Vai para o feliz casal Clarice (doce sobrinha e afilhada deste feliz editor) e seu amado Neto, lá no Rio de Janeiro, depois da grata e tão esperada notícia da próxima chegada do primeiro rebento, revelada no BP pela mana Mariana.
Toda felicidade do mundo ao casal. E ao filho(a) que virá.

(Hugo e Margarida)

BOA TARDE!!!

DEU NO BLOG POR ESCRITO( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Só para esclarecer

Prestigioso site de notícias desta capital dá como “liderança histórica do PT” o ex-deputado Sérgio Carneiro, que só não precisou fazer “autocrítica” para ingressar no partido porque este já tinha revogado tal exigência quando da filiação.

O primeiro mandato de Sérgio, filho do ex-governador João Durval, foi na Assembleia Legislativa, de 1991 a 1995, pelo extinto PFL, atual DEM. Depois se elegeu deputado federal pelo PDT e ainda deu uma passadinha no PSDB antes de dirigir-se ao PT.

Da trilha sonora da novela Gabriela do casal Sinhazinha (Maitê Proença) e Dr.Osmundo (Erick Marmo). Inesquecível!!!

ADEUS, TALMA!!!

(Vitor Hugo Soares)

DEU NO CORREIO24HORAS

Morreu às 2h43 desta quinta-feira, 23, o diretor e produtor da TV Globo Roberto Talma, aos 65 anos. Internado desde março no Hospital Samaritano, em Botafogo, na zona sul do Rio, Talma sofreu falência múltipla dos órgãos. Ele faria 66 anos no próximo dia 29.

O diretor deixa um filho, Rafael Talma, fruto de seu casamento com a atriz Maria Zilda Bethlem. Ao Bom dia Brasil, da TV Globo, Zilda afirmou que Talma inovou na linguagem das telenovelas.

“Ele Fez muitas coisas, inovou muito a linguagem nas telenovelas principalmente, nos musicais. Era uma pessoa muito talentosa. Brilhante, brilhante, brilhante… Brotavam na cabeça dele sem parar ideias boas, e que ele executava, divinamente”, declarou.

Talma chegou à Globo em 1969, depois de ser coordenador de programação da TV Rio trabalhar nas TVs Excelsior e Tupi. Na emissora, dirigiu novelas de sucesso como Saramandaia, a segunda versão das novelas Gabriela e O Astro. Entre as minisséries que constam no currículo do diretor estão Anos dourados, Anos rebeldes e Os Maias.

A influência artística veio do berço. Nascido em São Paulo, mudou-se com a família para o Rio de Janeiro na década de 60. Os pais eram proprietários de um circo no interior do estado. A mãe do diretor era bailarina e o pai trabalhou na televisão, e chegou a coordenar a programação da TV Rio.

Em outubro de 2002, precisou ser internado às pressas após sofrer um enfarte. Por causa da doença, ficou dois meses afastado da televisão. Seu último trabalho foi em 2013, quando produziu o filme Dores de amores, com direção de Raphael Vieira. Na TV, foi o remake de Gabriela, em 2012, baseada no romance famoso de Jorge Amado, com locações em Ilheus, no sul da Bahia

abr
23


DEU NO BLOG O ANTAGONISTA

Renan, o norueguês

Acabou de acontecer: o senador Renan Calheiros chegou com 40 minutos de atraso ao evento BrasilDigital, em Brasília, quando o hino nacional já estava tocando. Como não o esperaram para começar, Sua Excelência deixou seu nome ser anunciado, mas não subiu à mesa. Virou as costas e foi embora.

Passados 15 minutos, voltou, ainda com a expressão contrariada.

Na Noruega, é assim.

Viva São Jorge no seu dia 23 de abril.Salve Ogum!

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)


Deputados mostram carteiras de trabalho gigantes em protesto na Câmara. / Gustavo Lima (Ag. Câmara)

DO EL PAIS

Por 230 a 203 votos, o plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira uma emenda ao projeto de lei 4.330/04 que tem causado um duro embate entre entidades patronais e de trabalhadores, o que regulamenta a terceirização dos serviços no Brasil. No início do mês, os parlamentares já haviam aprovado o texto-base do projeto, faltava votar os destaques.

O principal destaque votado nesta quarta-feira foi a emenda aglutinativa 15, que previa, entre outros, abre a possibilidade de terceirizar uma atividade-fim. Por exemplo, uma escola poderia contratar professores como terceirizados. Pelas regras atuais, a terceirização só pode ocorrer em atividade-meio, como essa mesma escola contratar auxiliares de limpeza ou porteiros.

Os outros pontos votados pelos deputados foram a subcontratação de uma quarta empresa por parte da terceirizada e o que autorizava a contratação de associações, sociedades, fundações e empresas individuais como prestadoras de serviços. Nos debates entre os parlamentares, esses dois fenômenos foram chamados, respectivamente, de quarteirização e “pejotização” dos trabalhos (que é quando contrata-se pessoas jurídicas, no lugar de pessoas físicas).

A mesma emenda aglutinativa tratou de uma importante questão tributária, a de reduzir o recolhimento antecipado do Imposto de Renda na fonte de 1,5% para 1% para empresas de terceirização dos serviços de limpeza, conservação, segurança e vigilância. Além disso, o projeto reduziu de 24 para 12 meses a quarentena que o ex-empregado de uma empresa deve cumprir para que possa oferecer serviços à mesma empresa no âmbito de uma contratada de terceirização.

Agora, o projeto será levado ao plenário do Senado Federal, onde, em princípio, deverá sofrer restrições. O presidente desta casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), já disse que encaminhará a proposta para uma comissão estudá-la com afinco.

A votação do projeto causou calorosos debates na Câmara. Líderes de partidos como, Sibá Machado (PT-AC), disseram que se a emenda fosse aprovada os parlamentares estariam rasgando a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), principal regra trabalhista, criada em 1943. O oposicionista Mendonça Filho (DEM-PE), por sua vez, afirmou que quem estaria contra os trabalhadores eram os petistas, que são a favor das medidas provisórias de Rousseff, a 664 e a 665, que alteram alguns direitos trabalhistas.

Durante a votação, um grupo de congressistas segurou cópias gigantes de carteiras de trabalho e bradaram: “Não à terceirização”. Não deu certo.

A divisão entre os votantes estava clara desde cedo. Partidos aliados de Rousseff, como o PMDB e o PSD, orientaram seus deputados a votarem a favor da emenda ou liberaram o voto de seus correligionários. A esperança dos governistas e virar o jogo no Senado. Ocorre que, se houver uma mudança nesta Casa, a proposta volta para uma nova análise da Câmara.

Na segunda votação de uma segunda emenda, o Governo Rousseff sofreu outra derrota. A proposta feita pela bancada do PSDB previa que os funcionários terceirizados por empresas públicas passariam a ter os mesmos direitos dos servidores públicos. O PT e parte de seus aliados eram contrários, foram derrotados por 253 a 38, com 33 abstenções.

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Prisões previstas

O governo federal vai ao Supremo defender cela especial para presos portadores de diploma de curso superior.

Além do reconhecimento do que está por vir por aí, isso é legislar em causa própria.

abr
23
Posted on 23-04-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 23-04-2015


Clayton, no jornal O Povo (CE)

  • Arquivos