jun
22
Postado em 22-06-2015
Arquivado em (Artigos) por vitor em 22-06-2015 00:27

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Surpresa: Datafolha fez pesquisa para presidente

Causa grande surpresa ao país a pesquisa Datafolha sobre as próximas eleições presidenciais.

Não propriamente pelos números, que nada representam, pois até do mais acreditado instituto seria razoável duvidar, ao menos pela possibilidade de erro técnico.

Mas, admitindo que fossem verdadeiros, teriam interpretações lógicas. Aécio com 35% seria o recall da última candidatura, associado ao momento difícil que vive o governo.

O ex-presidente Lula viria em segundo, com 25%, porque, afinal, mesmo bombardeado, ainda é o nome mais conhecido do país e tem, como dizem os espanhóis, “milho velho no canastro”

Marina Silva, com 18%, encarna a coadjuvante, como já foi o próprio Lula, em várias ocasiões, até que conseguiu o papel principal. “É o índice cristalizado que ela tem desde a primeira eleição”, dirão os analistas.

Números, portanto, pouco querem dizer nessa pesquisa. O que nela surpreende, mesmo, é o fato de ter sido realizada.

Possivelmente é a primeira pesquisa desse tipo feita na metade do primeiro ano de um mandato presidencial, período muito mais apropriado à avaliação de governos.

Be Sociable, Share!

Comentários

Taciano Lemos de Carvalho on 22 junho, 2015 at 8:55 #

Enquanto o jogo está embolado entre os iguais tucanos e petistas, o povo continua sendo enrolado. Ele, embolados. Nós, enrolados.


Taciano Lemos de Carvalho on 22 junho, 2015 at 8:55 #

Corrigindo: Eles, embolados. Nós, enrolados.


luis augusto on 22 junho, 2015 at 15:36 #

Caro Taciano, em primeiro lugar, agradeço o carinho de suas palavras sobre a matéria Odebrecht.

Apesar de não nos termos visto nos últimos 40 anos, a não ser naquele dia triste de pouco mais de um ano, guardo sua imagem de repórter da TB com carinho, ao lado de Ivan, quando eu também estava no início da carreira.

Neste presente texto, sobre a pesquisa, é muito esquisito. Dá a impressão de que está em curso o processo do impeachment, mas não tive ousadia de escrever isso, o que só digo aqui, entre nós, em caráter restrito.

Aproveitando a oportunidade, o que já deveria ter feito antes, agradeço também o comentário do poeta Fontana naquela matéria anterior, que traduz sua antenagem natural com a realidade.


luiz alfredo motta fontana on 22 junho, 2015 at 16:55 #

Caro Luís Augusto

Não agradeça, comentários são esta forma canhestra de pensar alto, por vezes erraticamente, muitas vezes colidindo, outras só estorvando, embora sempre reconhecendo o tino e o brilho do autor.

Agora cá entre nós, esta pesquisa não é precoce, pelo simples fenômeno, ensinado por Ulisses, em política não existe espaço vazio, Dilma não governa, outros se habilitam.

Lamentável, contudo, de causar espinhela caída em jovens normalistas, caso ainda existissem, é o rol dos possíveis candidatos, essa repetição enfadonha dos que postulam na certeza de produzirem caso eleitos, o mais do mesmo. O exemplarmente igual em se tratando de desprezo aos anseios da nação.


Taciano Lemos de Carvalho on 22 junho, 2015 at 17:30 #

Luís Augusto,
Sucesso pra você. E sucesso também para o Por Escrito, um blog que sempre leio. Bahia em Pauta e o seu blog são duas fontes nas quais bebo diariamente, nessa sede de informações e análises bem colocadas. Daqui do Planalto Central, um grande abraço.


luis augusto on 22 junho, 2015 at 23:08 #

Sobre a lição do velho Ulysses, é uma situação pra lá de perigosa a que estamos vivendo. Três anos e meio não são três dias.

Não se sabe como se sustentará isso. Manda a Câmara, manda o Senado, manda o Supremo, a inflação subindo (hoje constatei inacreditáveis 30% num vidrinho de queijo), a violência crescendo, o desemprego, também.

Temo pela tranquilidade do país quanto a posições que possam decorrer numa quadro mais agravado, consequências até trágicas.

E a grande dúvida é que tipo de governo poderia vir de uma eventual ruptura, por mais constitucional que fosse.

Para não constatarmos, no futuro, que hoje vivemos tempos históricos, rezemos por um milagre que conduza as coisas a bom termo e o país melhore um pouco.


luiz alfredo motta fontana on 23 junho, 2015 at 9:22 #

Estamos navegando sem prumo, no rumo que o Mantra “JurosAlém Amém”, esta a ideologia, nos remete, desde FHC e seu desejo de releição.

Somos todos Santander, salvamos o banco espanhol, salvaremos quantos outros desejarem.

Se Dilma e seu PT, têm nojo do ajuste, o fazem com narizes interpostos, Levy é o modelo ideal. Porém Tucanos o fariam com cinismo, em nome do que chamam de “eficiência”, ou seja a ciência de servir o sistema financeiro fingindo construir um futuro que nem sequer rabiscaram. Até mesmo a exótica Marina, com seu marido a tiracolo, com seus Sibás já crescidinhos, fez sua profissão de fé, faria o “melhor dos dois”, ou seja, discursaria sobre a mãe natureza enquanto coletor, de impostos e sonhos, sangraria a pátria amada, com aroma de canela no ar.

Nítido está o deserto deixado pela ditadura militar, sufocou não só nossos sonhos como dizimou os que poderiam um dia vir a sonhar.

Esperança?

Bom, a aldeia é global, a internet ainda é livre, quiçá nossas crianças aprendam com o mundo. Talvez eles descuidem e as escolas voltem a funcionar. O livre pensar retorne, Quiçá!

O velho Ulysses encantado em marés, completaria, os espaços vazios podem até demorar a ser ocupados, não pela benevolência das sílfides mas sim pela tibieza dos que o desejam.

Que Xangô nos ilumine!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos