Retrocesso:Fila da água no carro-pipa, bairro Uruguai

DEU NO CORREIO24HORAS

Clarissa Pacheco

Água virou ouro após o oitavo dia consecutivo de desabastecimento para cerca de 35% da população de Salvador — equivalente a mais de 1 milhão de pessoas. Se o preço dos garrafões com 20 litros de água mineral mais que dobrou (de R$ 7 para R$ 15), o valor do caminhão-pipa subiu 160%. Em meio à crise, 16 mil litros chegam a custar R$ 800. Em dias normais, o valor é R$ 300.

Além do preço salgado, não é para qualquer lugar que as empresas de caminhão-pipa aceitam fazer a entrega. “Tem sido ruim por conta da insegurança. Na Cidade Baixa, a gente não está trabalhando, porque o pessoal saqueia o caminhão, ameaça os motoristas com pedras”, disse Deraldo Lobo, dono da K-Lim Água Potável.

O proprietário de caminhão e também motorista Adailton de Souza afirmou que chega a fazer entregas com escolta. Em outra empresa, a Paulimar Água Potável, a escolta é feita pelo próprio dono, Márcio Sena. Ele vai até a fonte na Via Regional, onde o caminhão é carregado, e acompanha o veículo em outro carro.

“A escolta quem faz sou eu. A gente não está sendo saqueado porque eu faço uma triagem de onde a gente vai. Só hoje (ontem) eu recebi mais de 300 ligações, a maioria da Cidade Baixa, justamente porque quase ninguém vai lá”, apontou Márcio.

Saque

Segunda à tarde, o motorista Epaminondas Neto, 28 anos, sentiu o risco de perto. Ele levava um caminhão-pipa para abastecer um duto da Bahiagás quando o veículo quebrou no Largo do Tanque.

“Parei para fazer a manutenção no motor e o pessoal levou a água quase toda. Eu tive que fechar os vidros da cabine e me esconder dentro de uma oficina”, disse.

Salvador está com o fornecimento de água comprometido desde a quarta-feira passada, quando um acidente nas obras do metrô, realizadas pelo concessionária CCR, rompeu uma adutora na Jaqueira do Carneiro, na BR-324. Desde então, moradores, escolas, universidades e postos de saúde dependem do fornecimento emergencial de carros-pipa, feito pela Embasa, prefeitura e Exército.

Vender água virou negócio lucrativo. Até a quinta-feira passada, moradores do Uruguai iam a uma lanchonete na Rua Direta tomar suco. Mas, desde que começou a faltar água, o negócio do microempresário Robson Peixoto, 43, ficou inviável. “Fechei a lanchonete e cedi o espaço”, contou Robson. Agora, os moradores da região procuram o Mundo dos Sucos para comprar água.

O vendedor Ivan Araújo, 32, é novo no ramo. “Eu trabalho com transporte de mudança, mas desde ontem (segunda) vendo água”.

Funcionário do Lava Rápido do Pirão, na Federação, Marcílio Vilas Boas, 33, conta que desde quinta-feira as vendas do galão de 20 litros de água mineral aumentaram cinco vezes. “Em dias normais, vendemos cerca de dez garrafões por dia. Na quinta e sexta vendi mais de 50”, afirmou ele.

Em Dias D´Ávila, na Região Metropolitana de Salvador, o movimento em três empresas de fornecimento de água mineral chegou a dobrar. Na Indaiá, por exemplo, cerca de 30 caminhões formavam uma fila. Segundo o gerente de operações da Indaiá, Rodrigo Sindeau, a alta movimentação no ponto de distribuição deve-se, sobretudo, ao desabastecimento na capital.

Moradores da Ribeira, Caminho de Areia, Massaranduba, Uruguai e Jardim Cruzeiro garantem já ter pago até R$ 50 em um garrafão de 20 litros. O motorista Jailson Costa Júnior, 25, desembolsou R$ 45 – sem o garrafão.

Sem condições de arcar com a inflação no preço da água mineral, Jailson se juntou a pelo menos duas dezenas de pessoas que formaram uma fila ao lado de um cano estourado na Cesta do Povo do Caminho de Areia. A tubulação foi rompida por moradores anteontem à noite.

Vandalismo

Apesar da busca pela água, ainda houve quem praticasse vandalismo. Ontem pela manhã, dois caminhões-pipa foram enviados pela Embasa ao Bom Juá, onde moradores haviam fechado a BR-324 em protesto na noite de anteontem. No entanto, quando os caminhões chegaram, a maior parte da água foi desperdiçada.

A Polícia Militar foi ao local e conseguiu conter a farra. Mas cerca de 70% da água foi perdida.

(Colaboraram Diogo Santos e Naiana Ribeiro)

abr
08
Posted on 08-04-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-04-2015

DEU NO DIÁRIO DE NOTÍCIAS, DE LISBOA

por Luís Reis Ribeiro

Depois do descalabro que foi o “subprime”, há um produto financeiro que está inquietando o Fundo Monetário Internacional (FMI), que o vê como um novo foco de risco para a estabilidade dos mercados mundiais e para as economias: os investimentos “plain vanilla” (produtos simples, numa tradução mais literal), hoje muito populares por, aparentemente, serem menos alavancados e arriscados do que os produtos complexos.

Parece que não é bem assim. O alerta surge num dos capítulos analíticos do relatório da primavera sobre a Estabilidade Financeira Global, hoje divulgado. No estudo, o FMI repara que “mesmo estes fundos plain-vanilla podem colocar riscos à estabilidade financeira”.

==========================================

ONDE ME ESCONDER DE MIM?

Maria Aparecida Torneros

O dia é 7 niver da avozinha espanhola distante no tempo mas presente nas lembranças. Mas é também o centenário da Billie holiday aquela que morreu com 44 anos de cirrose hepática e tinha voz de um veludo verde escuro. Seu jazz me atravessa o peito. Eu deveria fazer radiografias da coluna hoje mas desisti. Vi mamãe ontem e observei suas crescentes limitações dos 88.

Quero me esconder de mim. Já tomei uns comprimidos. Tiram dores. Dão sono. Ouço um CD de Ray Connif. É ritimado. Lembro dos muitos LPs dele sua orquestra e coro que comprei na juventude.

Deito na minha cama e vou buscar uma coberta. A temperatura caiu. Este outono chegou trazendo chuva por aqui. Onde envio a cabeça num buraco? Mas precisava esvaziá-lá primeiro. Tantos pensamentos a invadem. E as buscas? Já passeei até no google buscando um quarto pra alugar na Urca. Talvez fosse uma solução. Esconderijo perfeito com janela de vista para o mar.

Mas não posso me esconder dos meus três gatinhos. Sentem minha falta. Repousam nos meus pés e roçam nas minhas pernas. As vezes parecem falar comigo. Geralmente me perguntam porque quero tanto fugir e me esconder. Noutras fazem graça e correm pela casa derrubando algo quebravel. Provavelmente sentem que se eu me zangar desisto de me esconder.

Eita 7 de abril pasmacento. Arrastado. Silencioso. O CD acabou e nada ou ninguém toca ou canta. Tem o barulhinho da chuva lá fora e o meu coração bate aqui dentro. Ontem fui ao cardiologista. Ele gostou fos índices. Colesterol baixou. Saí de lá passei na padaria e comemorei comendo 4 empadinhas de uma vez. Em casa completei com chocolate.

Minha amiga Re me convidou para um cineminha mas mudei de planos.

Preguiça extrema. Nem radiografias e nem cinema. Tampouco medico ou afins. Refiro me aos fisioterapeutas e etc.

To me encolhendo na minha cama do my way a lá Frank Sinatra. E há tanta vida lá fora das cavernas onde nossos ancestrais se protegeram dos dinossauros.

Um sentimento estranho se enrosca em mim. Parece abraço de amigo urso. cansei de noticiários. Cansei de piadas babacas. Trocar roupas e bolsas também cansa. E lembrar? Caramba nunca pensei que lembrar fosse tão cansativo. Milhões de neurônios a postos para trazer um nome qualquer.

Cérebro complicado. Mas já vão fazer transplante de cabeça. Coisa doida? Nem sei. Talvez seja a solução para o esconderijo perfeito.

ponham no meu pescoço a cabeça de alguém que não leu quase nada e quem sabe ela me seja leve. Minha coluna pode até desentortar por não ter que suportar tantas pesquisas e reflexões. Tudo isso ao longo dos anos pesa demais…

Por enquanto me escondo aqui. Ora não vou contar pra você e nem quero mais brincar de pique esconde.

Ache a Billie. No Mr. Google

Ela faz 100 anos. E se você ouvi-la com atenção vai encontrar um tiquinho de mim na voz lamentosa dela. Viva o 7 de abril que é também dia da imprensa. Profissão que já exerci e cansei.

Digamos que ao encontrar a Billie você se reencontre comigo um pouco. OK?

Cida Torneros é jornalista e escritora, mora no Rio de Janeiro. Editora do Blog da Mulher Necessária

abr
08

BOM DIA!!!


Temer e Dilma em evento no Palácio do Planalto.
/ UESLEI MARCELINO (REUTERS

DEU NO EL PAÍS

A presidenta Dilma Rousseff foi buscar dentro do próprio Palácio do Planalto uma solução para seus problemas de articulação política com o Congresso Nacional. Após falhar a tentativa de transferir o ministro Elizeu Padilha (PMDB), da Secretaria da Aviação Civil, para a Secretaria de Articulação Política, Dilma optou por entregar a interlocução com a base de seu Governo a outro peemedebista: o vice-presidente da República, Michel Temer, que ocupa agora o lugar que foi do criticado Pepe Vargas (PT).

A missão de Temer é basicamente pacificar o Congresso Nacional, onde seus companheiros de partido, os presidentes Renan Calheiros (PMDB), do Senado, e Eduardo Cunha (PMDB), da Câmara, têm conduzido pautas à revelia da presidenta. A esperança de Dilma é poder cobrar mais de seu vice a tarefa de unir das várias alas da sigla, que vem reivindicando publicamente participação programática no Governo ao mesmo tempo em que defende bandeiras incômodas para o Planalto. Enquanto Cunha desengavetou projetos como os que propõem a redução da maioridade penal e a regulamentação da terceirização, Calheiros tem defendido a autonomia do Banco Centra e a limitação do número de ministérios para 20 — com a mudança desta terça, a quantidade de pastas cai de 39 para 38. Enquanto isso, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, tenta convencer os congressistas a aprovar os ajustes fiscais encampados pelo Governo.

Segundo o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, a nova função de Temer foi “fortemente apoiada por todos os partidos” da base e “essa solução política, neste momento com tantos desafios, ajuda a melhorar as relações com o Congresso, entre os Poderes e entre base aliada”. A jornalistas, Mercadante destacou a experiência de Temer como um “homem público de larga experiência”, lembrando que o vice foi constituinte, atuou como presidente da Câmara por mais de uma vez e até assumir a vice-presidência era presidente do PMDB.

“É a liderança que melhor reúne condições de fazer esse trabalho”, assegurou o ministro-chefe da Casa Civil, para quem Temer tem o perfil de conduzir a articulação política e “agregar a base aliada”. Com a troca, Dilma chega à quarta mudança em seu ministério após assumir o segundo mandato. Nesta semana, o professor de Ética Renato Janine Ribeiro assumiu o Ministério da Educação no lugar de Cid Gomes, que deixou a pasta após bate-boca no Congresso Nacional. Antes, o ex-deputado estadual Edinho Silva já havia assumido a Secretaria de Comunicação Social no lugar de Thomas Traumann e Mangabeira Unger tinha retornado ao comando da Secretaria de Assuntos Estratégicos no lugar de Marcelo Néri.

abr
08
Posted on 08-04-2015
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-04-2015


Sid, no portal de humor gráfico A Charge Online

DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

E a seca chegou a Salvador

Um conceito é elementar na indústria: acidentes não acontecem, são causados. Parte-se do princípio lógico de que, quando há ocorrência de gravidade no processo, é porque pelo menos um ou mais fatores que poderiam ser evitados contribuíram para aquele desfecho.

Cabe à área de segurança industrial, supervisionada pela direção e instâncias especializadas, analisar as circunstâncias e fases precedentes do sinistro com o fim de determinar medidas que tornem impossível a repetição do desastre pelos mesmos motivos.

Tudo isso para dizer que, certamente, tanto as obras do metrô, nestes 15 anos, já provocaram problemas e prejuízos a terceiros como a própria Embasa, na sua também longa história, já sofreu na rede de abastecimento numerosos rompimentos em razão de obras diversas.

Não será, portanto, nenhum amador que ensinará aos engenheiros e técnicos das obras do metrô e da Embasa o que deveria ter sido feito para que, neste momento, um milhão de pessoas em mais de 30 bairros de Salvador não estivesse privado do consumo de água. A questão é saber por que eles deixaram que isso acontecesse.

————————————————————————–
Aproveitando a deixa

Governo pensa em lançar a campanha “Balde para Todos”.

DEU NO PORTAL EUROPEI TSF

Cerca de 300 cofres de depósito de joias foram roubados de um edifício no centro de Londres, no Reino Unido, durante o fim de semana prolongado da Páscoa, anunciou hoje a polícia e os veículos de comunicação locais.

Num comunicado, a polícia londrina diz que só foi alertada hoje de manhã sobre o “ataque” às caixas de depósito que habitualmente são alugadas por joalheiros numa empresa de segurança em Hatton Garden.

As autoridades indicam que os autores do roubo conseguiram entrar pela caixa de um elevador, usando equipamento pesado para abrir os cofres, depois de terem desarmado o sofisticado alarme do edifício.

O jornal The Daily Telegraph e a televisão Sky News noticiaram a existência de pelo menos 600 cofres nas instalações, mas as autoridades não deram nenhuma estimativa do valor do assalto.

O último roubo deste tipo, em Londres, ocorreu em Knightsbridge, em 1987, e foi considerado um dos maiores da história, avaliado em 60 milhões de libras esterlinas (cerca de 81 milhões de euros).

  • Arquivos