Festa da AMAB , com Lewandowski, na Associação Comercial da Bahia

DEU NO BLOG POR ESCRITO ( DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES )

Nas barbas da República

Foi Darci Ribeiro, no retorno do exílio, diante da realidade que constatou no país, quem usou na política, pela primeira vez, a expressão que era comum na hora dos deveres escolares da infância: “Vamos passar o Brasil a limpo”.

Por causas diversas, isso não foi possível, apesar do esforço, até a morte, dele e de outros compatriotas honestos e conscientes nas elites dirigentes que ainda tínhamos em grande quantidade.

O regime democrático mostrou-se incapaz de desatar o nó que garroteou a nação, aprofundando, apesar dos avanços, vícios antigos, prosperados durante a ditadura que pretendia erradicá-los.

A frase do ilustre e saudoso antropólogo vulgarizou-se na boca dos políticos que passaram a dominar a cena nacional, assim como outras expressões de palavras vazias, como “agenda positiva” e “reforma política”.

Hoje, mesmo diante da grave situação que atravessamos, com a falência dos serviços públicos, a generalização da corrupção e a crise social, temos de engolir manobras claramente consumadas com o fim de postergar mudanças e neutralizar a reação da sociedade.

Nesse sentido, a designação do ministro Dias Toffoli para presidir o julgamento da Operação Lava-Jato não é tão grave por ter sido ele advogado do PT quanto pela visita que fez à presidente Dilma no dia seguinte à indicação.

Exemplo desses, partido da alta cúpula do poder nacional, é que dá lógica ao juiz do caso Eike Batista sair de Porsche por aí, levando na mala dólares, euros e reais.

A mesma lógica de vereadores e prefeitos que, dentro da suposta reforma de moralização da política, querem dois anos de mandato gratuito.

A propósito, dispomos, modernamente, de entidades representativas de vereadores e magistrados atuando como sindicatos fossem.

Os políticos, não para discutir princípios e metas em benefício da população, mas como continuar engordando os próprios interesses, desde o acréscimo de recursos públicos a seus projetos à violação mais conveniente da legislação.

Os doutos juízes, concursados, de nível universitário, não almejam, no convívio corporativo que praticam, medidas para dar eficiência à prestação jurisdicional, e sim a proteção de salários e benesses e a luta pela ocupação do poder dentro das instituições, além da presença nas colunas sociais.

Não há esperança concreta a se alimentar sobre o futuro quando, nas barbas da República, os dignitários que manejam os cordéis das possíveis soluções não optam pela clareza e seriedade de objetivos, preferindo o exercício do subterfúgio e a ciência da dissimulação.


Forum Rui Barbosa:templo da justiça na Bahia
====================================================

Negócios, negócios, justiça à parte

Em artigo no site Bahia em Pauta, do qual é o editor, o jornalista Vítor Hugo Soares assim resumiu a escolha do local para a festa pela passagem dos 50 anos da Associação dos Magistrados da Bahia, em parágrafo que inspirou o texto acima:

“Na cidade do Fórum Rui Barbosa – templo jurídico maior, solene, tradicional e marcante das cerimônias da magistratura local e nacional –, o ato da Amab, no entanto, foi realizado no prédio da Associação Comercial da Bahia, histórica sede da primeira corporação de homens de negócio criada no país”.

Be Sociable, Share!

Comentários

rosane santana on 16 Março, 2015 at 19:42 #

Beleza, Luis!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos