BOA TARDE!!!

DEU NO RAIO LASER, A COLUNA POLÍTICA DA TRIBUNA DA BAHIA, EDIÇÃO DESTA QUINTA-FEIRA, 7.

Gongado

Tratado pela imprensa de São Paulo como um dos discípulos de João Santana – marqueteiro de Dilma e Lula – coube ao também baiano Maurício Carvalho a realização do “gongadíssimo” programa do PT que foi ao ar terça à noite sob fortes panelaços país a fora. O Planalto criticou a presença de Lula no programa, decisão do próprio ex-presidente. E o PT alegou que a escolha de Maurício foi por contenção de despesas. Com o titular fora de cena, coube a Carvalho fazer “história”.

maio
07
Posted on 07-05-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-05-2015

No dia 7 de maio de 2014 foi sepultado, no cemitério Jardim da Saudade,em Salvador, o jornalista Ivan de Carvalho, morto na noite do dia anterior(6/5). Partia assim, um nome de primeira grandeza do colunismo político na Bahia, com atuação marcante durante décadas na Tribuna da Bahia, e passagem também pelo Jornal do Brasil, na sucursal baiana que ele dirigiu.

Neste site blog, Ivan foi um dos pilares desde a fundação. Uma marca insubstituível de talento, inteligência, bom humor, e espírito democrático e plural .

Algumas dessas marcas de Ivan de Carvalho estão presentes neste artigo publicado na TB e no BP em 29 de março de 1913. Vai republicado neste tributo à memória do jornalista notável e ser humano maior que qualquer adjetivo.
SAUDADES!!!
(Vitor Hugo Soares)

———————————————————-


Ivan de Carvalho:mais de um, mais de dez

OPINIÃO POLÍTICA

La Dolce Vita

Ivan de Carvalho

Não, não vou comparar a famosa atriz Anita Ekberg com a presidente Dilma Rousseff, porque não tem mesmo o menor cabimento. São como água e óleo, não combinam, não se misturam.

Minha pretensão é bem mais modesta. Apenas registrar certa identidade ou semelhança do estilo de vida de Ekberg no belíssimo filme La Dolce Vita, dirigido por Fellini com o da presidente da República Federativa do Brasil, pelo menos quando viaja àquelas paragens irresistíveis de Roma e adentra as imponências do Estado do Vaticano.

Se alguém imaginou que haveria mais, apresento minhas sinceras desculpas. Até porque a presidente, demonstrando bom senso neste detalhe marcante, ainda que decepcionando suas dezenas de milhões de admiradores, não decidiu banhar-se maravilhosamente na Fontana di Trevi, o que poderia ser usado pelos marqueteiros com grande proveito na campanha eleitoral que se aproxima.

Mas fez outras coisas que, na visão de alguns, ou de muitos – principalmente na dos contribuintes conscientes de seu sacrifício – criou aquela atmosfera de doce vida que o filme mostrou, mas não se esperava que fosse exibido pela Presidência da República de um país que ainda tem milhões de miseráveis, de incontáveis sem teto, e em colapso seu sistema de saúde pública, de segurança, de educação e milhões de pessoas em atroz sofrimento por causa de uma seca brutal para cujo enfrentamento o governo que em Roma se mostrou tão perdulário aqui não se preparou. E agora promete correr atrás do cruel prejuízo já consumado.

Registro feito, pronto e acabado. Deixemos o que foi e o que poderia ser, mas
não foi, na Fontana di Trevi. E vamos a outras fontes.

O jornal digital O Tempo publicou ontem matéria reproduzida pela Tribuna da Imprensa na internet e originada em São Paulo, segundo a qual o Ministério Público Federal instaurou, na quarta-feira, um inquérito civil para investigar o custo da viagem e o tamanho da comitiva presidencial que viajou a Roma para a primeira missa oficial do pontificado do papa Francisco, sucessor de Bento XVI. O inquérito pretende apurar “eventuais irregularidades, em especial os gastos e o número de integrantes da comitiva”, afirma a matéria de O Tempo, reproduzida da Tribuna da Imprensa.

De acordo com matéria publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, a comitiva da presidente Dilma Rousseff ocupou 52 quartos, sendo 30 no luxuosíssimo hotel Westin Excelsior, na Via Veneto, e usou 17 veículos. Já segundo a Presidência da República, a comitiva ocupou 51 quartos de hotel, gastando, apenas com hospedagem, 125,99 euros, equivalentes a R$ 324 mil. Para o Planalto, nem os gastos nem a estrutura mobilizada fogem à rotina das viagens internacionais da presidente Dilma.

O Ministério Público Federal encaminhou à Secretaria Geral da Presidência da República (chefiada pelo ministro Gilberto Carvalho) documento em que pede que seja esclarecida a presença de cada integrante e a função que cada um deles desempenhou na comitiva, “para apurar se não viajaram por puro deleite e turismo”.

Que a canção chegue a Ivan, onde ele estiver.

BOM DIA!!!


Protesto em Ruy Barbosa depois dos estupros

DEU NO CORREIO24HORAS

Da Redação

Os integrantes da banda New Hit foram condenados a 11 anos e oito meses de prisão pelo abuso sexual de duas adolescentes, na cidade de Ruy Barbosa, norte da Bahia, em agosto de 2012. A sentença foi publicada nesta quarta-feira (6) pela juíza Márcia Simões Costa, da Vara Crime de Ruy Barbosa.

De acordo com a denúncia do Ministério Público, Aragão Trigueiros, Carlos Frederico Santos de Aragão, Edson Bomfim Berhends Santos, Eduardo Martins Daltro de Castro Sobrinho, Guilherme Augusto Campos Silva, Jefferson Pinto dos Santos, Jhon Ghendow de Souza Silva, Michel Melo de Almeida, Wenslen Danilo Borges Lopes e Willian Ricardo de Farias teriam abusado sexualmente das adolescentes praticando, mediante extrema violência, por repetidas vezes e em alternância, conjunção carnal e atos libidinosos diversos.

O caso ocorreu após um show da banda na cidade de Ruy Barbosa. Após a denúncia, os músicos foram presos em flagrante. Durante o processo, além das duas vítimas e dez acusados, foram ouvidas 12 testemunhas arroladas pela acusação, por meio do Ministério Público, e 53 testemunhas de defesa.

“Violência extrema”

De acordo o Ministério Público, as adolescentes foram abusadas dentro de um ônibus estacionado na Praça Santa Tereza, no centro de Ruy Barbosa, com uso de “extrema violência” e “em alternância”. Os acusados foram presos em flagrante na mesma madrugada.

As duas adolescentes viajaram de Itaberaba para Ruy Barbosa para participar de uma micareta e no final do show da New Hit foram até a banda pedir autógrafos e tirar fotos. Nesse momento, um dos músicos sugeriu que elas fossem até o ônibus, onde os abusos aconteceram.

Além do estupro, o MP diz que as jovens sofreram agressões físicas e foram xingadas. O laudo comprovou que uma das vítimas era virgem.

DEU NO PORTAL METRO1

A Assembleia Legislativa aprovou, na noite desta quarta-feira (6), os projetos de Lei do Executivo que propuseram o reajuste fracionado para os servidores do Estado, mesmo com os protestos de representantes de trabalhadores e críticas dos deputados de oposição. O acréscimo de 6,41% será divido em duas parcelas, de 3,5% retroativo a março e 2,91% em novembro. A proposta de reajuste foi aprovada por meio de dois projetos, cada qual com a respectiva parcela do reajuste. Representantes do servidores da saúde e da educação, Sindisaúde e APLB, estiveram presentes e protestaram, na galeria, com gritos e aplausos aos discursos dos parlamentares oposicionistas. Em alguns momentos, o presidente da Casa, Marcelo Nilo (PDT), se irritou com manifestantes e deputados. Ele chegou a pedir para os seguranças do Legislativo retirarem um dos servidores, mas a polícia recuou após intervenção dos membros da minoria. Mesmo sem consenso, o primeiro projeto recebeu 41 votos favoráveis e 17 contrários. Na segunda votação, com o plenário mais esvaziado, foram 39 a favor e 15, não. Os projetos chegaram a ser colocados em pauta nesta terça-feira (5), mas as votações foram adiadas por conta dos protestos de deputados e servidores.

maio
07
Posted on 07-05-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 07-05-2015


Sid, no portal de humor gráfico A Charge Online

maio
07


Eduardo Cunha e Paulo Pereira da Silva na terça-feira.
/ UESLEI MARCELINO (REUTERS)

DO EL PAIS

Para toda ação, uma reação. A expressão caracteriza cada vez mais a atuação de Eduardo Cunha, o peemedebista que preside a Câmara dos Deputados brasileira.

A mais recente reação foi a de articular a convocação do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para depor na CPI da Petrobras. A razão foi um mandado de busca e apreensão no departamento de informática da Câmara para apurar se Cunha teria usado o seu mandato parlamentar para ajudar a quadrilha que desviou bilhões de reais da Petrobras.
Operação Lava Jato

O mandado foi cumprido entre segunda e terça-feira por técnicos do Ministério Público e acompanhados por funcionários do Legislativo. Cunha reclamou: “Ele escolheu a mim e está insistindo na querela pessoal porque eu o contestei. Virou um problema pessoal dele comigo”, afirmou.

Na manhã desta quarta-feira, aliados de Cunha, como o presidente da CPI, Hugo Motta (PMDB-PB) e o oposicionista Paulo Pereira da Silva (SD-SP), iniciaram conversas para pressionar Janot e colocá-lo frente a frente com os deputados inquisidores da comissão. Nos próximos dias, Pereira da Silva deve apresentar um requerimento para que a CPI convoque o procurador.

No último dia 28, o jornal Folha de S. Paulo revelou que o registro eletrônico da Câmara reforçava a suspeita contra Cunha de que ele tenha sido o autor de dois requerimentos que investigavam a Mitsui, uma das fornecedoras da Petrobras. O objetivo desses requerimentos, segundo um depoimento do doleiro e operador do esquema ilegal Alberto Youssef, era pressionar a Mistui a voltar a pagar propinas aos políticos.

O presidente da Câmara é um dos 49 políticos brasileiros investigados no esquema e tem dado seguidos depoimentos contra o procurador-geral. Já disse, por exemplo, que a investigação contra ele é uma “querela pessoal” de Janot. Sempre reafirmando que é inocente e que nunca participou do esquema de desvios de recursos da petroleira.

No mês passado, o deputado do Solidariedade já havia pedido a quebra de sigilo dos dados telefônicos de Janot e do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo. A suspeita do parlamentar é de que os dois tenham tratado de assuntos relacionados à operação Lava Jato antes da apresentação do pedido de investigação do braço político da quadrilha que agia na Petrobras.

Se a CPI aprovar o requerimento, será possível ter acesso a dados como números chamados, horário das ligações e tempo de duração de cada conversa. Não haverá, porém, a gravação dos áudios de cada ligação.

  • Arquivos