dez
03
Postado em 03-12-2014
Arquivado em (Artigos) por vitor em 03-12-2014 00:46

=======================================

DEU NO BLOG DE JOSIAS DE SOUZA/UOL

Josias de Souza

Sob tumulto, o presidente do Congresso, Renan Calheiros, suspendeu pouco antes das 21h a terceira tentativa de votar a projeto da manobra fiscal, que autoriza o governo a fechar suas contas no vermelho em 2014. A sessão teve uma atmosfera de estádio de futebol.

Do alto das galerias, cerca de duas dezenas de pessoas faziam o papel de torcida. Juiz supremo da partida, Renan ordenou à polícia do Senado o esvaziamento das arquibancadas. Seguiu-se um rififi que provocou a interrupção da sessão por uma hora e meia. Como não conseguiu restabelecer a ordem, Renan viu-se compelido a adiar o jogo para a manhã desta quarta-feira.

O fósforo foi riscado no instante em que subiu à tribuna a líder do PCdoB no Senado, Vanessa Graziottin (AM). Ela foi vaiada ao defender a “responsabilidade fiscal” de Dilma. Pediu respeito às galerias. Desatendida, desceu do púlpito. A deputada Jandira Feghali (RJ), também do PCdoB, foi correu ao microfone. Acusou os manifestantes de chamarem a correligionária de “vagabunda”.

Jandira pediu a Renan Calheiros que fizesse valer sua autoridade de presidente do Congresso para determinar o esvaziamento das galerias. Foi atendida. Sob a alegação de que as galerias estavam “partidarizadas”, Renan mandou que a Polícia do Senado entrasse em ação.

Inconformados, congressistas de oposição foram mais ágeis do que os agentes da segurança. Correram do plenário para as galerias. E fizeram uma espécie de cordão humano de proteção aos manifestantes. Estabeleceu-se um impasse.

Instado por líderes oposicionistas a reconsiderar a decisão de silenciar a torcida, Renan disse que não recuaria. Recebeu apoio efusivo de congressistas do PT. Para os petistas, a torcida gritou: “O PT roubou”. E para os ‘comunistas do B’: “Vai pra Cuba”.

A favor da ação dos seguranças, o petista Amauri Teixeira (BA) chamou de “merda” o tucano Domingos Sávio (MG), autoconvertido em protetor de manifestantes. Houve uma súbita inversão de papeis.

A comunista Jandira Feghali ralhou com as galerias: “Esses manifestantes são uma claque paga pela oposição”, disse. “Não representam nada nem ninguém. Estavam, democraticamente, ocupando as galerias. Na hora em que a senadora Vanessa foi falar, chamaram de vagabunda. É um desrespeito às mulheres e ao Parlamento. Não podemos admitir. Deputados que pagaram a claque estão ali, impedindo o trabalho da segurança.”

O deputado ‘demo’ Paudernei Avelino (AM) saiu em defesa das arquibancadas: “O que houve foram palavras de ordem. Nenhuma agressão. A senadora não foi chamada de vagabunda. Não aconteceu isso. Sou deputado de uma época em que, para fazer reformas que o Brasil necessitava, sofremos com a hostilidade de galerias que jogavam moedas nos parlamentares. Esse povo está aqui da mesma forma, por entender que o melhor para o Brasil é não votar esse projeto” que altera o calculo da meta de superávit fiscal.

Doze anos depois do término do governo tucano de Fernnado Henrique Cardoso, tucanos e ‘demos’ tiveram uma noite de petistas. Na outra ponta, petistas e seus parceiros mais antigos já colecionam mais do que 15 minutos de má fama. A despeito da contrariedade do presidente do Congresso, só o PMDB não sofre. Ontem, como hoje, o partido de Renan está onde sempre esteve: do lado do governo.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos