DEU NO BLOG O ANTAGONISTA (DOS JORNALISTAS MARIO SABINO E DIOGO MAINARDI)

Fachin é só mais um negócio

A Folha informa que Dilma Rousseff convidou Renan Calheiros para acompanhá-la hoje, no avião presidencial, ao velório do senador Luiz Henrique, em Joinville. A presidente quer falar pessoalmente com Calheiros sobre Luiz Edson Fachin e garantir a sua aprovação à vaga do STF. Lula e Calheiros também teriam marcado de se encontrar nesta semana, segundo O Globo.

O presidente do Senado já disse que a nota técnica da consultoria jurídica do Senado, que atesta a ilegalidade de Fachin quando advogou enquanto era procurador do Paraná, não representa a opinião da Casa. Ou seja, ele também não está nem aí com a denúncia de O Antagonista das barbaridades cometidas pela OAB/Paraná, com a anuência de Fachin (veja a série de posts “Fachin, a anatomia de uma fraude”, publicada no domingo).

O negócio de Renan Calheiros é fazer negócios.

Abandonada ou não, aguenta firme, Salvador!. Vai passar!

Mas não esqueça depois, quando o verão e as festas voltarem, aqueles que tanto a infelicitam, desprezam, enlutam e fazem chorar a gente mais desprotegida da Cidade da Bahia.

Olhem os escombros e os mortos da Baixa do Fiscal hoje, cuidem da memória dos que foram soterrados na San Martin há poucos dias. E não esqueçam jamais os responsáveis por mais esta tragédia na capital baiana.Será pedir demais, a exemplo do canto triste do alegre e saudoso Gordurinha?

BOA TARDE, SE POSSÍVEL FOR.

(Vitor Hugo Soares)

DO PORTAL METRO1, NO TWITTER

A jornalista Gabriela de Paula, em entrevista ao Metro1, na manhã desta segunda-feira (11), relatou que o seu voo São Paulo x Fortaleza está atrasado e sem previsão de chegada. No último domingo (10), um buraco se abriu na pista e fechou no aeroporto de Salvador, no qual provocou atrasos e cancelamentos de voos durante o dia todo.

“Estou na sala de embarque desde as 9h30. Não vi ninguém embarcar. Não vi sair nenhum voo. Eles não informam o motivo do atraso. Meu voo foi para Porto Seguro para reabastecer. Elas [as aeronaves] estão desviando. Falam em problemas meteorológicos, mas há uma informação extra-oficial de que ainda é por causa do buraco”, contou.

DEU NO CORREIO24HORAS

O adolescente Lucas Silva Santana, 14 anos, que foi resgatado neste domingo (10) com vida após ficar cerca de 8h soterrado na Baixa do Fiscal, em Salvador, não resistiu e morreu. Lucas estava internado na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital Geral do Subúrbio e morreu às 5h20 desta segunda-feira (11).

Equipes do Corpo de Bombeiros encontraram Lucas por volta das 20h30. Apesar de ter sido achado embaixo de uma grande quantidade de terra, Lucas estava consciente e conseguia se comunicar. O corpo de Lucas foi encaminhado para o Instituto Médico Legal Nina Rodrigues (IMLNR).

O deslizamento de terra aconteceu na tarde de ontem, por volta das 13h, nas proximidades da rua Nilo Peçanha. Durante o resgate, três pessoas foram encontradas mortas, entre elas a mãe do adolescente, a lavadeira Sandra Silva Santana, 37 anos, e seu irmão Sival Silva Santana, 28 anos. O aposentado Deucico Barreto Venas, 64 anos, também morreu.

Vizinhos prestaram socorro imediato e conseguiram retirar quatro pessoas que estavam soterradas. Maria Aparecida Almeida Gama, 45 anos, Everson Gama Gomes, 22, e sua esposa Patrícia Gama Gomes, que não teve a idade revelada, foram socorridos e levados para o hospital.

maio
11


Moradores ajudam Bombeiros nos salvamentos

DO PORTAL DO JORNAL A TARDE

Jair Mendonça Jr. e Davi Lemos

Três mortes e um milagre. Após oito horas debaixo de escombros e barro, neste domingo, 10, em decorrência de um deslizamento de terra na rua Coronel Pedro Ferrão, Baixa do Fiscal, Lucas Santana, 14 anos, foi resgatado com sinais vitais, estabilizado e levado para o Hospital do Subúrbio, em Periperi.

A mãe do garoto, a lavadeira Sandra Santana, 37, Sival Silva Santana (irmão de Sandra), 28, e o aposentado Delcik Barreto Venas, 64, morreram no local, em mais uma tragédia causada pelas fortes chuvas. Há duas semanas, 15 pessoas morreram em deslizamentos no Barro Branco e no Marotinho.

Equipes do Corpo de Bombeiros, da defesa civil do município, da Guarda Municipal, Limpurb, das polícias Militar e Técnica e do Samu trabalharam incessantemente até as 20h, quando Lucas foi achado.

< href="http://bahiaempauta.com.br/wp-content/uploads/2015/05/LuisG5.jpg">

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Geddel, Neto e o patriotismo eleitoral

Respeite-se o preceito segundo o qual em política nada é impossível, mas os rumores de aproximação do secretário-geral do PMDB, Geddel Vieira Lima, com o PT são a mais rasa das especulações.

Quase da mesma forma, a manobra do prefeito ACM Neto para que deputados do DEM votassem a favor das medidas de ajuste fiscal propostas pelo governo não significa, de modo algum, capitulação da oposição.

Com a vantagem de poderem alegar em seu favor o aspecto patriótico da questão, pois “o importante é tirar o país da dificuldade em que se encontra”, ambos, Geddel e Neto, operaram politicamente, como recomendam as circunstâncias.

No caso do ex-ministro, mesmo que isto eventualmente não o agrade, Geddel não poderia trabalhar contra o articulador do governo, que, afinal, é seu aliado histórico e amigo pessoal, o vice-presidente Michel Temer.

Sua escolha para essa função, aliás, não teve outro significado para a presidente Dilma senão o de atrair ou neutralizar forças que no PMDB pudessem estar contrárias à superação dos graves problemas que ela enfrenta.

Por outro lado, Geddel sabe que poderá, ainda que indiretamente e sem compromisso futuro, ser retribuído por isso, pois seu partido se fortalece ao assumir papel relevante na condução dos negócios nacionais.

Quanto a Neto, tem de ser forte em 2016. A cidade está reagindo mal às chuvas e se ele não tratar disso com muita eficiência perderá o protagonismo na campanha da reeleição.

O governo do Estado, antevendo o pleito e desejoso de que, desta vez, o PT mude o rumo da história, mergulha com disposição na política de encostas e áreas de risco.

Só o governo federal tem condições de ajudar o prefeito, nessa e em outras iniciativas que exigem muito dinheiro, do qual ele vive atrás. Qualquer descuido e quem fatura é o candidato do governador Rui Costa, seja quem for.


BOM DIA!!!

DEU NO BLOG O ANTAGONISTA (DOS JORNALISTAS MARIO SABINO E DIOGO MAINARDI)

Fachin, a anatomia de uma fraude

O Antagonista espera que ainda haja senadores que percebam a extrema gravidade do que foi revelado aqui. O país atravessa uma crise institucional, e a aprovação de Luiz Edson Fachin para o STF representaria mais um golpe contra a nação.

Na sabatina de terça-feira, os cidadãos de bem contam com os senadores do PMDB e de outros partidos conscientes, para reprovar o nome de Luiz Edson Fachin para o STF. Ele não é apenas um ideólogo, ele cometeu uma ilegalidade, e com a cumplicidade da OAB do Paraná.

Quanto aos principais representantes do PSDB, eles encontraram uma forma de abster-se da votação. Os tucanos partirão em alegre e oportuna revoada para Nova York, a fim de assistirem à entrega de um prêmio a FHC.

maio
11
Posted on 11-05-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 11-05-2015


Thiago Lucas, na Folha de Pernambuco


Guilherme Fiuza

DEU NO GLOBO E NO G1

Coluna

Guilherme Fiuza

O ex-presidente bonzinho do Uruguai, José Mujica, contou que o ex-presidente bonzinho do Brasil, Lula da Silva, se sentiu culpado pelo mensalão. Está registrado e agora publicado em livro: segundo o companheiro Mujica, Lula lhe confidenciou que o mensalão era “a única forma de governar o Brasil”. Que ninguém tome isso ao pé da letra. Não é que o mensalão seja a única forma possível de governar.

Tem também o petrolão e seus derivados. Ou seja: a única forma de governar o Brasil é roubar os brasileiros, enriquecer o partido e comprar a vida eterna no poder.

Esse golpe está sendo dado há 12 anos, e há dez o Brasil brinca de se perguntar se Lula sabia. Eis a resposta entregue de bandeja pelo amigo de fé, irmão camarada Mujica: Lula sabia que a única forma de ficar no poder com um grupo político feito de pessoas medíocres, despreparadas, hipócritas e desesperadas por cargos e verbas era se fingir de coitado, chorar e parasitar o Estado brasileiro com todas as suas forças.

O império do oprimido ofereceu ao país incontáveis chances de perceber a sua única forma de governar. Escândalos obscenos foram montados dentro do Palácio do Planalto, envolvendo os principais personagens do Estado-Maior petista. Hoje o Brasil é governado por uma marionete desse sistema único de governo (SUG), uma presidente solidária ao seu tesoureiro preso, acusado de injetar em sua campanha eleitoral dinheiro roubado da Petrobras. Uma presidente que exalta como heróis os mensaleiros julgados e condenados. E que presidiu o conselho de administração da maior estatal brasileira enquanto ela era depenada por prepostos do seu partido.

Foi necessária a confissão de um companheiro uruguaio para desvelar o óbvio: eles sabiam de tudo. Tudo mesmo.

Essa forma única de governar o Brasil só tem uns probleminhas: a economia acaba de registrar sua maior retração em 20 anos, na contramão dos emergentes e do mundo; a inflação avacalhou a meta e taca fogo na antessala da recessão; o desemprego voltou às manchetes, apesar das tentativas criminosas de esconder seus índices durante a eleição; a perda do grau de investimento do país está por uma unha de Levy, após anos de contabilidade criativa, pedaladas fiscais e outras orgias progressistas para esconder a gastança —a única forma de governar.

Com inabalável firmeza de propósitos, o PT chegou lá: tornou-se o cupim do Estado brasileiro. Hoje é difícil encontrar um cômodo da administração pública que não esteja tomado pelo exército voraz, que substitui gestão por ingestão. O Brasil quer esperar mais quatro anos para ver o que sobra da mobília.

Mujica disse que Lula não é corrupto como Collor. Tem razão. O Esquema PC era um careca de bigode que batia na porta de empresários em nome do chefe para tomar-lhes umas gorjetas. O mensalão e o petrolão foram dutos construídos entre as maiores estatais do país e o partido governante. Realmente, não tem comparação.

Os cupins vão devorando o que podem — inclusive informação comprometedora. As gravações da negociata de Pasadena, presidida por Dilma Rousseff, sumiram. Normal. Dilma, ela mesma, também sumiu. Veio o Dia do Trabalho, e a grande líder do Partido dos Trabalhadores não apareceu na TV — logo ela, que convocava cadeia obrigatória de rádio e TV até em Dia das Mães. Pouco depois, veio o programa eleitoral do PT e, novamente, a filiada mais poderosa do partido não foi vista na tela.

Quem apareceu foi Lula, o amigo culpado de Mujica, vociferando contra os inimigos dos trabalhadores, as elites, enfim, toda essa gente que não compreende a única forma de governar o Brasil. E os brasileiros bateram panela em todo o território nacional — o que algum teórico progressista ainda há de explicar como uma saudação efusiva ao filho do Brasil adotado pela Odebrecht.

O ministro da Secretaria de Comunicação disse que é um erro vincular Lula e Dilma ao PT. Já o PT tenta parecer desvinculado do governo Dilma. Pelo menos isso: eles sabiam de tudo, mas não têm nada a ver uns com os outros.

Em meio aos panelaços, foi possível ouvir o balanço da Petrobras contabilizando 6,2 bilhões de reais de corrupção. Ou seja: as informações da Operação Lava-Jato, que apontam o PT e a própria presidente da República como beneficiários do petrolão, foram oficializadas no balanço auditado da maior empresa brasileira. Pena Lula não ter conversado sobre isso com Mujica. Os brasileiros vão ter que perceber sozinhos: esta só continuará sendo a única forma de governar o Brasil se o Brasil não cumprir o seu dever de enxotar um governo irremediavelmente delinquente.

Guilherme Fiuza é jornalista

  • Arquivos