DEU NO CORREIO BRAZILIENSE/ BLOG DA DENISE

Morre o General Leônidas

Morreu hoje aos 94 anos, o general Leônidas Pires Gonçalves, ministro do Exército no governo Sarney. O ex-presidente soltou uma nota em que se refere ao ex-ministro como um dos maiores generais do país de todos os tempos. “Ele deu suporte a que transição fosse feita com as Forças Armadas e não contra as Forças Armadas. Pacificou o Exército e assegurou e garantiu o poder civil. Reconduziu os militares aos seus deveres profissionais, defendendo a implantação do regime democrático que floresceu depois de 1985”, diz o texto de Sarney. Abaixo, a íntegra da nota do ex-presidente:

“Morre com o General Leônidas Pires Gonçalves o último dos grandes

chefes militares que tomaram parte nos acontecimentos centrais da História

do Brasil na última metade do século passado.

Foi um grande soldado, um profissional exemplar, com virtudes

patrióticas e morais que o fizeram uma referência nas Forças Armadas.

Sua participação na transição democrática foi decisiva e a ele devemos

grande parte da extinção do militarismo — a agregação do poder militar ao

poder político — no Brasil. Ele deu suporte a que transição fosse feita com as

Forças Armadas e não contra as Forças Armadas. Pacificou o Exército e

assegurou e garantiu o poder civil. Reconduziu os militares aos seus deveres

profissionais, defendendo a implantação do regime democrático que floresceu

depois de 1985.

A obra da transição foi uma união de forças e líderes políticos e

militares em que podemos destacar as figuras de Ulysses Guimarães, Tancredo

Neves, Paulo Brossard, Aureliano Chaves e do General Leônidas Pires

Gonçalves, do Almirante Maximiano da Fonseca, do Brigadeiro Murilo

Santos, entre tantos outros que compreenderam o momento histórico que

vivíamos e asseguraram as condições para a volta da democracia.

Como Presidente da República que conduziu o processo sei a

importância daquele momento e a contribuição do General Leônidas Pires

Gonçalves.

Ele foi um exemplo de dignidade, de amor ao Brasil, de dedicação às

instituições democráticas.

Perdi um grande amigo de que conheci o valor, o Brasil um grande

soldado, o Exército Brasileiro um dos seus maiores generais de todos os

tempos, cujo nome se inscreve entre os que fizeram sua grandeza e sua

História.”

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA (DOS JORNALISTAS DIOGO MAINARDI E MARIO SABINO)

A guerrilha virtual

O leitor RodrigoV encontrou o seguinte sobre a DCO, a empresa de Uberlândia sediada num casebre que embolsou 4,8 milhões de reais da campanha de Dilma Rousseff:

“DCO é a abreviação de Dário Cândido Oliveira. Segundo seu perfil no Facebook ele é “Diretor chefe” na empresa DCO Informática”.

Dário Cândido de Oliveira é proprietário também da rede social Xiglute. mmm comentou:

“No Xiglute você envia SMS Grátis para todas as Operadoras. Será que eles tem a ver com as mensagens contra o Aécio na campanha, chamando de filhinho de papai, etc? Vinham como sendo de telefone estrangeiro”.

A campanha de Dilma Rousseff, como admitiu Thomas Traumann, financiou uma violenta guerrilha virtual. É importante descobrir se as mensagens que acusavam Aécio Neves de ser bêbado e drogado foram pagas por Edinho Silva.

O IP do Xiglute é 177.69.103.161. O IP do dcohost.com é 207.66.193.200. A DCO usa igualmente o servidor extremehost.com.br

RodrigoV, além de encontrar o nome do proprietário da DCO e do Xiglute, encontrou também este vídeo no Youtube:

“Vejam quem está promovendo a nova rede social, piada pronta…”

João, na linha dos 84 anos de vida (10 de junho de 2015) de um dos gênios da Bahia, Gilberto!!!

BOA TARDE!!!

(Gilson Nogueira)

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA (DOS JORNALISTAS MARIO SABINO E DIOGO MAINARDI)

Explica, Mujica

O Senado convidará José Mujica para explicar as declarações, que estão em sua biografia, de que Lula lamentou o mensalão e disse que teve que lidar com “coisas imorais e chantagens”.

O autor do convite é o senador Ronaldo Caiado, do DEM. Após a divulgação do conteúdo do livro, o ex-presidente uruguaio recuou e afirmou nunca ter conversado com Lula sobre o mensalão.


DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOME)

Nilo e a garantia do mandato

Seria muito interessante saber com que instrumentos se garantiria o deputado Marcelo Nilo se o PDT resolvesse pedir seu mandato caso ele deixasse o partido, como está delineado.

O presidente regional, deputado Félix Mendonça Júnior, disse há alguns dias que não entraria na Justiça contra Nilo, mas tal é o azedume instalado entre ambos que esse compromisso pode ter nenhum valor.

Para Marcelo Nilo, torna-se difícil permanecer no PDT, e não é por ter imposto condições ao presidente nacional, Carlos Lupi, e sim porque, ante o poder quase absoluto que hoje detém a burocracia partidária, nas mãos desta estará.

PSD desponta como abrigo real

O presidente da Assembleia segue seu cronograma: há uma semana, esperava por 15 dias uma resposta de Lupi sobre a disputa do regional. Agora falou oito dias. Parece caminho sem retorno, embora ele diga que fará “tudo” para não sair.

A situação do deputado assemelha-se à filosofia popular do “se ficar o bicho come, se correr o bicho pega”, porque sua alternativa mais plausível, o nascituro PL, terá de vir à luz, um partido que lhe garanta legenda para uma eleição majoritária – e esse parto, por enquanto, enfrenta dificuldades.

As opções mais razoáveis na Bahia são PSB e PSD, mas o problema é que ambos têm caciques, portanto com prioridade. A senadora Lídice da Mata é candidata em 2018, mas o senador Otto Alencar, não, pelo menos à reeleição, o que faz do PSD um socorro mais concreto para Marcelo Nilo, até pelas relações próximas que cultivam.

jun
04
Posted on 04-06-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 04-06-2015


Adnael, no portal de humor gráfico A Charge Online

jun
04


Centenas de mulheres protestam contra a violência de gênero.
/ M. BERNETTI (AFP)- El Pais

DO EL PAIS

Carlos E. Cué

De Buenos Aires

Tudo começou com um assassinato terrível. “Mais um, mas foi a gota que fez o copo transbordar”, explica Fabiana Túñez, fundadora da Casa Encontro, uma ONG. O namorado de Chiara Arroyo, de 14 anos, grávida, a matou e enterrou no jardim com a ajuda de seus pais. Ele tem 16 anos. Foi em 11 de abril. Aí começou um movimento, #niunamenos (nenhuma a menos) que conseguiu envolver toda a sociedade argentina, políticos, celebridades, jornalistas, e que teve um ponto alto nesta quarta-feira com uma manifestação inédita em várias cidades do país para reivindicar mais medidas contra a violência machista, que mata uma mulher a cada 30 horas na Argentina.

A violência machista é um problema muito grave em toda a América Latina. “Já sabemos que este é um continente muito machista, mas nós acreditamos que com boas políticas públicas essas coisas podem ser mudadas. Temos o exemplo da Espanha, onde há um ministério da Igualdade. Aqui isso não existe”, afirma Túñez. Na Argentina não há nem mesmo estatísticas oficiais. Na Espanha, com uma população semelhante (46 milhões, em comparação com 43 milhões) morreram no ano passado 51 mulheres. Na Argentina, 277. Mas na Espanha são cifras oficiais da polícia. Na Argentina elas são compiladas pela Casa Encontro com base na leitura diária de informações de 120 jornais e duas agências de notícias, o que faz com que muitos casos fiquem de fora.

A Argentina vive um momento de efervescência política e de grande divisão, em plena campanha eleitoral para as presidenciais de outubro. No entanto, a mobilização do #niunamenos nas redes sociais foi de tal envergadura que todos os candidatos se uniram às reivindicações desse grupo. “Em um momento em que a Argentina está rachada entre kirchneristas e antikirchneristas, isso eliminou a diferença. É muito positivo que todos os candidatos e a própria presidenta se tenham unido a esta luta. Demonstra que podemos entrar em acordo para mudar coisas importantes”, diz Mercedes Funes, editora geral da revista Gente, uma das mais lidas do país, e promotora da marcha, que surgiu de um grupo de jornalistas.

A presidenta Cristina Kirchner postou em seu Twitter várias mensagens em favor da iniciativa, e todos os candidatos e vários ministros, governadores e prefeitos tiraram fotos com o cartaz do #niunamenos. “Agora é preciso passar da foto aos fatos. É preciso mudar muitas coisas. Mas estamos esperançosas. Isso nunca tinha acontecido”, resume Túñez.
Uma mudança cultural

O movimento se forjou em três semanas, mas pegou de tal maneira nas redes sociais e entre pessoas conhecidas que chegou aos países vizinhos, onde esse problema também é um assunto muito sensível. Em Santiago do Chile foi convocada uma manifestação, e Montevidéu e outras cidades uruguaias se somaram à iniciativa. Até mesmo Miami.

As reivindicações são muito claras. Na Argentina já existe uma lei, que as organizações consideram adequada, contra a violência machista. Mas não é aplicada. Não foi adiante nem recebeu dotação orçamentária. E essa é uma das reclamações principais. Outra é a formação dos policiais, promotores e juízes que atendem esses casos. Outra exigência é a de estatísticas oficiais. “Mas o mais importante é conseguir uma mudança cultural, trabalhar nas escolas”, afirma Funes.

Muitas escolas argentinas discutiram a questão em suas classes e foi detectado um forte machismo e uma grande dose de violência entre os adolescentes, explica Funes. Ela mesma testemunhou isso em várias conversas. As organizadoras sabem que não se acaba em um dia com uma violência atávica, incrustada na sociedade, mas estão convencidas de que pela primeira vez conseguiram colocar na agenda pública um assunto antes escondido.

Clip musical extraído do CD e DVD “Salve São Francisco”, de Geraldo Azevedo, que celebram a beleza do rio São Francisco, importante cenário da infância do autor, nascido na cidade de Petrolina(PE). “O grande oásis do sertão pro Brasil é esse Rio São Francisco. Onde ele passa, realmente, ele deixa um rastro de verde, uma coisa fantástica. O rio representa a vida de uma parte muito grande do Brasil”, diz Geraldo. Foi a partir dessa conclusão que nasceu o CD “Salve São Francisco”.

SALVE O VELHO CHICO!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

  • Arquivos