Nelson Mota: MPB para rir e pensar
Maria Aparecida Torneros
Já passava da meia noite deste sábado, 4 de julho, quando no jornal da Globo, Nelson Mota apresentou sua crônica sobre o bom humor na música brasileira.

Rica de pesquisa e de imagens de época, a fala do expert Nelsinho abordou desde o primeiro samba gravado “pelo telefone”, passando pelas gozacoes sociais do genial Noel Rosa, chegando à alegria juvenil dos Mamonas assassinas.

Quando o próprio chefe da polícia, pelo telefone, manda avisar que na Carioca tem uma roleta para se jogar, o bom humor e a crítica apontaram o caminho possível na arte de compor e cantar, rindo de si mesmo e dos dramas da vida.

Com Noel, ele lembrou seus temas recorrentes, o célebre Palpite infeliz. Mostrou Carmen Miranda que interpretava letras engraçadas feitas especialmente para ela.

Atravessando o tempo, o cronista, que tem faro e sabe das coisas, lembrou que “a gente somos inutil” virou hino da campanha das Diretas Já.

Nelson homenageou o hilário Bezerra da Silva, imbatível na certeza de provocar em nós, risadas e mais risadas.

Claro que não faltou a menção do satírico Juca Chaves, que batizou Juscelino como presidente Bossa Nova, e sempre compôs suas músicas inteligentes brincando com os governos e a política.

Chico Buarque, no tempo da ditadura militar, era um brincalhão que driblava a censura e sua obra tem um lado engraçado independente.

A crônica do Nelsinho indicou que o espírito bem humorado na música popular ajuda e muito. A imagem do Chico cantando chame o ladrão ” tem tudo a ver com o momento. Afinal, ninguém é de ferro e em época de crise, chamemos a alegria de viver, rindo, porque rir ainda é o melhor remédio, e pra completar:tristeza não paga dívidas. Valeu, Nelsinho!

Cida Torneros é jornalista e escritora. Mora no Rio de Janeiro, onde edita o Blog da Cida

Be Sociable, Share!

Comentários

Cida Toneros on 8 julho, 2015 at 2:33 #

Não esqueça a escova, o sabonete e o violão!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos