Felipe Betim

Do Rio de Janeiro

Os atos que vem reunindo milhares de pessoas no país contra o Governo de Dilma Rousseff contaram com vários relatos de pessoas que, por resolverem vestir uma camiseta vermelha, foram insultadas e até agredidas por manifestantes. Para as manifestações deste domingo na praia de Copacabana, este jornalista, movido pela curiosidade e o espírito de aventura – mas sem nenhuma intenção de arranjar confusão, melhor ir dizendo logo – decidiu fazer o mesmo. Apesar dos protestos maternais antes de sair de casa, às 11h da manhã eu era apenas um ponto vermelho no meio de um mar verde e amarelo que gritava, justamente, contra a cor vermelha que representam o PT e o socialismo.

Não, já adianto que não fui espancado e, em um primeiro momento, nem insultado. Mas enquanto caminhava tranquilamente entre os manifestantes, me sentindo um repórter de guerra com meu bloco de anotações em mãos e minha câmera pendurada no pescoço, eram muitos os que viravam o pescoço e arregalavam seus olhos ao reparar em minha camiseta -velha, desbotada, e sem nenhuma mensagem ideológica ou partidária- e tênis vermelhos. “Meu jovem, por que você está vestindo isso? Não viu a confusão que já deu lá atrás?”, indagou um bem intencionado senhor. “Cuidado com essa camiseta, garoto. Vão achar que você é comunista”, afirmou um homem que deixava a praia acompanhado de sua esposa. Um conhecido que protestava, talvez preocupado com minha integridade física, foi direto ao ponto: “Você é mongol? Ficou maluco?!”.

Não, tampouco fiquei maluco, apenas queria testar a reação das pessoas, lhe expliquei. Enfim, provocar, mesmo sem fazer nenhuma provocação explícita. E quanto mais me aproximava do carro de som, de onde a turma do Cariocas Direitos comandava um espetáculo de pérolas -“Nós somos um povo verde e amarelo, não vermelho!”, gritavam-, mais intimidado ficava. Juro que vi um dos organizadores se dirigindo a mim quando disse que havia “vários infiltrados” no ato. Não era o caso -em tempos tão estranhos, tão confusos como estes, sempre melhor insistir neste ponto.

Pouco a pouco as pessoas começaram a se soltar. “Ei, você! Por que está vestindo esta camiseta? Petista! Comunista! Vai pra Cuba!”, falaram alguns. Devido ao trabalho jornalístico que me foi incumbido, tive que me aproximar de alguns manifestantes para fazer algumas perguntas. E confesso que fiquei surpreso que duas senhoras, que defendiam uma intervenção militar, não tenham falado nada sobre minha camiseta. Ao contrário, foram super educadas e atenciosas. Outra mulher, que também defendia a ditadura, me explicou com tooooooda a paciência do mundo sobre a necessidade de tirar “esses comunistas” do poder e fazer uma limpeza ética no Brasil.

Finalmente alguns começaram a se mostrar incômodos quando me dirigia até eles:

– Boa tarde, sou jornalista do EL PAÍS, estou cobrindo o ato e gostaria de…

– Ok, mas por que esta camiseta?

Todos no final das contas se convenceram das minhas boas intenções e, ainda que um pouco desconfiados e sem tirar os olhos da maldita camiseta, me deixaram fazer perguntas e tirar fotos. Bom, quase todos. Um casal que caminhava na praia até chegou a iniciar uma conversa: ele se manifestava contra a corrupção, pedia mais ética e dizia que um impeachment não ia adiantar muita coisa; ela sim exigia o afastamento da presidenta Dilma Rousseff e o fim “da ditadura comunista” do PT. Mas quando repararam no meu figurino vermelho-militante, ele se afastou imediatamente. Já ela…

– Você é um infiltrado do PT!

– Não, sou apenas um jornalista.

– Mentira! Eu percebi as perguntas maliciosas que você fez! Você faz parte do exército do Stédile!!!!!

– Não…

– Sim! E essa cor vermelha, representa o quê?!

– Sou livre para escolher a camiseta que quero usar.

– Não é não! Isso aqui não é ambiente para você! Melhor você ir embora!

Foi divertido. Talvez pela cara de um bom moço de 14 anos que ainda conservo -em modéstia parte-, voltei para a casa inteiro. Segundo o G1, outras três pessoas tiveram a mesma ideia, mas não tiveram a mesma sorte – ou a mesma cara de bom moço. Mas depois desta última reação, confesso que voltei para casa satisfeito.

Be Sociable, Share!

Comentários

luiz alfredo motta fontana on 13 Abril, 2015 at 10:58 #

Aqui o perfeito diário de um idiota.

Jornalismo não é fingir, muito menos induzir a erro.

Testar reações, sem prévio consentimento é digno de nazistóide.

E termina dizendo que foi divertido.

Foi apenas o atestado de um idiota.


luiz alfredo motta fontana on 13 Abril, 2015 at 11:41 #

O jornalismo está virando isto?

Para cada Juan Arias temos dezenas de Felipes?

Triste.

Não merecem pauta.


jader on 13 Abril, 2015 at 11:49 #

jader on 13 Abril, 2015 at 13:02 #

Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos