==============================================================


DEU NO FACEBOOK

O professor Roberto Santos, ex-governador da Bahia (1975-1979), recebeu na quinta-feira (7) em sua residência, em um jantar com a presença de mais de 50 amigos …e parentes, os candidatos majoritários da aliança PSB-Rede Sustentabilidade para as eleições presidenciais Eduardo Campos e Marina Silva, e ao Governo da Bahia, Lídice da Mata, seu vice, Eduardo Vasconcelos, e a candidata ao Senado, Eliana Calmon.

Uma das mais respeitadas lideranças da Bahia, Roberto Santos disse que tem uma grande admiração por Eduardo Campos desde quando o conheceu. Na época, Campos era ministro da Ciência e Tecnologia e ele era membro do Conselho de Ciências e Tecnologia. “Vejo agora a candidatura dele como uma nova possibilidade para o Brasil, uma nova visão de futuro e caso se eleja será muito bem-vindo”, afirmou.

O professor Roberto Santos também fez referências à candidatura de Lídice da Mata, destacando que ela diz muito bem da capacidade da mulher, o que tem demonstrado em todos os mandatos que exerceu: “Considero que entre as possibilidades que temos, ela é o que há de melhor para o futuro da Bahia”, assinalou.

Beegie Adair, Autumn Leaves, comemore!!!

BOA NOITE!

(Gilson Nogueira)

==================================================================

DEU EM O GLOBO

BRASÍLIA — A rede de internet do Palácio do Planalto foi usada para fazer alterações nos perfis dos jornalistas Míriam Leitão, colunista do GLOBO, e Carlos Alberto Sardenberg, da CBN e Rede Globo, na Wikipédia, com o objetivo de criticá-los. O IP 200.181.15.10, da Presidência da República, foi usado na enciclopédia colaborativa virtual para fazer alterações em maio do ano passado. O IP é uma espécie de identidade digital que permite saber de onde partiram as modificações. No entanto, apenas os administradores da rede do Planalto têm como saber exatamente qual equipamento do local foi usado.

As mudanças ocorreram em uma sexta e uma segunda-feira, dias 10 e 13 de maio. A primeira alteração no perfil de Míriam Leitão, feita dia 10, às 16h43m, foi para qualificar análises suas como “desastrosas”. Três dias depois, às 18h32m, a rede da Presidência voltou a ser usada para incluir trechos contra a jornalista, desta vez associando-a ao banqueiro Daniel Dantas: “Míriam Leitão fez a mais corajosa e apaixonada defesa de Daniel Dantas, ex-banqueiro condenado por corrupção entre outros crimes contra o patrimônio público. A forma como Míriam Leitão se envolveu na defesa de Dantas chamou a atenção de Carlos Alberto Sardenberg, seu companheiro na CBN, para quem a jornalista estava diferente naqueles dias. Para Míriam Leitão, apesar do vídeo que flagrava o suborno a um delegado da Polícia Federal, a prisão de Dantas não se justificava, posto que se tratava de coisas do passado”. Confira infográfico com detalhes das mudanças.

Por fim, às 18h50m, o mesmo IP fez uma última alteração no perfil da jornalista:

“Um dos maiores erros de previsão ocorreu durante a Crise Financeira Internacional. Em 29/06/2009, Míriam Leitão escreveu o seguinte sobre a previsão de crescimento do Ministro Guido Mantega de 4,5% do PIB de 2010: ‘Ele fez uma afirmação de que em 2010 o Brasil está preparado para crescer 4,5%. É temerário dizer isso’. Contrariando o pessimismo de Míriam Leitão, o Brasil cresceu 7,5% naquele ano”.

Procurada pela reportagem, Míriam mostrou-se surpresa com o uso da estrutura do Palácio e desmentiu as acusações:

— É mentira que eu tenha defendido Daniel Dantas. Acho que é espantoso que um órgão público, ainda mais o Palácio do Planalto, use recursos e funcionários públicos para fazer esse tipo de ataque a jornalistas, quando deveria estar dedicado às questões de Estado.

