DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

É preciso ter fé para salvar a Paralela

O governador Rui Costa e o prefeito ACM Neto, com direito a tiradas humorísticas, reuniram-se para discutir assuntos do interesse de Salvador, entre as quais o metrô que se projeta para a Avenida Paralela, indo da Rótula do Abacaxi a Lauro de Freitas.

Nesse caso, deveriam todos os soteropolitanos, mesmo os que não professam religião, unirem-se em oração para que os corações dos dois mandatários sejam iluminados e eles não perpetrem esse atentado contra a cidade.

Desde que o assunto entrou na pauta, há alguns anos, chamamos a atenção para aspectos negativos de um obra dessa envergadura, especialmente o custo e a dificuldade de execução na maior avenida da capital, tendo como parâmetro o metrô calça-curta do Bonocô, de 15 anos e cinco quilômetros.

Mas destacamos também a questão estética e ambiental, apontando o crime social que seria acabar o canteiro central da Paralela, com seus gramados, jardins, árvores e lagoas, sem falar nas formações rochosas de grande beleza.

————————————————————


Na Paralela, projeto de um monstrengo ainda
pior que o metrô calça curta de Salvador

Professor vê segregação social na obra

Não um leigo, mas um especialista, o arquiteto e professor universitário Paulo Ormindo de Azevedo, tem sido, ao longo dos últimos anos, um crítico frequente do projeto atual, em palestras, debates e artigos na imprensa.

Em 2013, na Câmara Municipal, já dizia que “o mais apropriado seria um projeto simples, no estilo em trincheira, que permitiria a manutenção do gramado no canteiro central da Avenida Paralela, com ciclovias e outros equipamentos de lazer, dispensando viadutos e passarelas”.

No último domingo, em A Tarde, no texto “Dividindo Salvador ao meio”, Ormindo, que voltou a abordar os aspectos paisagístico-ambiental, econômico e técnico da construção, deu destaque a um enfoque de natureza sociológica:

“Como a Paralela tem muito pouca ocupação ele vai funcionar mais como um trem suburbano que metrô e criará uma barreira intransponível ao nível do solo de 19,5 km separando a cidade rica da orla do Atlântico da cidade pobre do Miolo”.

========================================

BAHIA EM PAUTA COMENTA: Corajosa, fundamentada e apropriada opinião (sustentada em informações relevantes) do jornalista Luis Augusto Gomes, publicada em seu blog Por Escrito, esta semana, e reproduzida hoje (25) neste Bahia em Pauta.

Por escrito pode contar com o BP na louvável atitude de denúncia e ação de combate contra mais este atentado que se planeja perpetrar contra a Cidade da Bahia, às vésperas de comemorar 466 anos de fundação.

BP contribuirá não só com a reza a todos os santos e a todos os orixás, para que livrem a cidade de mais esse mostrengo nascido do improviso do poder público. Arquitetura mambembe de visível interesse político e eleitoreiro ( e sabe-se lá que outros interesses submersos mais, a julgar pelo arremedo de metrô que temos, em 15 anos de obras e rios de dinheiro “escorridos”). A situação até clama por uma CPI séria e independente.

Olho vivo, Salvador. Não se deixe engana outra vez pelo mesmo conto. Para conferir depois, quando não tiver mais jeito.

(Vitor Hugo Soares)

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 25 Março, 2015 at 5:35 #

Faltou acrescentar: Paulo Ormindo não e’ um especialista e professor qualquer, e’ preciso realçar tratar-se de um erudito na matéria em questão.


rosane santana on 25 Março, 2015 at 5:43 #

Cidade onde 77,8% dos eleitores ganha até 3 salários mínimos, o nível de escolaridade e’ segundo grau incompleto; o interesse em política e’ baixo ( Pesquisa P&A janeiro de 2015) e a imprensa não existe, fica difícil imaginar uma reação. Portanto, podem aguardar a o mostrengo vem si, como veio o da Bonoco.


rosane santana on 25 Março, 2015 at 5:45 #

Detalhe: Deus nunca foi baiano, nem brasileiro e certamente não nos livrará.


rosane santana on 25 Março, 2015 at 5:47 #

Correção: nível de escolaridade e’ até segundo grau incompleto, maciçamente.


luis augusto on 25 Março, 2015 at 14:28 #

Ró-Ró e Vitor, especialmente eu, que moro há mais de 30 anos do Imbuí e vi o areal onde meus filhos rolavam duna abaixo ser tomado de assalto, sofro com esse destino da Paralela, mas isso é um problema de toda a cidade, da Bahia, do Brasil.

Meu desespero vêm da convicção de que não haverá jeito, de que arrebentarão tudo, e o martírio será de anos e anos com obras, engarrafamentos, lama, equipamentos.

É aquela história do Brasil: apesar de todos sabermos que isso é uma falcatrua para meter os dentes no Tesouro, “mesmo em face de maior” fracasso, não haverá solução, só frustração.

Por isso o apelo a Deus, de que nacionalidade seja, porque é aquele caso clássico: não temos a quem recorrer.


luis augusto on 25 Março, 2015 at 14:34 #

Vítor, desculpe o desabafo pessimista depois de você ter encampado de maneira tão enfática a ideia de salvar a Paralela, sobretudo com as palavras a mim dirigidas.

Vamos tentar, apesar da nossa pequenez, juntar forças para encarar isso. Quem sabe, você que conhece muita gente, o envolvimento de entidades profissionais, ambientalistas, imprensa, o movimento social.

Não é possível ter de engolir interesses mesquinhos que você bem descreve em seu comentário. Vamos pedir ideias aos amigos para evitar que esse medo se transforme em tragédia.


vitor on 25 Março, 2015 at 14:45 #

Vamos sim, Luis, vamos pedir ideias e ver no que dá. Quem sabe! Pena que João Ubaldo se foi. Ele entrou na briga contra a ponte Salvador-Itaparica (outra armação igual a essa do metrô da Paralela) e fez a turma das empreiteiras recuar. Vamos em frente!


Taciano Lemos de Carvalho on 25 Março, 2015 at 16:07 #

Vitor,
E que todos os nossos Orixás da Bahia também trabalhem pela não construção dessa gerigonça, dessa estupidez, na Avenida Paralela. Que os tambores espantem essa ideia troncha desses empreiteiros e políticos mais tronchos ainda.


vitor on 25 Março, 2015 at 17:25 #

Viva, Taciano!!!

Que bom ouvir o seu grito de protesto desde Brasília ,contra a geringonça da Paralela , ecoar por aqui. Se o Gama Livre entrar na briga ficaremos mais fortes.
Além disso, a exemplo de seu saudoso irmão e digno jornalista da Bahia, Ivan de Carvalho, acredito que numa briga como esta, o princípio vale muito. As vezes consegue bater interesses, do tipo dos que se escondem sob essa armação. Vamos lá!


Taciano Lemos de Carvalho on 25 Março, 2015 at 17:29 #

Vitor.
O que depender de mim e do Gama Livre tenha certeza que estaremos juntos nessa luta pela nossa querida Cidade da Bahia. Grande abraço.


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos