Marina no palanque em Brumado…

==================================================


E a multidão na rua da cidade baiana

=============================================================

DEU NO BLOG DE MARCELO ( BRUMADO -BA)

Logo após a chegada da candidata do PSB, Marina Silva, à cidade do semi-árido baiano, este sábado, 6, começou a caminhada junto com população com saída em frente ao DERBA, em direção ao palanque que foi montado na Rua Dr. Mario Meira no centro da cidade.

Um multidão lotou o centro da cidade em frente ao palanque para ouvir as propostas de governo da candidata . Estavam presentes ao evento a candidata a governadora do Estado pelo PSB, Lídice da Mata, e ao senado, Eliana Calmon, além de vários políticos e autoridades de Brumado e cidades vizinhas. Na história da política Brumadense esta é a primeira vez que um candidato a presidente vem à cidade para realizar campanha.

DEU NO PORTAL DE A TARDE (COM INFORMAÇÕES DO ESTADÃO)

Tiago Décimo

Em campanha em Brumado (BA), 555 quilômetros ao sul de Salvador, a candidata do PSB à presidência, Marina Silva, classificou como “ilação” a citação ao ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, morto em 13 de agosto, nas delações premiadas feitas pelo ex-diretor de Abastecimento e Refino da Petrobras Paulo Roberto Costa.

Sem se aprofundar no tema, Marina afirmou que “o fato de haver um investimento da Petrobras em seu Estado não dá o direito, a quem quer que seja, de colocá-lo (Campos) na lista dos que cometeram irregularidades” na empresa. “Neste momento, todo o Brasil aguarda as investigações dos desmandos da Petrobras, que estão ameaçando o futuro da empresa e o futuro do pré-sal”, disse. “O governo tem de explicar a má governança que ele fez na Petrobras, levando essa empresa que sempre foi exitosa e respeitada dentro e fora do Brasil a quase uma total falência. Algumas coisas não podem continuar.”

Marina ainda aproveitou para ironizar os recentes ataques que têm recebido por parte da campanha da candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT), que critica a suposta falta de prioridade que o programa de governo de Marina dá à exploração de petróleo e que levanta a suspeita de futura privatização da empresa.

“Quem está ameaçando o pré-sal não somos nós, nós vamos manter a exploração no pré-sal e usar os recursos para a saúde e para a educação, para que a gente tenha conhecimento, ciência, tecnologia, informação, para ajudar a melhorar o futuro do Brasil”, disse. “Quem ameaça o pré-sal é a corrupção que está assolando a Petrobras.”

O candidato a vice-presidente na chapa de Marina, Beto Albuquerque, também defendeu Campos das acusações. “Repudio as ilações e a vilania que estão tentando fazer contra Eduardo Campos depois que ele morreu”, disse. “Quando ele estava vivo, não tinham coragem de enfrentá-lo. Agora, começam a levantar acusações, como se ele pudesse se defender.

set
06

DEU NO CORREIO DA BAHIA

A cantora Simone Battle, 25 anos, que participou do do reality The X Factor com a banda G.R.L, morreu na manhã deste sábado (6). Segundo o site TMZA, o corpo de Simone foi encontrado em sua casa, em Los Angeles.

Ainda segundo o TMZ, o corpo de Simone foi encontrado no banheiro de casa. A Polícia de Los Angeles investiga hipótese de suicídio.

A RCA Records, gravadora da cantora, lamentou a morte de Simone. “Estamos tristes com a notícia trágica. Simone era um jovem talento e grande ser humano. Estamos devastados com essa notícia. Nosso pensamentos e orações estão com ela e sua família”, diz o comunicado.


Dilma em São Paulo:encontro com taxistas

===========================================================


A presidente-candidata Dilma Rousseff chamou de “especulação” as revelações de distribuição de propina a parlamentares e aliados do governo federal, detalhados com exclusividade na edição de VEJA deste fim de semana. Em ato de campanha em São Paulo, ela afirmou que “tomará as providências cabíveis” sobre o depoimento do ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal Paulo Roberto Costa, que aceitou negociar os termos de um acordo de delação premiada com a Justiça.

“Acredito que precisamos ter dados oficiais dessa questão. A própria revista que anuncia este fato diz que o processo está criptografado, guardado dentro de um cofre e que irá para o Supremo. Eu gostarei de saber direitinho quais são as informações prestadas nessas condições e te asseguro que tomarei as providências cabíveis. Não com base em especulação. Eu quero as informações. Acho que elas são essenciais e são devidas ao governo, porque, caso contrário, a gente não pode tomar medidas efetivas”, disse Dilma.

Até o momento, Costa afirmou que três governadores, seis senadores, um ministro de Estado e pelo menos 25 deputados federais embolsaram ou tiraram proveito de parte do dinheiro roubado dos cofres da Petrobras. Entre os nomes elencados por Costa estão os ex-governadores Sérgio Cabral, do Rio de Janeiro, Eduardo Campos, de Pernambuco, o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, além do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Os nomes das autoridades com foro privilegiado já foram encaminhados ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, responsável por levar o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF).

A equipe da campanha de Dilma à reeleição, assim como a de seus principais rivais, Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva (PSB), passaram a noite desta sexta-feira discutindo o impacto das denúncias de corrupção. Entre aliados de Dilma, a avaliação é a de que, por envolver aliados diretos do governo federal, parlamentares alinhados ao Palácio do Planalto e até um ministro de Estado, as revelações do ex-diretor da Petrobras causarão danos à campanha da presidente-candidata.

set
06
Posted on 06-09-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-09-2014



Thiago Lucas, hoje, na Folha de Pernambuco


Como o macacão autografado por Dilma,
Paulo Roberto deixa sua assinatura nas costas dela

=======================================================

DEU NO CONGRESSO EM FOCO/UOL/FOLHA

A edição da revista Veja que começou a circular neste sábado traz a relação de políticos (confira abaixo) que, segundo a semanal, foram apontados pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa como beneficiários de um esquema de corrupção na estatal operado por ele em sua passagem pela diretoria de Abastecimento, entre 2004 e 2012. Os nomes remetem a aliados das duas candidatas que lideram as pesquisas eleitorais para a Presidência da República, Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB).

A relação dos citados pelo ex-executivo vai dos atuais presidentes da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) – dois dos principais aliados de Dilma no Congresso – até o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), morto em um desastre aéreo no último dia 13 e de quem Marina era candidata a vice-presidente. A participação de cada um dos mencionados ainda será objeto de investigação.

Nos depoimentos que prestou até agora à Justiça, por meio da chamada delação premiada – acordo que prevê a redução da pena do acusado em caso de colaboração efetiva com as investigações –, Paulo Roberto apontou o envolvimento dos seguintes políticos no desvio de dinheiro público da estatal:

Edison Lobão (PMDB) – ministro das Minas e Energia

João Vaccari Neto (PT) – secretário nacional de finanças do partido

Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Câmara

Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado

Ciro Nogueira (PP-PI), senador e presidente nacional do partido

Romero Jucá (PMDB-RR), senador e ex-líder dos governos FHC, Lula e Dilma

Cândido Vaccarezza (PT-SP), deputado federal

João Pizzolatti (PP-SC), deputado federal

Mario Negromonte (PP), ex-ministro das Cidades, ex-deputado e atual conselheiro do TCM-BA

Sergio Cabral (PMDB), ex-governador do Rio de Janeiro

Roseana Sarney (PMDB), governadora do Maranhão

Eduardo Campos (PSB), ex-governador de Pernambuco e ex-candidato à Presidência, morto no dia 13 de agosto em um desastre aéreo

Revista usa fundo vermelho na capa, a exemplo do que fizera em edição com depoimento de Marcos Valério sobre o mensalão em 2012

Segundo a revista Veja, Paulo Roberto entregou, ao todo, os nomes de três governadores (considerando-se aí a atual governadora Roseana Sarney e os ex-governadores Sergio Cabral e Eduardo Campos), um ministro (Edison Lobão), um ex-ministro (Mário Negromonte), seis senadores e 25 deputados, além do secretário de finanças do PT. O ex-diretor da Petrobras também confirma que houve pagamento de propina no negócio que resultou na polêmica compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos. O prejuízo bilionário para a empresa brasileira com a compra da unidade norte-americana motivou a instalação da CPI da Petrobras.

O esquema partia de grandes empresas – a maior citada por ele é a Camargo Corrêa – que, para fechar contratos milionários com a Petrobras, transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos da base do governo e a políticos. Estes, antes de receber, tinham o dinheiro lavado por doleiros.

De acordo com Paulo Roberto, relata Veja, algumas das maiores empreiteiras do país, como a Camargo Corrêa, participavam do esquema. Segundo o ex-diretor contou, elas transferiam parte do lucro a funcionários da estatal, a partidos e políticos da base aliada para fechar contratos milionários com a Petrobras. Antes de chegar ao destino final, o dinheiro era lavado por doleiro, diz a revista.

Os números dos envolvidos pelo ex-diretor no esquema operado e, agora, delatado por ele variam conforme a apuração. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, Paulo Roberto disse que 32 parlamentares, um governador e cinco partidos políticos recebiam 3% de comissão sobre o valor de cada contrato da estatal no período em que ele comandava a diretoria de Abastecimento. O único nome mencionado na reportagem do Estadão é o do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

De acordo com a Folha de S. Paulo, 61 congressistas e pelo menos um governador receberam dinheiro desviado da empresa. A exemplo de Veja, a Folha cita o envolvimento direto de três partidos da base de Dilma: PT, PMDB e PP.

Por envolverem parlamentares e ministro de Estado, os depoimentos serão remetidos ao Supremo Tribunal Federal (STF), responsável por andar andamento e julgar processos contra autoridades federais. Réu em duas ações penais – uma sobre ocultação e destruição de documentos e outra sobre corrupção –, o ex-diretor da Petrobras aceitou a delação premiada para escapar de uma pena que poderia chegar a 50 anos.

Um dos principais alvos da Operação Lava Jato, da Polícia Federal, Paulo Roberto é acusado de ter recebido propina e de participar de um esquema de lavagem de dinheiro e evasão de divisas que teria movimentado cerca de R$ 10 bilhões. Ele está preso em Curitiba, mas, pelo acordo firmado, deverá ser posto em liberdade com uma tornozeleira assim que concluir a série de depoimentos.

set
06
Posted on 06-09-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 06-09-2014


Capa da revista Veja desta semana. Nas bancas. Corra que vai esgotar logo. Ou desaparecer.

(Vitor Hugo Soares)


==============================================================


Marina (com Pedro Simon):sob os olhos do mundo


ARTIGO DA SEMANA

Marina (e companhia) na boca do mundo

Vitor Hugo Soares

Na imprensa e nas redes sociais pululam notícias, opiniões, análises, previsões e palpites para todo gosto, sobre as eleições presidenciais que se aproximam e as probabilidades de seus principais candidatos e partidos. “E isso é natural” (para seguir na batida do samba) em tempo de campanha política, mais ainda em disputa presidencial, que mexe com os nervos e interesses de muita gente, dentro e fora do país. Lá fora, por sinal, atrai mais interesse do que imagina nossa vã filosofia.

Às vezes entrando pela madrugada, podem testemunhar notívagos freqüentadores das redes sociais (Twitter e Facebook, principalmente). Ou insones ouvintes dos noticiários da CNN; os leitores dos sites dos principais jornais internacionais; além de boêmios e inveterados seguidores, nas noitadas de domingo, do programa Manhattan Connection, ancorado desde Nova Iorque pelo jornalista mineiro Lucas Mendes, no canal privado Globo News.

Além de Mendes, suas azeitadas extensões globais ilimitadas nos planos da política, economia e cultura. Tudo a cargo de profissionais de grosso calibre em informações jornalísticas, amenidades, humor inteligente, serviços e entrevistas referenciais. Fixados em Miami, São Paulo, Veneza e, eventualmente, Londres.

Assinalo esses pontos para destacar dois pilares básicos do jornalismo político ou de qualquer outro tipo: “Em primeiro lugar Sua Excelência o fato” – para usar uma frase sempre repetida por Ulysses Guimarães, até desaparecer em desastre aéreo e ficar encantado no fundo do mar. Depois, a opinião, a análise, o palpite. “Manhattan” é bom e exemplar em tudo isso.

Aqui desejo chamar a atenção para duas das mais recentes edições do programa da Globo News, com abordagem destacada da campanha presidencial no Brasil, a partir da morte de Eduardo Campos e da entrada, no palco principal da disputa, da candidata Marina Silva.