‘É IMORAL, É ANTIÉTICO’

Com Carlos Alberto Sardenberg, a disposição foi semelhante. No dia 10, às 12h51m, quatro horas antes das alterações no perfil de Míriam, o IP do Planalto começou a fazer mudanças no perfil do jornalista. O texto anteriormente publicado já dizia que o âncora da CBN e da Rede Globo era um forte crítico das políticas econômicas de Lula e Dilma, então o equipamento no Planalto adicionou: “… principalmente em relação aos cortes de juros promovidos nesses governos. É irmão de Rubens Sardenberg, economista-chefe da Febraban, instituição que tem grande interesse na manutenção de juros altos no Brasil, uma medida geralmente defendida também por Carlos Alberto Sardenberg em suas colunas. Já cometeu erros notáveis em suas previsões, como afirmar que ‘(…)a economia mundial segue em marcha de sólido crescimento. Sólido porque não é nenhuma bolha financeira (…)’ um ano antes de estourar a crise mundial de 2008”.

Três dias depois, às 14h31m, o IP do Planalto foi então usado para criticá-lo explicitamente: “A relação familiar denota um conflito de interesse em sua posição como colunista econômico”.

Procurado, Sardenberg reagiu:

— Minhas opiniões são sempre muito claras. A política do Banco Central tem sido muito errática e sem uma lógica, tanto é que fizeram uma redução de juros forte e, depois, tiveram que subir, então, é óbvio que está errado. É evidente que minha posição é claramente crítica a esse governo. Esse é um debate de ideias, agora dizer que, porque meu irmão trabalha na Febraban, sou lacaio dos bancos é uma canalhice, uma baixaria. É imoral, é antiético, porque você coloca no perfil uma ilação. Usando um equipamento do governo, se faz uma ilação que não pode ser feita — afirmou.

Ao longo dos três anos e meio do governo Dilma, o IP da Presidência foi usado para realizar cerca de 170 alterações na Wikipédia. Muitas modificaram verbetes relativos a órgãos ligados à Presidência e de ministros e ex-ministros como Moreira Franco, Antonio Palocci, Thomas Traumann, Ideli Salvatti e Alexandre Padilha, além do assessor especial da presidente, Marco Aurélio Garcia, e do vice-presidente, Michel Temer.

O Palácio do Planalto afirmou que “o número do protocolo de internet (IP) citado pela reportagem é o endereço geral do servidor da rede sem fio do Palácio do Planalto. Isso significa que qualquer pessoa que utilizou essa rede via internet móvel terá como endereço de saída este número geral de IP. Por isso, não é possível apontar com segurança a identidade de quem alterou os textos citados pela reportagem a partir deste número de IP em maio de 2013”.

ago
08
Posted on 08-08-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 08-08-2014


Frank, hoje, no jornal A Notícia (SC)


Eduardo Campos:corpo a corpo no Pelô
================================================================


DEU EM O TEMPO

DA REDAÇÃO

O candidato à Presidência Eduardo Campos (PSB) instou nesta quinta-feira (7) a presidente Dilma Rousseff (PT) a “falar a verdade” sobre a Petrobras em vez de “defender quem fez errado” na gestão da estatal.

Campos, que esteve em Salvador em atividades de campanha, fazia referência a denúncias, divulgadas pela revista “Veja” desta semana, de que a presidente da Petrobras, Graça Foster, o ex-presidente da estatal Sérgio Gabrielli e o ex-diretor da estatal Nestor Cerveró receberam antecipadamente as perguntas que responderiam na CPI da Petrobras do Senado.

Questionada sobre o tema nesta quarta (6), Dilma disse que o Planalto não é “expert em petróleo e gás”. “Primeiro porque o Palácio do Planalto não é um expert em petróleo e gás. Expert em petróleo e gás é a Petrobras. Eu queria saber se você podia me informar quem elabora perguntas sobre petróleo e gás para a oposição também”, disse.

Campos afirmou que esperava “a verdade” da presidente. “A atitude que se esperava da presidenta neste momento era de falar a verdade para que a verdade pudesse ajudar na recuperação da Petrobras. Não vamos recuperar a Petrobras com mentiras, defendendo quem fez errado.”

O pessebista acusou o governo de criar uma “cortina de fumaça” sobre as denúncias envolvendo a estatal. E questionou a atitude de membros do PT que minimizaram a troca de informações entre assessores de senadores governistas e dirigentes da estatal.

“E se o governo fosse do presidente Fernando Henrique, o que estariam dizendo? O mesmo? Não”, disse

(Infoomações da Folhapress)).

OLODUM E FEIJÃO

Eduardo Campos participou na tarde desta quinta-feira (7) de uma caminhada no Pelourinho. Visitou as sedes de blocos carnavalescos como Olodum e Cortejo Afro e provou um caldo preparado pela famosa quituteira baiana Alaíde do Feijão.

No início da noite, o presidenciável participou de um encontro com jovens e focou o discurso em temas como educação e violência.

Criticou a quantidade de homicídios registrados no Brasil, afirmando que “há uma Faixa de Gaza em cada periferia das grandes cidades brasileiras”.

Acompanharam Campos em Salvador a senadora Lídice da Mata (PSB), candidata ao governo da Bahia, e Eliana Calmon (PSB), que concorre ao Senado.

A candidata à vice-presidente, Marina Silva, não compareceu aos eventos. A assessoria do partido afirmou que ela chegaria a Salvador “mais tarde” e disse que ela teve de ficar mais tempo em São Paulo para visitar um parente com problemas de saúde.

Nesta sexta-feira (8), Marina cumpre agenda no interior da Bahia, enquanto Campos segue para Garanhuns e Bom Conselho, no agreste pernambucano.

NOITE DE VERÃO

Do álbum Cambaio, lançado em 2001 por e Edu Lobo e Chico Buarque.

Este não sou eu
Meus lábios nos seus lábios não são meus
O meu olho no seu olho no meu olho no seu
Duvida do que vê

Deve ser um rei
Deve ser um deus
O homem que possui você

Não pode ser eu
Você fala meu nome, quem sou eu?
Você fala meu homem, sim,
Meu homem, sim, mas qual?
Eu nunca fui ninguém

Deve ser demais
Deve ser o tal
O homem que lhe faz tão bem

Sonho de Mulher
Em noite de verão
Por que é que você veio me perder
Quer se divertir
Fingindo me adorar
Ou fingir se enganar
Me amando pra valer

Beije-me outro beijo uma outra vez
Que importa se estes beijos não são meus
Que eu só tenho esta noite de favor
Nos braços de uma atriz

Este não sou eu
Este é um impostor
Que pobre de amor se diz

Deve ser um rei
Deve ser um Deus
Como deve ser feliz

======================================

Suprema maravilha poética e musical. Para qualquer estação do ano. Em qualquer tempo.

BOM DIA!!!

(Vitor HuGO Soares)

DEU NO UOL/FOLHA

Pesquisa Ibope divulgada na noite desta quinta-feira (7) mostra que a presidente e candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), lidera a corrida presidencial com 38% das intenções de voto. Atrás dela aparece o senador Aécio Neves (PSDB), com 23%, seguido pelo ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), com 9%. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

De acordo com o Ibope, Pastor Everaldo (PSC) tem 3% das intenções de voto. Eduardo Jorge (PV) e Luciana Genro (PSOL) possuem 1%, cada. Zé Maria (PSTU), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Rui Pimenta (PCO) não pontuaram. Os votos brancos e nulos correspondem a 13% do total; 11% não souberam responder.

Ao todo, 2.506 pessoas foram entrevistadas pelo Ibope entre o último domingo (3) e esta quinta-feira (7). A pesquisa foi contratada pela Globo e registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR-00308/2014.

O período de realização das entrevistas coincide com o início da cobertura das eleições pelos telejornais da Globo –entre eles o Jornal Nacional–, que são os noticiários com maior audiência na televisão. A emissora passou a acompanhar os candidatos na segunda-feira (4).

Na pesquisa Ibope anterior, divulgada em 22 de julho, Dilma tinha 38%, Aécio, 22%, e Campos, 8%. Pastor Everaldo aparecia com 3%. Eduardo Jorge, Luciana Genro e Zé Maria possuíam 1%. Eymael, Fidelix, Iasi e Pimenta não pontuaram. Votos brancos e nulos somavam 16%, e 9% não responderam.

Apesar de liderar a corrida presidencial, Dilma possui a maior rejeição entre os candidatos (36%). Ainda segundo o Ibope, 32% consideram governo Dilma “ótimo” ou “bom” e 31% consideram-no “ruim” ou “péssimo”.

e simulou um eventual segundo turno entre Dilma e Aécio e entre a petista e Campos. Contra Aécio, Dilma tem 42% das intenções de voto, e o tucano, 36%. Já diante de Campos, a presidente aparece com 44% contra 32% das intenções de voto para o candidato do PSB.

Na pesquisa anterior, o Dilma tinha 41% das intenções de voto no segundo turno com Aécio, contra 33% do tucano. Diante de Campos, tinha 41%, contra 29% do candidato do PSB.

Ibope / TV Globo Pesquisa do dia 07/08/2014, realizada entre os dias 03 e 07/08/2014; Registro nº: BR-00308/2014; Amostra: 2.506; Margem de erro: +-2 pontos percentuais.
Espontânea

Na pesquisa espontânea, em que não se mostra ao entrevistado a lista de candidatos, 25% declararam voto em Dilma, 11% em Aécio e 4% em Eduardo Campos. Em 22 de julho, Dilma tinha 26%, Aécio, 12%, e Campos, 4%.
Cobertura televisiva

Por conta da maior exposição em função da cobertura da Globo, as principais campanhas preencheram as agendas dos candidatos com eventos públicos direcionados à cobertura televisiva.

Na segunda, Dilma chegou a trocar a agenda oficial que teria no Palácio do Planalto, em Brasília, por uma visita a um posto de saúde em Guarulhos (Grande SP), onde trabalham profissionais estrangeiros contratados pelo Mais Médicos, carro-chefe da campanha petista.

Durante a visita ao posto, foram gravadas imagens para o horário eleitoral. Na terça-feira (5), a candidata à reeleição visitou pela primeira vez o canteiro de obras da usina hidrelétrica de Belo Monte. No evento, a campanha de Dilma também captou imagens para o programa eleitoral.

Ontem (6), Dilma, Aécio e Eduardo participaram do encontro dos presidenciáveis com a CNA (Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária). Nesta quinta, a presidente participou de um almoço com empreendedores em Brasília e, à noite, foi a um ato com sindicalistas de várias centrais sindicais em São Paulo, ao lado de Luiz Inácio Lula da Silva.

Hoje, Aécio também esteve com sindicalistas, entre ele Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, em evento com metalúrgicos da fábrica Voith, na zona norte de São Paulo. Na segunda, o senador participou de um congresso de ruralistas na capital paulista. Na terça, o tucano esteve em um encontro com profissionais de saúde. Ontem, além do debate no CNA, inaugurou o comitê do candidato do PSDB ao Distrito Federal, Luiz Pitiman.

Já Campos usou a semana para participar de encontros com entidades de classe (terça e quinta), esteve com evangélicos em Brasília (quarta) e, na tarde de hoje, fez caminhada pelo Pelourinho, em Salvador, e participou de um encontro com jovens da capital baiana.

===============================================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou nesta quinta-feira (7) o ex-deputado federal José Genoino, condenado na Ação Penal 470, o processo do mensalão, a progredir para o regime aberto. Com a decisão, Genoino cumprirá o restante de sua pena em casa, onde terá que seguir regras estabelecidas pela Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, que vai efetivar a decisão.

Segundo Barroso, Genoino cumpriu um sexto da pena de quatro anos e oito meses de prisão no regime semiaberto, requisito para a passagem ao aberto. “Tendo em vista a documentação que instrui o pedido, considero atendido o requisito objetivo para a progressão de regime na data de 21 de julho de 2014. Da mesma forma, tenho por satisfeito o requisito subjetivo exigido pelo Artigo 112 da Lei de Execuções Penais, na medida em que, conforme já referido, há nos autos o atestado de bom comportamento carcerário e inexistem anotações de prática de infrações disciplinares pelo condenado”, decidiu o ministro.

De acordo com o Código Penal, o regime aberto deve ser cumprido nas chamadas casas do albergado, para onde os presos voltam somente para dormir. Em muitos casos, diante da inexistência desse tipo de estabelecimento nos sistemas prisionais estaduais, os juízes determinam que o preso fique em casa e cumpra algumas regras, como horário para chegar, não sair da cidade sem autorização da Justiça e manter endereço fixo.

Genoino teve prisão decretada no dia 15 de novembro do ano passado e chegou a ser levado para o Presídio da Papuda, no Distrito Federal. Mas, por determinação do presidente do STF, Joaquim Barbosa, ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar temporária uma semana após a decretação da prisão. Em abril, o ex-parlamentar voltou a cumprir pena no presídio.

  • Arquivos