BOM DIA!!!

Be Sociable, Share!

Comentários

Cida Torneros on 15 novembro, 2014 at 9:10 #

Meu avô português Antônio Silva era poeta e radiologista no hospital Sousa Aguiar no Rio nas décadas de 30, 40 e 50. Pai do meu pai, marido da minha avó Cármen , a espanhola, passou a profissão a 3 dos seus 8 filhos. Papai não a seguiu porque se sentia mal ao ver sangue. Nos anos 50, lá nas festas em casa dos meus avós , nas festas, o cantor do show ao vivo era Moreira da Silva , o motorista de ambulância amigão do vovô Antônio . Cresci vendo e ouvindo o fenômeno MORANGUEIRA DA SILVEIRA como carinhosamente ele era chamado. Lembro da sua figura de terno branco de linho branco e chapéu animando a animada noite do casamento da tia Vera e d baile no quintal do casarão suburbano. Os casais voltavam com passos a la gafieira carioca, e o acompanhamento era de um regional composto de sorridentes violinistas cariocas e malandros , gente risonha , com repertório misturado entre samba de breque e chorinho. Recordo um ápice , eu devia ter uns 5 anos, e todos entoando juntos, alegres, o finalzinho de Etelvina, acertei no milhar… 0 inusitado coro da saudade da minha meninice…foi um sonho minha gente!


vitor on 15 novembro, 2014 at 11:30 #

Maravilha de comentário e depoimento, amiga Cida. De encher os olhos e dar água na boca. Você fica devendo aos seus fiéis leitores do BP um texto contando mais coisas de Morengueira e família. Vou esperar, quando der. OK?

TIM TIM!!!


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos