Cenário da tragédia em Cajazeiras/Juarez Soares/Correio

===========================================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

Da Redação

Três pessoas morreram em um acidente na obra da Embasa no bairro de Cajazeiras V, em Salvador, na manhã desta quarta-feira (18). De acordo com informações da Central de Polícia, por volta das 8h30, dois funcionários da empresa morreram durante a vistoria de um equipamento na rua Imperatriz de Cajazeiras. Uma terceira pessoa, um morador da região, tentou socorrer a dupla e também morreu.

Segundo a Embasa, as vítimas inalaram um gás que estava dentro de uma caixa de concreto armado, implantada a três metros de profundidade, e morreram durante a contaminação. Os técnicos foram identificados como Antônio Pereira da Silva e José Ivan Silva, funcionários vinculados à MRM/Passaralli, empresa que atua em consórcio com a Embasa.

Eles realizavam uma vistoria no local. Ao tentar ajudar os técnicos, um morador do local também se contaminou com o gás e morreu. Segundo a TV Bahia, Gilmário Conceição Barbosa era dono de um depósito de sucatas. O equipamento onde o acidente aconteceu faz parte de uma obra de implantação da rede de esgotamento sanitário.

Em nota, a Embasa garantiu que “o consórcio responsável pela execução da obra está investigando a origem do gás, uma vez que a rede de esgoto ainda não está em funcionamento”. O serviço está pronto há três meses. A empresa deve investigar de que forma ocorreu esta contaminação, e se os técnicos utilizavam equipamento de segurança no momento do acidente.

O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estiveram no local, e auxiliaram no resgate dos corpos de Antônio, José e Gilmário, que serão encaminhados ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Salvador.

========================================================

Salve-se quem puder

Dominguinhos e Fausto Nilo

A gente faz o amor
Só não desfaz o rancor
Não chore se eu disser
Você não quis quando eu quis
Agora quer ser feliz
Do jeito que o diabo quer

Eu já cansei de esperar
Olhando o tempo passar
Não quero mais sofrer
Agora já é depois
Sorrimos juntos nós dois
Podemos esquecer

Indecisão nunca mais
O tempo não satisfaz
A quem não sabe o que quer
Você foi tudo, meu Deus
Mas seu demônio sou eu

Salve-se quem puder

A gente faz o amor
Só não desfaz o rancor
Não chore se eu disser
Você não quis quando eu quis
Agora quer ser feliz
Do jeito que o diabo quer

Eu já cansei de esperar
Olhando o tempo passar
Não quero mais sofrer
Agora já é depois
Sorrimos juntos nós dois
Podemos esquecer

Indecisão nunca mais
O tempo não satisfaz
A quem não sabe o que quer
Você foi tudo, meu Deus
Mas seu demônio sou eu
====================================================

BOA TARDE NO BP E BOA NOITE NO FORRÓ DE ELBA RAMALHO NO PELOURINHO PARA LEMBRAR DOMINGUINHOS.CONFIRA.

(Vitor Hugo Soares)

========================================================

DEU NA TRIBUNA DA BAHIA

VICTOR PINTO

Hoje é o dia em que a chapa de oposição, líder das últimas pesquisas de intenções de votos, realiza a convenção que confirmará o nome do ex-governador Paulo Souto (DEM), o escritor e jornalista Joaci Góes (PSDB) e o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), como candidatos a governador, vice e senador, respectivamente.

Eles encabeçam a linha de ataques contra o pré-candidato governista, deputado federal Rui Costa (PT), apadrinhado do atual governador Jaques Wagner (PT).

Os 17 partidos de sustentação se encontram, a partir das 9h, no Espaço Unique, localizado na Av. Tancredo Neves, em Salvador.

O ato público contará com a presença dos prefeitos dos dois maiores colégios eleitorais baianos: ACM Neto (DEM), de Salvador, e José Ronaldo (DEM), de Feira de Santana, além de autoridades políticas.

“Na convenção desta quarta-feira, será dada a partida da candidatura que representa a união das oposições. Esse ato consolida a motivação de todas as nossas forças políticas para a campanha que começa a partir de 6 de julho”, destacou o pré-candidato a governador, Paulo Souto.

Para Souto, também será uma oportunidade de expor os princípios e fundamentos de um futuro governo, que pretende retomar o processo de modernização e desenvolvimento da Bahia e reafirma o entusiasmo.

“Vejo um entusiasmo com nosso eleitorado no interior. Espero que façamos uma grande festa concretizando uma chapa que vai disputar as eleições em outubro”, afirmou, sem esconder o otimismo.

Democratas e tucanos destacam confiança

Os apoiadores e os participantes da chapa estão com a convicção de que o evento marcará a oficialização de uma corrida concorrida ao Palácio de Ondina. Além de Paulo Souto (DEM), cabeça da chapa, que já declarou seu entusiasmo, outro demonstrador de animação e que acredita que a população marcará presença é o vice de Souto, o jornalista e escritor Joaci Góes (PSDB). “A certeza nossa é que a convenção de hoje acontece num clima de grande entusiasmo diante desse ambiente que surpreendeu a todos nós e os mais otimistas de um desejo irreprimível do povo baiano de dar um basta aos governos do PT, tanto no estado da Bahia, quanto no Brasil. Será, com certeza, uma grande festa junto aos partidos que nos apoiam”, garantiu.

Outro animado é o pré-candidato a deputado federal e ex-secretário de Urbanismo e Transporte de Salvador, José Carlos Aleluia (DEM). O demista credita na chapa que será oficializada a “salvação” para o estado.

“Nossa convenção é a estreia da mais ampla aliança promovida pelas oposições desde a redemocratização do Brasil. Estamos unidos pela salvação da Bahia”, afirmou.

O deputado estadual Elmar Nascimento (DEM), pré-candidato à Câmara Federal, em conversa com a Tribuna, lembra do número de partidos que somam o nome de Souto, Joaci e Geddel na corrida eleitoral de outubro.

“Minha expectativa é a melhor possível. Há dois anos fomos para convenção de ACM Neto (DEM) com cinco partidos e agora temos a perspectiva de 19 agremiações. É uma ampla aliança que estamos criando para mudar a Bahia e a mudança vem com Paulo Souto. A convicção de vitória vem dos eventos que estamos participando com o povo junto e a motivação grande. O que nos dá conforto e entusiasmo”, enalteceu Nascimento.

jun
18
Posted on 18-06-2014
Filed Under (Artigos) by vitor on 18-06-2014


===================================================
Sinfrônio, hoje, no Diário do Nordeste (CE)

jun
18

DEU NO EL PAÍS/EDIÇÃO BRASILEIRA

ALFREDO MEZA

O Instituto Nacional de Estatística da Venezuela impôs o segundo golpe duro ao Governo em menos de um mês. Em maio, a entidade havia revelado que 737.000 venezuelanos caíram para a pobreza extrema. E, neste mês, a Pesquisa de Acompanhamento do Consumo de Mantimentos concluiu que, entre o segundo semestre de 2012 e o mesmo período de 2013, houve uma queda generalizada no consumo diário de mantimentos básicos. Dos 43 itens incluídos no estudo, 41 tiveram redução do consumo. Em alguns casos, houve um desabamento notável, como no da farinha de milho (-16,55%), a base para o preparo das arepas – comida tradicional venezuelana no café da manhã e no jantar.

Por tabela, o INE desmentiu a nomenklatura chavista, cujos integrantes asseguraram, em diversas ocasiões, desde 2013, que a escassez e o desabastecimento crônicos se explicavam pelo fato de os venezuelanos agora poderem consumir mais. Já era um argumento difícil de acreditar, dada a queda brutal do poder aquisitivo, segundo analistas e comentaristas. A inflação anualizada entre maio de 2013 e o mesmo mês de 2014 ficou em 60,9%, apesar de o Governo ter aumentado o salário mínimo em 40% no período de um ano, a maior expansão de toda a era chavista até março, num esforço para tentar compensar a redução da renda. Esse salário mal cobre o custo da cesta básica de alimentos, que em janeiro de 2014 era estimada oficialmente pelo INE em 3.641 bolívares (162 reais, segundo a taxa mais alta do câmbio oficial).

A queda inclui produtos como arroz (-10,55%), bananas (-7,38%), massas (-7,55%) e açúcar (-7,65%)

Além da farinha de milho pré-cozida, os outros oito mantimentos básicos que mais deixaram de ser consumidos na Venezuela, segundo esses dados, foram: arroz (-10,55%), bananas (-7,38%), massas (-7,55%), açúcar (-7,65%), carne bovina (-7,3%) mamão (-4,69%), pão de trigo (-1,8%) e batata (-2%). Também caiu o consumo de frango (-7,43%), peixe fresco (-5,83%), leite em pó integral (-7,5%) e leite líquido (-13,6%). As reduções abrangem 55 dos 62 produtos da cesta alimentícia.

Essas cifras negativas não receberam na imprensa estatal a mesma cobertura dada anteriormente aos feitos do regime. Em outubro de 2005, por exemplo, o então presidente Hugo Chávez declarou a Venezuela como território livre do analfabetismo, depois de aplicar durante dois anos um programa concebido em Cuba. Durante muitos anos, o chavismo se queixou de que os meios de comunicação não oficiais costumam minimizar seus feitos e lutas.

Os resultados da pesquisa do INE podem ser explicados por dois pontos de vista: um, a impossibilidade de conseguir no supermercado todos os mantimentos da cesta básica, cujo preço está regulado pelo governo e não pode ser ajustado à velocidade da inflação. O índice de escassez reportado pelo Banco Central da Venezuela em março chegou a 26,2%, quase nove pontos a mais que no terceiro mês de 2013, quando foi de 17,7% O outro argumento é a queda do poder aquisitivo. Entre maio de 2013 e esse mesmo mês de 2014, a inflação dos mantimentos e bebidas não alcoólicas subiu 76,2%.

O Governo planeja desvalorizar a moeda para tentar corrigir distorções ocasionadas pelo controle cambial

As estatísticas são divulgadas num momento em que a Venezuela analisa uma nova desvalorização para tentar corrigir as distorções ocasionadas pelo controle cambial adotado há mais de 11 anos. Os gastos superam a arrecadação em quase 15% do PIB, e o Governo precisa de mais divisas por cada dólar que recebe pela venda de petróleo. No domingo, o jornal Últimas Notícias, adquirido recentemente por investidores chavistas, reproduziu em sua manchete principal declarações do vice-presidente da área econômica, Rafael Ramírez, numa reunião com operadoras do setor financeiro internacional em Londres. “Existe a necessidade de convergir para um novo sistema cambial em curto prazo”, afirmou.

Se for assim, é possível que se eliminem por completo as importações ao câmbio oficial de 6,3 bolívares por dólar, usado para a aquisição no exterior de alimentos básicos e medicamentos. A desvalorização aumentará o custo das matérias-primas e dos mantimentos e obrigará o Governo a elevar o preço dos produtos controlados. Mas, como acontece com o adiado anúncio do aumento da gasolina, essas decisões dependerão da situação interna.


Felipão:frustrado e irônico depois do zero a zero

==================================================================

DEU NO CORREIO DA BAHIA

Ao fim de sua entrevista coletiva depois do empate com o México, nesta terça-feira (17), Felipão lançou uma pergunta aos jornalistas.

“Não tem mais pênalti a favor do Brasil?”, questionou o treinador, em tom irônico.

Visivelmente incomodado, Felipão fez alusão a uma jogada polêmica em cima de Marcelo, em que o lateral reclamou ter sido agarrado. O árbitro, no entanto, não marcou nada.

O técnico já havia se irritado com a pressão da imprensa estrangeira após o jogo contra a Croácia, quando foi marcado um pênalti inexistente em cima de Fred.

Sobre o lance desta terça (17), ao término do confronto no Castelão, o lateral esquerdo Marcelo reiterou ter sido agarrado por um jogador mexicano.

“Ao tentar controlar a bola, o adversário me agarrou. Não sei se dava para ficar em pé [para tentar prosseguir no lance]”, contou o lateral esquerdo.

Melhor em campo
Depois de responder a perguntas sobre o desempenho do Brasil no empate sem gols contra o México, Felipão foi questionado a respeito do goleiro mexicano Ochoa.

“Não gostei”, disse o treinador. Logo em seguida, ele abriu um sorriso e elogiou a atuação do defensor, que fez ao menos quatro defesas difíceis ao longo da partida.

“Brincadeira! Ele foi espetacular. Calmo, bem posicionado. O melhor jogador do confronto”, avaliou Felipão.

==============================================================

=========================================================

DEU NA AGÊNCIA EFE -EDIÇÃO BRASIL

O cantor Jimmy Scott, uma lenda do jazz conhecida por seu registro incomum de contralto, morreu aos 88 anos de idade.

Conhecido como “Little Jimmy Scott”, o americano de Cleveland (Ohio) morreu de causas naturais na quinta-feira (12/6) em sua casa em Las Vegas, segundo informou seu agente Jean-Pierre Leduc à imprensa local.

Scott sofria da síndrome de Kallmann, uma doença genética que o impediu de chegar à puberdade e desenvolver seu corpo, o que afetou também suas pregas vocais, dando-lhe um timbre único.

Sua voz comoveu artistas de vários âmbitos musicais e gerações desde as cantoras Billie Holiday e Dinah Washington a Axl Rose do Guns N’Roses e Madonna, que já disse: “Jimmy Scott é o único cantor que me faz chorar”.

Começou a cantar profissionalmente na década de 1940 e, em 1948, se uniu à banda de Lionel Hampton, com a qual fez sua estreia fonográfico com “Hampton” em 1950 que incluiu temas como “Everybody’s Somebody’s Fool”, um sucesso musical da época.

Socott deixou a banda e entre 1951 e 1955 gravou discos com companhias como Royal Roost, Coral, Roost Records até que se passou a Savoy Records, com a qual lançou seu primeiro LP “Very Truly Yours”.

Em 1962 assinou com Ray Charles, que produziu seu álbum “Falling in Love Is Wonderful”, seguido por 20 discos com outras fonográficas como “The Soul of Little Jimmy Scott”, “The Fabulous Voice of Jimmy Scott”, “Jimmy Scott”, “Regal Records Live in New Orleans”, “Over the Rainbow” e “Moon Glow”, entre outros.

Em 1992 Scott foi indicado ao Grammy de melhor interpretação vocal de jazz com o álbum “All the Way” e durante sua carreira colaborou com artistas como Elton John, Bruce Springsteen, Sting, Lou Reed e Michael Stipe.

Nos Estados Unidos o músico é lembrado, ainda, por sua aparição no capítulo final da série “Twin Peaks”, na qual cantou “Sycamore Trees”, coescrita com o criador da série, David Lynch.

  • Arquivos