (Índia), Xi Jinping (China) e Jacob Zuma (África do Sul).

A programação oficial da cúpula começa nesta quinta (9). De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, os líderes dos países Brics participarão da cerimônia de encerramento do encontro do Conselho Empresarial do grupo, terão reunião de trabalho e discursarão na sessão plenária.

Itália
Após cumprir agenda na Rússia, a presidente Dilma seguirá para a Itália, onde se reunirá com o primeiro-ministro do país, Matteo Renzi, em Roma. Ela também viajará à Milão para visitar expositores brasileiros na Expo Milão.

BOM DIA!!!


DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

OPINIÃO

Atentado à imprensa na agressão a jornalista

Praticamente todos os deputados estaduais, por discursos, notas à imprensa e entrevistas, repudiaram com veemência a agressão que policiais militares praticaram contra o jornalista Marivaldo Filho, do site Bocão News.

Entre dezenas de manifestações, houve um parlamentar que, da tribuna, disse ter telefonado ao jornalista para prestar solidariedade, outro relatou os anos de convivência que tiveram na área política.

Pelo desinteresse com que, em geral, as violências cometidas pela Polícia Militar são tratadas na Assembleia Legislativa, no máximo despertando o protesto de parlamentares mais diretamente ligados à ocorrência, vê-se o motivo de tanta “indignação”.

O jornalista encontrou todo respaldo porque milita num veículo de grande penetração, associado, como se sabe, a um radialista detentor de generosos espaços em emissoras baianas. A sociedade espera reação semelhante também quando as vítimas forem anônimas.

O que diferencia a arbitrariedade contra o jornalista Marivaldo Filho de outras – e isso os deputados não disseram – é o fato de que ele a sofreu quando exercia legitimamente sua profissão, filmando uma ação policial violenta.

Mas, se não tivesse sido ele a vítima, para tristeza dos que sonham com uma sociedade democrática, provavelmente denunciaria a agressão a um “cidadão comum” que não teria a menor consequência.

Os infiltrados de sempre

Outro bordão bastante repetido pelos parlamentares que trataram do assunto foi a afirmação de que “os policiais não representam a Polícia Militar”.

Ora, isso é conversa tão fiada quando o tal “choveu em algumas horas o que era esperado para o mês inteiro”, quando as casas despencam e a cidade é inundada.

Os policiais são treinados pela PM, vestem a farda da PM, usam armas da PM e estão na folha de pagamento da PM.

Precisará o cidadão, na presença de um PM, identificar se ele é legítimo ou não? E quantos, em episódios anteriores, também “não representavam a corporação” e dela continuam fazendo parte?

O laudo é que vai dizer

Justamente pelo clamor que se formou em torno, é possível que os policiais acusados sejam punidos, até com expulsão, embora, com os métodos modernos de perícia hoje disponíveis, não cause surpresa se ficar provada a inocência de todos.


O Papa, em sua visita a Quito.
/ A. BIANCHI (REUTERS)

DO EL PAIS

PABLO ORDAZ

(ENVIADO ESPECIAL) Quito 7 JUL 2015 – 20:38 BRT

O papa Francisco aproveitou a celebração de sua segunda missa no Equador no parque do Bicentenário –construído sobre o antigo aeroporto de Quito– para unir o velho grito de independência com o da evangelização, que, “com a mesma urgência” a Igreja precisa empreender. Segundo Jorge Mario Bergoglio, os cristãos não podem se fazer de “distraídos” em meio a “um mundo dilacerado pelas guerras e a violência”. Diante de mais de um milhão de pessoas, o papa clamou: “Evangelizar é nossa revolução. Nossa fé sempre é revolucionária. Esse é o nosso mais profundo e constante grito”.

Tão logo iniciou a homilia, Francisco pronunciou uma frase que entusiasmou os presentes, entre os quais estava o presidente do Equador, Rafael Correa: “Este [o da independência] foi um grito nascido da consciência da falta de liberdades, de estar sendo espremidos e saqueados, submetidos a conveniências circunstanciais dos poderosos de turno”. A partir daí, Bergoglio articulou um discurso que incluiu o principal ingrediente da casa: estender ao restante da humanidade sua mensagem aos cristãos.

O Papa, que na segunda-feira professou missa em Guayaquil e depois visitou Correa à tarde no palácio do Governo e saudou os fiéis congregados diante da catedral de Quito, construiu uma hábil homilia que, sem sair do canônico, também era um chamado à revolução pacífica. “A aquele grito de liberdade proferido há pouco mais de 200 anos”, disse Bergoglio”, “não faltou convicção nem força, mas a história nos conta que só foi contundente quando deixou de lado os personalismos, o afã de lideranças únicas, a falta de compreensão de outros processos libertários com características distintas, mas nem por isso antagônicos”.

Discurso subversivo

E talvez por isso mesmo –pela força que chega a ele dos milhões de pessoas que já reuniu no primeiro dos três países latino-americanos que visitará até domingo–, Bergoglio insiste na ideia de um cristianismo que não se mova pelo medo do inferno, mas pela alegria de compartilhar os ensinamentos de Cristo ao restante da população.

“Nós também”, explica”, “constatamos todos os dias que vivemos em um mundo dilacerado pelas guerras e a violência. Seria superficial pensar que a divisão e o ódio afetam somente as tensões entre os países e os grupos sociais”. Segundo o Papa, eles são a consequência de um “individualismo difuso” provocado pela ausência de Deus. Como voltou a repetir em Quito, sua receita de evangelização não é excludente: “A imensa riqueza do que é variado, do múltiplo que a unidade alcança cada vez que trazemos à memória aquela quinta-feira santa, nos distancia da tentação de propostas mais próximas a ditaduras, ideologias ou sectarismos. Não é tampouco um arranjo feito à nossa medida, no qual nós impomos as condições, escolhemos os integrantes e excluímos os demais”.

jul
08
Posted on 08-07-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-07-2015


Sinfrônio, no Diário do Nordeste (CE)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

O ministro Celso de Mello suspendeu as acareações de Pedro Barusco na CPI da Petrobras. Ele aceitou o relatório médico dos advogados do ex-gerente da empresa, que alegaram que o seu estado de saúde é frágil em decorrência de um câncer ósseo.

  • Arquivos