dez
01
Postado em 01-12-2014
Arquivado em (Artigos) por vitor em 01-12-2014 01:21


Tabaré Vázquez no comício de encerramento da campanha,
dia 27 de Novembro AFP/PABLO PORCIUNCULA
======================================

DEU NO “PÚBLICO”, DE LISBOA

O médico oncologista Tabaré Vazquez, de 74 anos, que integra a coligação Frente Ampla de esquerda, era o grande favorito na votação em segundo turno das eleições presidenciais no Uruguai este domingo, 30.e a expectativa se confirmou nas urnas. Ele recupera o cargo que ocupou entre 2005 e 2010 e entregou ao seu correligionário José Mujica, que se tornou um dos políticos mais populares do mundo.

O novo Presidente do Uruguai pode reclamar um forte mandato para pôr em prática a sua agenda que conjuga uma visão econômica liberal e políticas de apoio social, depois de ser eleito com cerca de 54%% dos votos, deixando a mais de dez pontos o seu opositor de centro-direita, Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional.

Aos 74 anos, o favorito Vázquez volta a ocupar o cargo que já exerceu entre 2005 e 2010 (a Constituição do país impede a reeleição). Recebe o poder, no próximo mês de Março, do seu correligionário da coligação de esquerda Frente Ampla, José “Pepe” Mujica, o ex-guerrilheiro que se tornou um dos políticos mais populares do país (e também no resto do mundo) – e agora se tornará senador.

A vitória de Tabaré Vázquez consolida a Frente Ampla como a força política dominante no país. Nas legislativas que coincidiram com a primeira volta da eleição presidencial, a coligação que congrega 27 diferentes partidos e movimentos políticos de esquerda obteve a sua terceira maioria parlamentar consecutiva. O Presidente eleito é classificado como um moderado, defensor de uma via mais social-democrata do que socialista.

A opção pela continuidade é explicada pelos analistas com a situação de estabilidade econômica e social do Uruguai, graças a um crescimento superior a 4% que mantém o desemprego na casa dos 6% e torna possível o financiamento de programas de redução da pobreza (que desde 2002 caiu de 40% para 11%), e de acesso à educação, saúde e habitação de grande adesão popular.

“Tabaré receberá um país com as contas em ordem, a dívida sustentável e o grau de investimento estrangeiro bom, nos 5% do PIB. Mas a conjuntura internacional apresentará desafios”, alertou a diretora do Instituto de Ciências Econômicas da Universidade da República, Gabriela Mordecki, em declarações ao jornal brasileiro Folha de São Paulo.

No seu primeiro mandato, o Presidente agora eleito recuperou o país da crise e operou uma profunda reorganização econômica, beneficiando das circunstâncias externas de alta do preço das matérias-primas (o Uruguai tornou-se um dos maiores exportadores de soja para a China, por exemplo). Desta vez, prometeu promover o investimento direto estrangeiro.

Apesar do saldo positivo das contas nacionais, nem tudo corre bem no país, onde a taxa de inflação ultrapassa os 8% e os índices de criminalidade estão em alta. A insegurança e o alto custo de vida foram apontados pelos eleitores como as suas principais preocupações durante a campanha eleitoral

Tratado pelos seus apoiantes apenas pelo primeiro nome, Tabaré, o novo Presidente do Uruguai é um self-made man, que na juventude conseguiu uma bolsa de estudo para tirar o curso de Medicina em Paris e agora dirige a mais importante clínica oncológica do país. A escolha da especialidade tem uma história: Vázquez dedicou os seus esforços à compreensão da doença que matou os seus pais.

Tabaré Vázquez deixou o palácio presidencial com uma elevada taxa de aprovação de mais de 70%, o que não quer dizer que o seu mandato tenha sido isento de controvérsias. Aliás, teve de defender-se de acusações de abuso do poder e nepotismo, depois de nomear o seu irmão Jorge para um cargo na presidência.

Na inevitável comparação com o atual chefe de Estado, o que mais salta à vista é a diferença do “estilo” pessoal: Tabaré é um homem de gostos requintados e caros, que frequenta locais luxuosos e sempre usufruiu de todos os benefícios inerentes ao cargo, ao passo que grande parte da simpatia mundial por Mujica se explica pela sua modéstia e humildade – o Presidente que nunca se quis mudar para o palácio de Montevidéo, todos os meses distribui 90% do seu salário.

Mas também há diferenças ideológicas entre os dois: Vázquez sempre foi contra a legalização do aborto, do casamento de homossexuais ou da produção, venda e consumo de marijuana, três leis aprovadas por Mujica, confirmando as suas credenciais mais progressistas. Durante a campanha, o Presidente eleito esclareceu que não tinha mudado de opinião em relação a nenhum desses temas, mas também sublinhou que nada faria para revogar a legislação. “Antes de tudo, sou um legalista”, garantiu.

Be Sociable, Share!
Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos