mar
14
Postado em 14-03-2015
Arquivado em (Artigos) por vitor em 14-03-2015 00:50


OPINIÃO

CPI da Petrobras na TV

Maria Aparecida Torneros

Para qualquer observador dos pressupostos de informação que as transmissões ao vivo de CPIs ou interrogatórios legislativos ou judiciários podem repercutir no inconsciente coletivo brasileiro ,o que se tem presenciado é um desfile grosseiro de anti comunicação.

Não é questão de censura ou filtragem mas de respeito ou noção de vida republicana e institucional.

De há muito o nivel dos nossos parlamentares e até dos nossos representantes judiciais foi baixando e se deteriorando. Fala-se de desvio de milhões como se fosse algo normal diante de um povo sofredor que conta tostões para sobreviver e elege políticos ou crê na justiça como tábua isenta para suas salvações legais.

Mas os canais se limitam a deixar correr como se fira um BBB reality show onde frases e confissões nem parecem levar em conta a disparidade que o momento politico nacional pressupõe.

Os estadistas teriam seu papel se conseguissem separar joio de trigo. Mas estão escassos ou comprometidos ou engessados ou acreditam em oportunidade de faturamento de suas exposições segundo modelos que já se auto destruíram.

A mídia televisiva se limita a transmitir e os analistas ( mesmo os melhores jornalistas) não conseguem estancar seu ar de perplexidade diante da grande responsabilidade que é a concessão da comunicação social.

Não é o caso de mentir. Jamais. Tudo o que precisamos é transparência com isenção e menos teatro. Centenas de milhares de pessoas são diretamente afetadas pelo escândalo do Petrolao. E o que se vê é cada investigado ou mesmo delator premiado depor como se herói fosse por ter decidido assumir mea culpa.

Que jornalismo é esse que nem questiona obstinadamente os resultados da paralisação do país diante do quadro a nós impingido como destino cruel.

Pergunto me se as tais forças ocultas que fizeram Janio renunciar num tempo sem TV ao vivo não teria mais neutralidade de ação para trazer o drama politico e social de uma corrupção escancarada aos lares de criaturas que aprendem a exercer a democracia e já desconfiam se lhes enganam ou ludibriam descaradamente.

Uma presidente eleita e mal avaliada porque o tal ajuste fiscal está mal explicado. Um país a beira do ataque de nervos e as figuras de presidentes de Senado e Câmara Federal que não nos pedem desculpas de nada. Afinal são perfeitos.

Errados somos nós que assistimos falas que mencionam imensos roubos e nos afrontam dignidade.

Os meios de comunicação que precisam da publicidade parecem cautelosos ou se agregam como agremiações ideológicos. Os apresentadores são repetitivos. As analises carecem de propostas coerentes. Nossos jovens e crianças são parte do público e a eles é dada essa plêiade de desajustes ou tantos desmentidos.

A frase mais repetida. Nunca participei disso. Parece que o jornalismo investigativo morreu. Não conseguem provar ou mostrar os tais encontros em hotéis onde se combinava a distribuição do dinheiro desviado.

Onde estão os repórteres com fontes especiais?

O tal lero lero do tempo de Noel Rosa voltou à moda. A única novidade é a atuação do temido Ministério Publico.

O corporativismo é palavra de ordem. Ou seria um procedimento globalizado imposto pelo poder?

Mídia corporativa é tão nociva quanto corrupção sistêmica.

Exame de consciência virou historia da carochinha e verdade parece peça de leilão de antiguidades.

Os depoentes merecem mesmo ser chamados de excelências. A nós que somos publico restam perplexidade, prejuízos,decepções e paciência para novas cenas de teatrinho com roteiros que nem mencionam nossas dores ou desempregos ou papel de enganados de plantão.

Mídia esquisita em tempos de muitas revelações ou de inúmeros desencantos. O Brasil é maior e merece mais. Pelo menos que se calem mais e mintam menos.

Maria Aparecida Torneros, Jornalista e escritora carioca , editora do Blog da Cida

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos