============================================================


DEU NO JORNAL ESPANHOL EL PAIS (EDIÇÃO DO BRASIL)

Pela primeira vez em uma eleição para a presidência no Brasil duas mulheres aparecem emboladas na disputa pelo primeiro turno. Desde que sua candidatura foi lançada, após a morte de Eduardo Campos, Marina Silva (PSB) disputa, em pé de igualdade, a preferência dos votos com a presidenta Dilma Rousseff (PT). Outra mulher também está entre os candidatos, Luciana Genro (PSOL), porém com menos chances de chegar ao segundo turno, segundo as pesquisas eleitorais.

Com uma representação feminina deste porte, seria natural esperar que questões de interesse das mulheres estivessem na agenda do debate eleitoral. Mas na prática, isso não acontece. Uma pesquisa de 2012, realizada pelo Instituto Patrícia Galvão em parceira com o Data Popular e SOS Corpo, revelou que serviços de saúde mais eficientes (97%), transporte público mais eficiente (88%) e escolas em tempo integral para os filhos (83%) eram as três maiores demandas das mulheres para as próximas eleições. Hoje, porém, essas questões são tratadas de maneira genérica.

Dos 142,4 milhões de eleitores que devem votar nas eleições deste ano, 52% são mulheres. Neste ano também, o número de mulheres que disputam algum cargo nas eleições quase dobrou em relação ao pleito de 2010: 46% a mais de candidatas. Além disso, há mais de dez anos as mulheres representam a maioria da população brasileira, 51%, segundo o IBGE.

Mas os números provam que pouco adianta ser maioria em um país em que a maioria tem menos poder. No âmbito econômico, a diferença entre os salários pagos para homens e mulheres só aumenta. Segundo o IBGE, em 2009, os homens recebiam 24% a mais do que as mulheres. Em 2010, 25% a mais e, em 2012, a diferença subiu para 25,7%. Já na esfera social, entre 1980 e 2010, 92.000 mulheres foram assassinadas, sendo que 43.700 só na última década, um aumento de 230%.
mais informações

A candidata do PSOL, Luciana Genro, é a única que fala abertamente sobre questões como o aborto. Seu programa de governo tem um tópico inteiro para tratar de questões relacionadas às mulheres, dividido em dez subtópicos: combate à violência contra a mulher, aumento da oferta de vagas na educação infantil, legalização do aborto, em defesa do parto humanizado, pela equidade salarial, aumento do tempo de licença-maternidade e paternidade, por uma reforma política que fortaleça a participação feminina, por uma educação não-sexista, mulheres negras e combate à lesbofobia e transfobia.

Mesmo assim, Genro de longe não é a candidata mais feminista do país. Sua marca está muito mais no debate econômico do que de gênero.

A presidenta Dilma Rousseff (PT) e sua rival Marina Silva (PSB) pouco tocam em assuntos de interesse da mulher. No chamado programa de governo de Rousseff – o PT ainda não entregou o seu programa de governo completo – o texto se refere à Casa da Mulher Brasileira como algo decisivo para combater a violência e promover a igualdade entre as mulheres. Em 42 páginas, essa é a única menção às mulheres no programa de Rousseff.

Já no programa de governo de Marina Silva, há um capítulo específico para as mulheres, que trata de propostas como a “criação de um Fundo de Políticas Públicas para as Mulheres” e “apoiar a formalização do trabalho feminino”, e outras propostas mais vagas, como “estimular a criação de creches em todo o país”, algo que, sem números, fica difícil mensurar.

Embora o gênero tenha sido pouco explorado para discutir propostas, as candidatas não deixam de usar da condição de ser mulheres quando lhes convém. Marina Silva chegou a dizer que “não vai agredir outra mulher”, quando começou a ser alvo de ataques de Dilma Rousseff. A presidenta, por sua vez, já se defendeu das críticas que fazem ao seu jeito autoritário, rebatendo que “só porque é mulher”, deveria ser doce. E que se fosse um homem ninguém a questionaria nesse sentido.

Be Sociable, Share!

Comentários

Cida Torneros on 24 setembro, 2014 at 7:12 #

Beijinho no ombro! O paradoxo do momento. Mulheres morrem em clínicas de aborto clandestino no Brasil e nenhuma das candidatas fala disso? E a violência doméstica? Números ultrajantes que denotam o quanto o velho machismo ainda campeia, persegue e mata. O assédio moral? Ah, mas crescem os implantes de silicones em peitos e bumbuns, e, infelizmente cresce também os indices de câncer de mama por falta de acesso a exames de mamografia em rincões desta nação feminina. Creches? Casas de acolhida para mulheres violentadas e mal tratadas? Ora, tem novela para mostrar realidades deturpadas ou até justificar atitudes socio educativas de carater duvidoso. Saudades de Rose Marie Muraro e Heloneida Studart, mas, sei que muitas estão na luta, pois nenhum PIB é mais sério ou importante do que resgatar a mulher seu valor como construtora de um Brasil em que ela discuta economia e garanta seus direitos de cidadã, mãe e trabalhadora, muito mais do que sua sexualidade ou seu valor de mercado siliconado. Mulheres do Brasil, somos maioria! Afinal!


luiz alfredo motta fontana on 24 setembro, 2014 at 7:27 #

Fica uma dúvida

É apenas desleixo?


Mariana on 24 setembro, 2014 at 15:01 #

Não sei, Poeta!
Acho que é porque não dá ibope ou, no caso, voto, pois se nem mesmo algumas mulheres se dão conta do seu papel, do que representam, e se preocupam mesmo é com silicones, peitos, bundas e coisas que o valha…e não questionam ou buscam valorização e politicas públicas que lhes favoreçam, por que seria que as candidatas mais bem colocadas no pódium das eleições ao posto maior da República iriam falar no assunto neste momento em que só o que importa para elas são VOTOS?!?!
O buraco é bem mais em baixo…quando o melhor mesmo era que fosse bem mais em cima, para que tantas barbaridades não acontecessem com a gente.
Será que as mulheres brasileiras se sentem representadas pelas nossas candidatas?
Eu, por exemplo, não me sinto nem um pouco representada, como mulher, por nenhuma das duas candidatas, embora, por razões outras, votarei em uma delas!!!
Vida que segue, Poeta!!!


luiz alfredo motta fontana on 24 setembro, 2014 at 15:26 #

Vida que segue, Mariana!

Mas…

Mudança que urge!

Não resiste, a um lampejo de olhar crítico, essa persistência em negar, de fato, a igualdade de há tanto adquirida em direito e razão.

Desdenham, as candidatas, a maioria. Sim, não se pode relevar, as mulheres são a maioria, apertada, admite-se, mas maioria entre nós.

Tão ferozes essas senhoras em defender suas hostes políticas, em atacar os que lhe são adversários, porém tão mansas quando se trata da defesa do papel feminino.

Ontem, ao deixar a provocação em forma de singela pergunta, deixei também uma certa angústia, um incomodo, caso passasse em branco, sem despertar uma reação que fosse.

Teu comentário me salva, exatamente por ser teu, por ser uma mulher. Não acredito que os tópicos cruciais do feminino possam ser apenas componentes de uma visão aberta ou, pior ainda, magnânima, de um representante masculino. Não!. Essa defesa, esse mister deve ter a voz, o jeito, o teor, a textura, a fé, a forma, e a verdade, das que são suas legítimas detentoras.

A mudança urge!


luiz alfredo motta fontana on 24 setembro, 2014 at 18:14 #

Mariana

Só acrescento

O peixinho dourado, no aquário, por não saber reclamar das investidas do gato, acaba devorado.

Até quando as mulheres deixarão seus assuntos em mãos outras?

Eu posso racionalizar sobre, por exemplo, sobre aborto, mas sem nenhum conhecimento de causa.

Cobrar essas senhoras é o mínimo a ser feito Não adianta ser predident(A) ou “sabe-se lá o que da mata”, precisam ser MULHERES.


regina on 25 setembro, 2014 at 15:13 #

Nós mulheres temos várias armas que podem ser usadas, e creio já são, uma delas é O VOTO. Defendo o voto voluntário, mas creio no seu poder, ainda que sob a suposição de fraudes, é uma forma democrática de colocar e retirar quem no poder exerce, ou deveriam, nossos anseios.
Assim como temos o privilégio de escolher, deveríamos também preparar candidatas à altura aos cargos. A formação político/social conjugada a um currículo conivente com o desenvolvimento das posições e necessidades públicas, a todo nível, devem ser, no mínimo, parte dos requerimentos. O mero fato de uma origem humilde não dá garantia do entendimento de todas as outras fomes: escola, saúde, doméstica, religiosa divorciada do social, econômica, etc… e não garante um compromisso claro e irrestrito à essas causas que atingem em cheio, não só as mulheres, mas a população em geral da qual a mulher é célula mater!!!


regina on 25 setembro, 2014 at 15:17 #

à altura dos cargos, claro.


Graça Azevedo on 25 setembro, 2014 at 20:26 #

A propósito o comentário de Bob Fernandes do dia 24 está excelente.


regina on 27 setembro, 2014 at 15:54 #

Aqui, excelente artigo para ser lido e discutido em voz alta:
Aborto é tema tabu para os políticos em ano eleitoral no Brasil.
Por que uma grave questão de saúde pública não figura nas pautas de debates e só é discutido em termos de militância pró e contra.

por Letícia Duarte

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/proa/noticia/2014/08/aborto-e-tema-tabu-para-os-politicos-em-ano-eleitoral-no-brasil-4586770.html


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2014
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930