Adeus, Julho. Que Agosto nos seja mais leve!

BOA TARDE!

(Vitor Hugo Soares)

=============================================================

O ministro Joaquim Barbosa está oficialmente aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF). A aposentadoria de Barbosa foi publicada nesta quinta-feira (31) no Diário Oficial da União. A partir desta quinta, ele deixa de fazer parte da corte. O retorno das sessões no STF, após o recesso, está marcado para amanhã, sexta-feira (1° de agosto), quando o ministro Ricardo Lewandowski será eleito novo presidente do STF.

Veja a íntegra do decreto de aposentadoria publicado no Diário Oficial da União de hoje, 31 de julho de 2014:

SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL
DECRETO DE 30 DE JULHO DE 2014

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe conferem o art. 84, caput, inciso XIV, e art. 101, parágrafo único, da Constituição, tendo em vista o disposto no art. 3º da Emenda Constitucional nº 47, de 5 de julho de 2005, e de acordo com o que consta do Processo nº 08025.002332/2014-66 do Ministério da Justiça, resolve CONCEDER APOSENTADORIA, a partir de 31 de julho de 2014, a JOAQUIM BENEDITO BARBOSA GOMES, no cargo de Ministro do Supremo Tribunal Federal.

Brasília, 30 de julho de 2014;
193º da Independência e 126º da República.

DILMA ROUSSEFF
José Eduardo Cardozo

Na coluna Tempo Presente, assinada por Levi Vasconcelos no jornal A Tarde, edição desta quinta-feira, 31, aspectos diferentes de uma disputa que merecem atenção especial. Primeiro, uma interessante e bem humorada nota de campanha que começa a esquentar nas redes sociais (com fontes identificadas e jogando aberto).Segundo, a revelação de uma guerra suja e clandestina de informações de fontes secretas (ou não identificadas), cujos torpedos ninguém sabe de onde partem ou as mãos (e bocas) que os acionam. Confiram.

(Vitor Hugo Soares)

=================================================

Otto, Wagner e Geddel duelam no Twitter

O governador Jaques Wagner e Otto Alencar, candidato ao Senado pela banda governista, de um lado, Geddel Vieira Lima, também candidato ao Senado pela oposição, de outro, duelaram ontem no Twitter.

Otto soltou o primeiro torpedo:

Geddel acha que lealdade é sinônimo de subserviência. Recebi o convite de Jaques Wagner, Lula, Dilma e nove partidos para disputar o Senado. A minha candidatura não foi imposta ou forçada.

Wagner entrou:

É verdade, Otto. Ao contrário do adversário, que não tem nada para mostrar e por isso o ataca, você tem história, tem a ficha limpa. Você é um dos mais leais parceiros que tive na vida pública. Seu trabalho foi determinante em projetos importantes para a Bahia.

Otto retrucou:

Nunca imaginei que Geddel fosse se apropriar da herança do senador ACM, o político que mais ele atacou, agrediu, caluniou e xingou.

Geddel rebateu:

Nem eu que o senhor fosse ficar bajulando o PT, de quem sempre falou mal.

E dirigindo-se a Wagner:

Quem mais sabe que tenho o que mostrar é você e o Lula, que deu depoimentos sobre isso. Quanto à cor da ficha, marque o local que quiser e debato a minha, a sua e a de quem quiser. O nível, você escolhe.

Estranho no ninho – Rui Bastos, também tuiteiro que nada tinha a ver com o peixe, entrou dirigindo-se a Otto e Geddel:

Que briga feia…

Geddel respondeu:

Também acho, mas aceitar provocação e agressão passivamente não é do meu estilo. Eles botam a música, eu danço.

Guerra suja

Aliás, as redes sociais, este ano com presença nos embates eleitorais como nunca visto, viraram palco também da guerra suja.

Postaram ontem no WhatsApp uma suposta pesquisa do Vox Populi dando números detalhados para o governo e o Senado.

Simplesmente uma mentira.

Foi no embalo desse jogo que postaram a informação atribuída a petistas dizendo que Lídice da Mata é ‘traidora’.

Não se sabe de onde partiu o petardo.

jul
31
Posted on 31-07-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 31-07-2014


=================================================================
Samuca, hoje, no Diário de Pernambuco

======================================================

============================================================

DEU NO G1

O prefeito de Itagimirim, município localizado a 492 quilômetros de Salvador, que foi atingido por quatro tiros e morreu no final da noite de terça-feira (29), foi sepultado na tarde desta quinta-feira (30). O corpo de Rielson Santos Lima foi sepultado no cemitério local, por volta das 16h.

Procurado pelo G1, o delegado do município, Ermano Costa, que acompanhou a cerimônia no cemitério local, disse que a polícia já tem algumas pistas sobre a autoria do crime, mas ainda aguarda a conclusão dos depoimentos de algumas testemunhas do crime.
Prefeito foi sepultado na tarde desta quarta-feira (Foto: Hugo Santos / Site Radar 64)Prefeito foi sepultado na tarde desta quarta-feira

Morte

Atingido por quatro tiros durante atentado, o prefeito do município de Itagimirim, Rielson Santos Lima (PMDB), não resistiu aos ferimentos e morreu no final da noite de terça-feira (29). A informação foi passada ao G1 por Mário Gontijo, secretário de saúde de Eunápolis, município onde a vítima foi hospitalizada.

“Ele faleceu às 23h10. Foi mobilizado todo o aparato, mas ele acabou não resistindo. Ele perdeu muito sangue e a pressão baixou muito”, relatou o Gontijo.

Conforme o secretário, o prefeito foi atingido por tiros no tórax, pulmão e abdômen. A vítima faleceu quando a cirurgia no abdômen estava sendo encerrada.

Atentado
O prefeito de Itagimirim, Rielson Santos Lima (PMDB), foi baleado em uma praça localizada no centro da cidade, na noite de terça-feira (29).

Segundo testemunhas, ele estava num bar com um primo quando dois homens chegaram a bordo de uma moto. Quatro tiros atingiram a vítima.

O político foi socorrido para o Hospital Regional de Eunápolis, cidade vizinha do sul da Bahia, e passou por uma cirurgia chamada laparotomia exploratória.

Uma UTI aérea foi disponibilizada para transferência do prefeito para Salvador, mas a aeronave não pôde pousar por conta do tempo chuvoso na capital baiana. Reilson Lima seria levado para o Hospital do Subúrbio, informou Gontijo.

O G1 ainda não conseguiu contato com a Polícia Militar ou a Polícia Civil da cidade. Ainda não há informações sobre a motivação e a identificação dos suspeitos.

==================================================================

DEU NO PORTAL iBAHIA

Redação

Um estudo feito pelo CWUR (Center for World University Rankings) destacou, entre as mil relatadas, 18 universidades brasileiras como as melhores do mundo. A Universidade Federal da Bahia (UFBA) aparece no 17º lugar nacional e na 967º posição mundial.

A Universidade de São Paulo (USP) lidera o ranking nacional e aparece na 131º posição mundial. Em seguida, a Universidade do Rio de Janeiro e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Em último lugar aparece Universidade Federal do ABC (UFABC), que fica em São Paulo.

Veja aqui ranking das melhores faculdades do Brasil

World
Rank Institution Country/Region National
Rank Quality of
Education Alumni
Employment Quality of
Faculty Publications Influence Citations Broad
Impact Patents Score
131 University of São Paulo Brazil 1 302 70 210+ 62 182 114 162 737+ 49.82
329 Federal University of Rio de Janeiro Brazil 2 261 120 210+ 304 326 493 402 181 46.08
437 University of Campinas Brazil 3 355+ 478+ 210+ 297 534 406 386 227 45.39
496 Federal University of Minas Gerais Brazil 4 355+ 462 210+ 430 476 493 514 170 45.14
585 Federal University of Rio Grande do Sul Brazil 5 355+ 478+ 210+ 418 632 406 514 552 44.85
626 Federal University of São Paulo Brazil 6 355+ 478+ 210+ 515 616 406 536 737+ 44.76
683 UNESP, São Paulo State University Brazil 7 355+ 478+ 210+ 352 655 493 690 552 44.67
845 Rio de Janeiro State University Brazil 8 355+ 478+ 210+ 754 856 493 783 637 44.45
852 Fluminense Federal University Brazil 9 355+ 300 210+ 783 922 609 937 737+ 44.45
894 University of Brasília Brazil 10 355+ 450 210+ 785 777 800+ 897 737+ 44.40
898 Federal University of Santa Catarina Brazil 11 355+ 478+ 210+ 608 959 800+ 869 737+ 44.39
919 Federal University of Santa Maria Brazil 12 355+ 414 210+ 985 974 800+ 923 737+ 44.37
925 Federal University of São Carlos Brazil 13 355+ 478+ 210+ 688 934 800+ 889 737+ 44.36
929 Federal University of Paraná Brazil 14 355+ 478+ 210+ 730 787 800+ 889 737+ 44.36
940 Federal University of Pernambuco Brazil 15 355+ 478+ 210+ 765 883 800+ 948 373 44.34
964 Federal University of Ceará Brazil 16 355+ 478+ 210+ 826 806 800+ 937 737+ 44.31
967 Federal University of Bahia Brazil 17 355+ 478+ 210+ 981 856 609 937 737+ 44.31
983 Federal University of ABC Brazil 18 355+ 478+ 210+ 952 904 609 966 737+ 44.28

Copyright © 2014 Cent

Vídeo da apresentação da cantora argentina Suzana Rinaldi na Finlândia. Maravilhosamente arrasadora.

BOM DIA!!!

(Vitor Hugo Soares)

=======================================================

Letra y Música: Eladia Blázquez, figura trascedental en la evolución de la poesía tanguera del sesenta al ochenta.
Hija de un salmantino y una granadina,
Eladia Blázquez fue una niña prodigio
que cantaba y tocaba el piano a los 8 años
en la inolvidable Radio Argentina de Buenos Aires.

“El Corazón al Sur”

Tango argentino (1975)

Letra y música de Eladia Blázquez

Nací en un barrio donde el lujo fue un albur,
por eso tengo el corazón mirando al sur.
Mi viejo fue una abeja en la colmena,
las manos limpias, el alma buena.
Y en esa infancia, la templanza me forjó,
después la vida mil caminos me tendió
y supe del magnate del tahur,
por eso tengo el corazón mirando al sur.

Mi barrio fue una planta de jazmin,
la sombra de mi vieja en el jardín,
la dulce fiesta de las cosas más sencillas
y la paz en la granilla, de cara al sol…
Mi barrio fue mi gente que no está
las cosas que ya nunca volverán
y desde el día que me fui, con la emoción y con la cruz
yo sé que tengo el corazón mirando al sur

La geografía de mi barrio llevo en mí,
será por eso que del todo no me fui:
la esquina, el almacén, el piberío
los reconozco… son algo mío…
Ahora sé que la distancia no es real
y me descubro en ese punto cardinal
volviendo a la niñez desde la luz,
teniendo siempre el corazón mirando al Sur…


O ministro Axel Kicillof chega para a negociação
em NY nesta quarta. / CARLO ALLEGRI (REUTERS)

=========================================================

DEU NO JORNAL EL PAIS (EDIÇÃO BRASILEIRA)

A Argentina não chegou a um acordo com os fundos abutres e não pagará o dinheiro devido. Nesta quarta, vencia o prazo para evitar o não-pagamento do título público argentino Discount (desconto) sob a legislação dos EUA e da Europa, parte da dívida reestruturada em 2005 e 2010. O ministro de Economia da Argentina, Axel Kicillof, confirmou que não houve um acordo, segundo justificou, porque o país “não pode ceder” às condições “injustas” que foram exigidas. Kicillof sentenciou que não vai assinar “nenhum compromisso que comprometa o futuro dos argentinos” e ressaltou que recorrerão ao direito nacional e internacional.

Nesta quarta-feira, o capital privado bancário argentino havia se interposto entre o governo de Cristina Fernández de Kirchner e os fundos de investimento litigantes para evitar o default. As 27 entidades financeiras que integram a Associação de Bancos Privados de Capital Argentino (Adeba) ofereceram aos chamados fundos abutres uma garantia de aproximadamente 250 milhões de dólares para que estes credores solicitem ao juiz uma prorrogação na sentença que obriga o governo argentino a pagar 1,5 bilhão de dólares (3,37 bilhões de reais).

A mão estendida dos banqueiros argentinos parece muito útil para o juiz, para os “abutres” e para a presidenta Cristina Kirchner.

O paradoxo é que o pai da ideia, o homem que se ofereceu como salvador do default e arrastou outros banqueiros para que contribuíssem com o fundo, é o antigo kirchnerista Jorge Brito, presidente do Banco Macro, acusado há apenas dois meses, pelo ministro de Economia, Axel Kicillof, de querer provocar “uma enorme desvalorização no país”. As gozações nas redes sociais não demoraram a aparecer. Fizeram até uma paródia da canção da Copa do Mundo – Brasil, me diga o que sente, em ter em casa seu papai – e mudou a letra por: “Cristi, me diga o que sente… que Brito te salve do default”.

O ministro de Economia, Axel Kicillof, tinha viajado na terça-feira de forma inesperada para Nova York, para encabeçar a delegação de três membros de sua equipe que já tinham se reunido de manhã com Daniel Pollack, o advogado indicado pelo juiz Thomas Griesa para ser mediador entre o Governo e os fundos abutres. Kicillof debateu pela primeira vez frente a frente com os representantes dos fundos e saiu à meia-noite, depois de uma reunião de quatro horas e meia, com as mãos vazias. “Continuamos trabalhando. Com toda a seriedade que a questão merece. Como vocês entenderão, não posso dar informações”, apontou. Restavam 24 horas para que se cumprisse o período de graça disposto por Griesa para alcançar um acordo.

Ninguém queria o default. Nem o juiz – que já tinha advertido os advogados do governo argentino que os principais prejudicados seriam as pessoas comuns e não os abutres. Não beneficiava tampouco os abutres, porque iria postergar por tempo indeterminado o pagamento dos 1,5 bilhão de dólares que a Justiça havia aprovado. E tampouco era o desejo do governo argentino. Porque, por mais que este default não fosse tão traumático quanto o que aconteceu depois da crise de 2001, mantinha o ditado de que o país sempre sabe como entrar em um default, mas nunca como sair. No melhor dos casos, seriam agravados os problemas de uma economia que já se encontra em recessão e com sérias dificuldades para conseguir investimentos estrangeiros.

Por isso, a mão estendida dos banqueiros argentinos parecia muito útil para o juiz, para os abutres e para Cristina. O juiz tiraria de seus ombros uma pressão internacional como poucas vezes terá sentido um magistrado. Os abutres conseguiriam imediatamente parte do 1,5 bilhão de dólares que reclamam. E o Governo ganharia tempo para evitar as cláusulas contraídas com outros credores que poderiam exigir as mesmas condições de pagamento que os “abutres”, quer dizer, a cobrança da totalidade da dívida contraída.
O que ganham os bancos com sua ajuda?

E o que ganhariam os bancos privados? Que interesse teria Jorge Brito e o resto dos banqueiros em contribuir com seu capital como garantia? Uma razão possível é que, salvando o país do default, salvam também seus próprios interesses, já que eles possuem títulos da dívida soberana cujo valor poderia desabar frente a uma possível declaração de default. Para os analistas, a questão é muito mais simples… Ou mais complexa: o nome de Jorge Brito aparece no processo de corrupção que corre na Justiça contra o vice-presidente da Argentina, Amado Boudou. Mediante esta ajuda econômica, Brito garantiria a colaboração do Governo contra possíveis investigações do juiz que processa Boudou. Ou seja, o banqueiro Brito estaria comprando impunidade. Outros opinam que o Governo pressionou os banqueiros argentinos.

De qualquer forma, todas essas teses não eram mais do que especulações ao redor de uma negociação que se estendeu por todo o mês de graça concedido pelo juiz até bem avançada a quarta-feira, último dia para evitar o default. No escritório de Manhattan do mediador Daniel Pollack tudo era sigilo e discrição.

De Buenos Aires, Francisco Ribeiro Mendonça, um dos membros da Associação de Bancos Privados de Capital Argentino, jogava um pouco de luz sobre o possível acordo: “Estamos trabalhando na linha de contribuição dos bancos, para formar um fundo que de alguma maneira ajude a reinstalação do stay (postergação da sentença).” Ribeiro esclareceu que estava sendo negociado se a moratória poderia se estendida até setembro ou até janeiro. “O governo argentino quer que chegue até janeiro, para tranquilizar os próximos cinco meses; a contraparte vai querer que seja até setembro ou maximizar as garantias, são detalhes em discussão”, afirmou o banqueiro.

Ribeiro Mendonça não escondia seu otimismo: “Nenhuma conversa se frustra no último segundo. Tenho certeza de que hoje chegamos a um entendimento, porque [do contrário] não há ganhadores. Entendo que as partes estão puxando a corda para seu lado, tentando maximizar suas posições.”


Hazal Naz Besleyici não quer que o governo
diga se ela pode sorrir em público ou não

=============================================================

DEU NO PORTAL BBC BRASIL

Centenas de milhares de mulheres turcas estão publicando em redes sociais fotos de si mesmas sorrindo. Mas por que elas começaram a fazer isso?

“Mulheres turcas não devem sorrir em público”. Pelo menos foi o que disse o vice-primeiro-ministro do país, Bulent Arinc, em um discurso na última segunda-feira em que falava sobre a “corrupção moral” na Turquia.

Os comentários de Arinc geraram uma grande reação entre as turcas na internet.

Elas passaram a publicar fotografias em redes como Instagram e Twitter em que aparecem fazendo justamente o que Arinc recomendou que não fizessem.

Já são mais de 300 mil tweets com o termo “kahkaha” – a palavra turca para “risada” – e com hashtags relacionadas ao tema.

Revolta

Junto com as fotografias, muitas turcas sugerem que o governo deve concentrar esforços em outros assuntos que consideram mais importantes, como estupros, violência doméstica ou o casamento forçado de meninas em vez de tratar do sorriso feminino em público.


A escritora Ece Temelkuran foi uma das primeiras
a protestar nas redes sociais

“Foi um comentário revoltante e conservador”, diz a escritora e analista política Ece Temelkuran, que tem mais de 1 milhão de seguidores no Twitter.

Ela foi uma das primeiras a publicar uma foto sorrindo – e incentivou outras mulheres a fazerem o mesmo. “Minha timeline ficou cheia de mulheres sorrindo, e isso foi extraordinário e muito bonito”, disse ela.

Muitos homens turcos também criticaram o vice-primeiro-ministro.

“Deus, por favor, que isso seja uma brincadeira”, disse Fatih Portakal, um famoso apresentador de TV. “Se mulheres não podem rir em público, um homem não deve chorar em público”.

Fatih fez referência à conhecida propensão do vice-primeiro-ministro de chorar quando ouve discursos do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan

DEU NO UOL/ Com Agência Brasil, em Brasília

A Vara de Execuções Penais do Tribunal de Justiça do Distrito Federal descontou nesta quarta-feira (30) 34 dias da pena do ex-deputado José Genoino (PT-SP), condenado no processo do mensalão, em virtude de cursos de introdução à informática e de direito constitucional, feitos dentro do Presídio da Papuda, no Distrito Federal.

Com a decisão, Genoino já tem direito a cumprir pena em regime aberto desde o dia 20 deste mês. No entanto, a autorização será do ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), responsável pela execução das penas dos condenados.

A data prevista para a concessão do benefício é 24 de agosto, quando ele completa um sexto da pena de quatro anos e oito meses de prisão no regime semiaberto, requisito para a mudança para o aberto. À Justiça do Distrito Federal, os advogados de Genoino alegaram que o cumprimento da pena no atual regime expirou devido aos 34 dias que o condenado tem de crédito, por ter trabalhado dentro do presídio.

Genoino teve prisão decretada no dia 15 de novembro do ano passado e chegou a ser levado para o Presídio da Papuda, no Distrito Federal. Mas, por determinação do presidente do STF, Joaquim Barbosa, ganhou o direito de cumprir prisão domiciliar temporária, uma semana após a decretação da prisão. Em abril, o ex-parlamentar voltou a cumprir pena de quatro anos e oito meses no presídio.

De acordo com o Código Penal, o regime aberto deve ser cumprido em nas chamadas casas do albergado, para onde os presos voltam somente para dormir. Em muitos casos, diante da inexistência do estabelecimento nos sistemas prisionais estaduais, os juízes determinam que o preso fique em casa e cumpra algumas regras, como horário para chegar ao domicílio, não sair da cidade sem autorização da Justiça e manter endereço

Pages: 1 2 3 4 5 6 7 ... 22 23

  • Arquivos