Josias Gomes (com Zé Dirceu):novo mago do PT baiano

===================================================


DEU NO BLOG POR ESCRITO (DO JORNALISTA LUIS AUGUSTO GOMES)

Política eólica em Camaçari: ao sabor do vento

O DEM terá o vereador Elinaldo concorrendo à Prefeitura de Camaçari, o deputado federal eleito Luiz Caetano (PT) atropela por fora com mais que provável candidatura, Maurício Bacelar (PTN) está na raia e, imagina-se, o prefeito Ademar (PT) vai tentar a reeleição.

É um quadro da mais elevada estesia política: Ademar disputou em 2012 com o completo e incontornável apoio de Caetano, contra o eleitoralmente Maurício de Tude, civilmente Maurício Bacelar, que era aliado de Elinaldo.

A questão do sobrenome é lembrada porque, em primeiro lugar, sob o comando do grande líder do PTN na Bahia, deputado João Carlos Bacelar, irmão de Maurício, o partido saiu da base do prefeito ACM Neto e atrelou-se ao governador Rui Costa. Por extensão, tende a alinhar-se ao aliado de Rui, que é Ademar.

Numa visão mais ao longe, não são conhecidas, ao menos para os mais alheios, as ideias e pretensões do ex-prefeito e ex-deputado José Tude (PTN), candidato mais que vitorioso no último pleito, mas que, lamentavelmente, não pôde concorrer por falha que o deixou inelegível.

Caetano e Ademar têm uma disputa partidária a resolver, sendo, por enquanto, incerto o que poderá vir de uma medição interna de forças. Diz-se que Caetano controla o partido, mas o prefeito, além da própria máquina, conta com a do governador para ajudá-lo na pedregosa caminhada.
Imprimir Imprimir Enviar por e-mail Enviar por e-mail

============================================================

Mago e pensador, Josias cuidará de Ademar

O quadro não é diferente do outro lado, e aí vem de novo a questão do sobrenome: o Tude original e o Tude sobressalente são do PTN, o que exclui um deles. A dúvida é se comporão irmãmente, como no passado, ou se sairão por partidos diferentes, o que obrigaria Maurício Bacelar a usar o nome de batismo.

O dado realista da equação é que, considerando os números equilibrados da última eleição em Camaçari, na qual o então caetanista Ademar teve 49% e seu adversário Maurício, 43%, uma aliança entre eles parece imbatível.

Essa aritmética não é tão simples, mas, por coincidência, o pensador Josias Gomes, escudeiro do governador, disse há poucos dias que, em política, dois mais dois não são quatro. Cabe-lhe tomar conta dessa calculadora para fazer a soma a seu modo – aí já com os poderes de mago.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos