==================================================

=====================================================

CRÔNICA
A presidente que fala com Deus

Janio Ferreira Soares

Qualquer que seja o resultado desta eleição, Marina Silva já pode se considerar vencedora. Senão pelo fato de ter superado todas as dificuldades que pintaram na primeira parte de sua vida (malária, pobreza, contaminação por mercúrio…), pelo menos – e principalmente – pela surpreendente notícia de que ela, como se fora uma espécie de escolhida, mantém uma linha direta com ninguém mais, ninguém menos, do que Deus. Caraca!

Em se confirmando essa poderosíssima conexão, não tenho dúvidas de que a ex-senadora fatalmente será eleita, já que nenhum outro candidato demonstrou possuir um interlocutor de tamanho calibre, embora Dilma esteja convicta de que Lula possui atributos que lhe conferem certa equivalência com o Altíssimo. Em todo caso, diante desse acontecimento tão extraordinário, peço desculpas aos fanáticos de plantão, mas não tem como não imaginar o que poderá acontecer caso ela seja a nossa presidente. Simbora.

Meados de 2015, véspera de uma importante votação no Congresso. Depois de serem inocentados de alguma nova malandragem, Renan, Lobão e Sarney (com um tubo de oxigênio sob a cadeira de rodas) chegam ao Palácio do Alvorada para mais um achaque travestido de reunião. Antes de descer para recebê-los, Marina resolve conversar com Deus e, para tanto, segue à risca o ritual da canção de seu ministro Gilberto Gil. A sós, ela apaga a luz, despe-se, tira os sapatos, lambe o chão do palácio e apesar do mal tamanho a lhe espreitar degraus abaixo, tem que alegrar seu coração.

Enquanto isso, num ponto qualquer do firmamento, Deus, depois de mais um dia daqueles tentando resolver os problemas da Faixa de Gaza – e ainda tendo que aturar as preces das torcidas do Bahia e do Vitória para livrá-los do rebaixamento -, tenta relaxar tomando um vinho do Porto e ouvindo a trilha sonora de Cinema Paradiso. Na metade do tema de Totó e Alfredo, um insistente holograma com um mico-leão-dourado pulando de galho em galho começa a piscar em sua frente, o que o leva a emudecer fagotes e oboés com um gesto de mão idêntico ao que Jô Soares usa para silenciar o seu sexteto. Em seguida, com o humor afiado, pergunta: “o que foi dessa vez, Osmarina? Não me diga que é alguma revolução sexual na floresta, com os bichos querendo sair das tocas para reivindicar o acasalamento entre animais do mesmo sexo!”. Antes que ela prossiga, Ele continua: “eu bem que lhe avisei para não se meter na política e que era bem melhor pra você ter continuado convivendo com curupiras, sacis e mulas-sem-cabeça entre seringais e igarapés”. “Mas senhor, eu…”.

E antes que ela continuasse, Deus encerrou o assunto dizendo que lá, como cá, também existem os acordos entre o bipartidarismo que rege o Universo e que, para conter grandes tragédias e epidemias é preciso fazer algumas concessões, como entregar a alma de certos políticos ao líder da bancada oposicionista das entranhas.

Em seguida, serve-se de uma dose de bourbon, balança o dedo como o maestro do mundo e a voz de Bob Dylan cantando Mr. Bojangles ecoa pela galáxia, abafando o choro do outro lado da linha.

Janio Ferreira Soares, cronista, é secretário de Cultura de Paulo Afonso, na margem baiana do Rio São Francisco.

Be Sociable, Share!

Comentários

Mariana Soares on 13 setembro, 2014 at 14:21 #

Sensacional!!! Muitas palmas… e de pé!!! É isso aí…


Carlos Volney on 13 setembro, 2014 at 15:28 #

Concordo “ipsis literais”‘, Mariana. Eu ate ja escrevi aqui que espero ansioso a crônica do Janio. Leio,releio e guardo em meu arquivo pessoal. Ele, de certa forma, substitui meu queridíssimo e saudoso amigo Armando Oliveira. Olivinha conhece bem essa história.


Mariana Soares on 13 setembro, 2014 at 21:00 #

Também conheci o querido Armando Oliveira, Volney! Inesquecível! E vc tem razão na bem lembrada comparação! Viva!


Olívia Soares on 14 setembro, 2014 at 7:37 #

Janinho é bom demais, assume, sem favor, o espaço vazio deixado pelo saudoso Armando Oliveira na crônica nossa de cada dia. Na mosca, Volney.


Graça Azevedo on 14 setembro, 2014 at 10:09 #

Assinando junto com gente que sabe e tem sentimento, meus queridos amigos Mariana, Volney e Olívia (por ordem dos escritos que aos três quero igualmente!)


Deixe um comentário
Name:
Email:
Website:
Comments:

  • Arquivos

  • setembro 2014
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930