Programas que repercutiram, geraram polêmica e causaram até uma briga feia no Twitter (ou bonita, a partir do ponto de vista do observador) entre o jornalista Diogo Mainardi e o ator global e petista sem meias medidas, José de Abreu. Isso depois de Mainardi cravar a ousada previsão de que “esta eleição Marina já papou” e alinhar significativos motivos que o fazem pensar assim. O palpite foi dado originalmente no Manhattan Connection, no domingo seguinte à morte do ex-governador de Pernambuco, durante a entrevista do filósofo e cientista político da USP, José Álvaro Moisés.

Da capital paulista, ao lado do jornalista de economia, Ricardo Amorim, o entrevistado antecipava a reviravolta das preferências eleitorais, que se confirmaria a seguir nas pesquisas, mas hesitava em relação ao candidato que mais se beneficiária com a saída de Eduardo Campos da disputa.

“Tanto pode ser Marina, quanto Dilma ou até mesmo o tucano Aécio Neves. Tudo vai depender do tom que a campanha vai tomar”, tateava então o professor Álvaro Moisés. De passagem por Londres, a caminho da Escócia, Mainardi não deixou passar a oportunidade de atear fogo na entrevista.

“A gente não pode ser tão prudente e nós estamos sendo prudentes demais nessa análise. Marina já está com a eleição no papo. Nas próximas pesquisas ela já vai aparecer na frente de Aécio no primeiro turno e da Dilma no segundo”. Disse mais, que Marina nunca precisou dos votos de Eduardo, “pois ela sempre teve mais votos do que ele. Ela tem um caminhão de votos. Precisa sim da costura política que o ex-governador fez com muita competência e talento no país e ela nunca soube fazer”.

“Isso vai ajudar, e muito, a Marina crescer ainda mais e ganhar as eleições”, disse Mainardi, que no programa do domingo passado lembrou mais um dado para reforçar sua previsão: a revelação das pesquisas de que cada 10 votos do tucano Aécio no primeiro turno, 8 irão para Marina no segundo. No artigo da Folha, o jornalista reafirmou tudo e jogou mais gasolina na polêmica ao anunciar já no título do texto: “Eu apoio Marina (até a posse)”.

Ao lado de Lucas, em New York, Caio Blinder preferiu gozar com humor o companheiro de programa: “Agora estou certo de que Marina não ganha, porque Diogo sempre erra em suas previsões”, comentou durante a entrevista do cientista da USP. Até aqui, Mainardi acertou na mosca. As mais recentes pesquisas eleitorais, divulgadas simultaneamente esta semana pelos institutos Ibope e Datafolha, demonstram que o fenômeno Marina segue a produzir estragos e bruscas mudanças de rumos em todas as campanhas e propostas dos principais candidatos.

O vulcão produz erupções menos intensas, mas segue ativo. O resto, a conferir.

Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitor_soares1@terra.com.br

==============================================================

7) Verdade, Uma Ilusão
(Carlinhos Brown/Marisa Monte / Arnaldo Antunes)

Mistura fina de verdade. Confira.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

=========================================================

Deu no Blog Por Escrito, editado pelo jornalista Luis Augusto Gomes

Acontece que ele é baiano

O deputado Zé Raimundo (PT) discursou sobre o ataque feito pelo governador Jaques Wagner ao ex-governador Paulo Souto, qualificando-o de “desabafo” e atribuindo-o ao “ambiente de calor das eleições”.

Mesmo a afirmação de que Souto é “empregado da família” Magalhães foi analisada. “Talvez o governador, quando se referiu a família, tenha utilizado uma linguagem mais antropológica para falar de uma linhagem que, infelizmente, perdura no Nordeste e na política brasileira”.

Nessa parte, citou “o patrimonialismo, a herança dos grandes grupos familiares que organizam a vida política”, marca presente, “inclusive, em algumas lideranças do próprio Partido dos Trabalhadores”.

A frase sobre a falta de “luz própria” de Souto “foi dita no sentido de não ter sido um fundador, de não ter sido um criador de movimento social e político, como foi o governador e, modéstia a parte, como foi a minha geração”, pela fundação da CUT e do PT.

E para encerrar: “Embora seja de origem alemã, o companheiro Wagner é um carioca, um baiano de tantas e tantas décadas, que assumiu a Bahia e vive na Bahia, tem um jeito baiano. Talvez essa maneira de ele se expressar foi um momento de baianidade”.

  • Arquivos

  • setembro 2014
    S T Q Q S S D
    « ago   out »
    1234567
    891011121314
    15161718192021
    22232425262728
    2930