Tensão:parentes à espera de notícias na frente do presídio

DEU NO CORREIO24HORAS

Após 18 horas de revolta, os detentos do pavilhão 10 do Conjunto Penal de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, finalizaram a rebelião. Segundo o diretor do Conjunto, Clériston Leite, a revolta acabou por volta das 9h, depois de negociações lideradas pelo coronel PM Adelmário Xavier, do Comando de Policiamento da Regional Leste (CPRL). Outros comandos da Polícia Militar, equipes da Secretaria de Administração Penitenciária da Bahia (Seap) e da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal também participaram do acordo.

A rebelião começou por volta das 15h deste domingo (24) e deixou oito pessoas mortas, sendo que a última morte aconteceu na madrugada desta segunda-feira (25). Um dos detentos foi decapitado. Outros cinco detentos ficaram feridos e foram atendidos em hospitais da cidade.

As identidades dos mortos ainda não foram divulgadas. “A polícia ainda não entrou dentro do pavilhão. A rebelião já acabou, mas as negociações continuam. Só quando o DPT entrar para fazer a remoção e perícia dos corpos é que vamos poder dizer os nomes dos presos que morreram”, disse Clériston Leite.

As famílias, incluindo mulheres e crianças, feitas reféns estão sendo liberadas aos poucos. Ainda de acordo com o diretor do presídio, ninguém está ferido. A rebelião começou durante o período de visitas e cerca de 90 familiares dos detentos que estavam no local foram feitos reféns.

A administração do presídio percebeu que os internos haviam começado uma confusão. A briga que originou o motim, segundo a Polícia Militar, foi um “acerto de contas entre grupos rivais” que havia deixado um saldo de sete detentos mortos – um deles decapitado – e cinco feridos.

O líder de uma das facções seria Haroldo de Jesus Britto, o Aroldinho, preso em janeiro de 2011 por roubo a banco, que teria sido morto por rivais.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos